Jump to content

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 03/21/2019 in Posts

  1. 4 points
    Essa geração tem bastante flops: Fallout 76, Anthem, Battlefield V...
  2. 3 points
    Pelo que li, é um trabalho dela iniciado na época da graduação no MIT tendo colaboração de muitos cientistas até agora, me parece que ela tá levando o crédito por ter liderado todo o projeto. A gente precisa ver o tamanho desse projeto, dessa máquina toda, as responsabilidades de cada um, quem direcionou, como foi o fluxo de decisões, quais habilidades cada um aportou antes de sair julgando e tals. Tipo o Jobs receber todo o crédito da Apple ter sido fodona e tals
  3. 3 points
  4. 3 points
    Tenho o MK 10 e nunca fui de jogar muito o modo online, esses dias fui jogar e o cara me pegou com o Shinnok. PQP, ele me jogou pra cima e não cai mais no chão, era combo em cima de combo. Desisti e voltei pro offline, 1 contra 1 com a minha filha. hahahaha
  5. 3 points
  6. 2 points
    Informação foi dada pelo porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. Mais cedo, nesta sexta-feira, Bolsonaro havia dito que governo poderia acabar com o horário de verão. Por Roniara Castilhos, TV Globo — Brasília 05/04/2019 17h28 Atualizado há 14 horas O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, informou nesta sexta-feira (5) que não haverá horário de verão neste ano. Inicialmente, Rêgo Barros disse que o governo havia decidido acabar com o horário de verão. Questionado sobre detalhes da medida, respondeu: "Esta é a posição para este ano. Para o próximo ano, faremos avaliação posterior". De acordo com o porta-voz, o Ministério de Minas e Energia fez uma pesquisa segundo a qual 53% dos entrevistados pediram o fim do horário de verão. Mais cedo, nesta sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro participou de um café da manhã com jornalistas. Entre outros pontos, disse que poderia acabar com o horário de verão já em 2019. Pouco depois de Otávio Rêgo Barros informar a decisão do governo, Bolsonaro publicou uma mensagem sobre o assunto em uma rede social: "Após estudos técnicos que apontam para a eliminação dos benefícios por conta de fatores como iluminação mais eficiente, evolução das posses, aumento do consumo de energia e mudança de hábitos da população, decidimos que não haverá Horário de Verão na temporada 2019/2020." De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o Brasil economizou pelo menos R$ 1,4 bilhão desde 2010 por adotar o horário de verão. Segundo os números já divulgados, entre 2010 e 2014, o aproveitamento da luz do sol resultou em economia de R$ 835 milhões para os consumidores. Horário de verão No horário de verão, parte dos estados do país adianta o relógio em uma hora, geralmente entre os meses de outubro e fevereiro. O período de vigência do horário de verão é variável, mas, em média, dura 120 dias. O objetivo é economizar energia elétrica, retardando o início da noite e, assim, diminuindo, por exemplo, o acionamento de lâmpadas. O Horário Brasileiro de Verão foi instituído pelo ex-presidente Getúlio Vargas, pela primeira vez, entre 3 de outubro de 1931 e 31 de março de 1932. A adoção foi posteriormente revogada em 1933, tendo sido sucedida por períodos de alternância entre aplicação ou não, e também por alterações entre os estados e as regiões que o adotaram ao longo do tempo. No mundo, o horário diferenciado é adotado em 70 países - atingindo cerca de um quarto da população mundial. O horário de verão é adotado em países como Canadá, Austrália, Groelândia, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai. Rússia, China e Japão, por exemplo, não implementam esta medida. Íntegra Leia a íntegra da nota do Ministério de Minas e Energia sobre o horário de verão: MME recomenda suspensão do Horário de Verão Historicamente, o Horário de Verão tem como principal objetivo o melhor aproveitamento da luz natural, a partir do adiantamento dos relógios em uma hora e consequente redução de consumo de energia elétrica no início da noite. No Brasil, era nesse período que se registrava o maior pico de consumo e, dessa forma, o Horário de Verão era benéfico para a população. No entanto, nos últimos anos houve mudanças no hábito de consumo de energia da população, deslocando o período de maior consumo diário para o período da tarde, quando o Horário de Verão não tem influência. Considerando as mudanças de hábitos de consumo e da configuração sistêmica do setor elétrico brasileiro, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico – CMSE solicitou novos estudos sobre os impactos do Horário de Verão para o sistema elétrico. Esses estudos indicaram que o Horário de Verão deixou de produzir os resultados para os quais essa política pública foi formulada, perdendo sua razão de ser aplicado sob o ponto de vista do setor elétrico. Dessa forma, o Ministério de Minas e Energia propôs ao Excelentíssimo Senhor Presidente da República a suspensão do Horário de Verão em todo o território nacional.
  7. 2 points
    De Duranik, dos criadores de Sturmwind (usando a mesma Engine): https://youtu.be/MdQDwqQnVX8
  8. 2 points
    >Xbox SAD Só será comprado por esse sujeito:
  9. 2 points
  10. 2 points
  11. 2 points
    E confirmando que o trabalho dela NÃO FOI usado pra gerar essa imagem...
  12. 2 points
    As pessoas devem ser mais criticas para não serem manipuladas ,e saírem distribuindo inverdades/desinformação por ai, essas mesmas mentiras e ladainhas sexistas que elegeu trump lá e bolsonaro aqui, essa fábrica de desinformação, que é muito fácil passar pra frente sem questionar, até pq a pessoa gosta da ideia. O próprio kra já desmentiu e alias ele é gay, o que poderia ser uma informação irrelevante mas para quem redistribui essas mentiras isso é relevante e pode ajudar a acabar com a essa onda de desinformação, desse caso. Se houvesse alguma injustiça o kra se pronunciaria , ao contrário ele pede para pararem com essas mentiras. https://twitter.com/thisgreyspirit?lang=pt Então a verdade veio a tona, e ela era óbvia, e a mentira veio de conspiradores da internet como sempre...
  13. 2 points
    Tivesse você um Master System ou outro console da época, quem viveu nos tempos das clássicas locadoras conhecia muito o bem o ritual: sexta-feira era dia de dar um pulo lá pra escolher os cartuchos que iriam fazer a sua diversão no final de semana. Portanto, segunda-feira era um dia duplamente triste: não só tínhamos de voltar à escola/trabalho, como ainda precisávamos retornar a locadora para devolver os jogos… Aqueles afortunados que pegaram esta incrível época para serem gamers também devem recordar daqueles jogos épicos que não faltavam a quase nenhuma locadora. Estamos falando de títulos que, de tão famosos, sempre estavam lá nas prateleiras mesmo dos estabelecimentos mais humildes. Neste pensamento que hoje relembraremos 10 grandes campeões do já citado Master System, nosso querido 8 bits da Sega. Das caixinhas brancas quadriculadas às azuis mais recentes – a seção do Master de vez em quando poderia lhe surpreender com algo mais raro, mas os grandes títulos sempre lá estavam… Isto é, se você não dormisse no ponto e apressasse-se: no início de noite da sexta-feira geralmente já haviam partido todos os cartuchos! 10. After Burner (1987) O primeiro trabalho do mestre Yu Suzuki (de Hang-On, Out Run, Virtua Racing, Shemmue entre tantos outros sucessos) nos videogames tornou-se um grande clássico, e teve uma ótima versão para o Master System. Em After Burner, você pilotava um caça F-14 Tomcat e precisava detonar qualquer inimigo que surgisse em seu caminho na base da metralhadora (infinita) e dos mísseis, que precisavam ser usados com sabedoria. A jogabilidade era no estilo Arcade, com pouca ou nenhuma preocupação com o fator “simulação de vôo” – e francamente, isto não nos preocupava nenhum pouco, certo? O importante era manter-se sempre no centro da tela e meter chumbo nos caças inimigos e outros obstáculos. Destaques para a trilha sonora energética e para o clássico momento do reabastecimento em pleno vôo… Ah, como esquecer? Mas chique mesmo era jogar After Burner naquele joystick tipo “asa” da TecToy – quem experimentou pode atestar a verdade: era bem mais bacana! 9. Land of Illusion: Starring Mickey Mouse (1992) Talvez a mais clássica aventura gamística do camundongo Mickey, Land of Illusion traz uma grande aventura nos moldes daquelas que adorávamos jogar no Master System. Com gráficos coloridos e jogabilidade super-simples, o mascote da Disney tinha uma grande missão pela frente: em uma terra de contos de fadas, Mickey precisa recuperar um cristal mágico roubado por um fantasma maligno. Sem ele, uma vila inteira jamais poderia novamente recuperar sua alegria, e estaria condenada à tristeza para sempre. No Master, Land of Illusion apresenta um desafio na medida para a criançada: não é pedreira, mas também esta longe de ser um passeio no parque. O maior problema talvez seja a duração, bem curtinha. Mas talvez isto até fosse bom: dava pra zerar facilmente em um final de semana – e era tão gostoso que podíamos alugar novamente no próximo só pra repetir a dose. 8. Streets of Rage (1993) A pancadaria de rua que fez história no Mega Drive também chegou a receber sua versão 8 bits – que logo tomou de assalto centenas de locadoras da época. Ir a um destes estabelecimentos e não encontrar Streets of Rage na capinha branca quadriculada era missão quase impossível! Porém a versão para o Master sofreu algumas alterações (e também limitações) para que toda a exuberância das decadentes ruas de Nova York pudesse caber no pequeno cartucho – assim sendo, o jogo é um pouco mais curto (uma fase a menos que no Mega) e não conta com opção para 2 jogadores simultâneos. Os controles também sofreram um bocado e não são muito responsivos. Mesmo com seus contras, os três heróis foram mantidos e contam com todo o seu arsenal de golpes. Os gráficos também fazem uso total da capacidade do cartucho e não omitem os letreiros de neon ou as ondas na praia. Vale nota a grande dificuldade: se você acha difícil terminar nos 16 bits, melhor preparar o couro neste aqui! 7. Golden Axe (1989) Um grande clássico nos Arcades e Mega Drive (do qual já falamos por aqui), Golden Axe recebeu um tratamento especial em sua versão para o Master System que pudesse adequá-lo à capacidade dos 8 bits – isto porém sem tirar a originalidade e brilho da adaptação. Somente é possível jogar com o bárbaro (a amazona e o anão guerreiro por aqui tiraram férias), que neste jogo não se chama Ax Battler, mas sim Tarik. Para compensar a falta de opções de personagem, o jogador pode escolher que tipo de magia seu bárbaro controlará: terra, trovão ou fogo. Para além disso, também não há mais a opção para múltiplos trajetos: o caminho é linear até o chefão final Death Adder. Porém o que de fato impressiona é a trilha sonora, com remixes simplificados das canções originais, mas sem perder o pique e o feeling. Se o jogador pudesse acostumar-se com a aparente lentidão da jogabilidade e com os gráficos humildes em paletas de cor frias, Golden Axe para o Master mais que valia uma locação para o final de semana. E de fato ele quase sempre estava lá na prateleira, tamanha era sua fama! 6. Ayrton Senna’s Super Monaco GP II (1992) Quem nunca sonhou em ser um piloto tão habilidoso quanto nosso querido e célebre Ayrton Sennadurante os dourados anos da Fórmula 1 na década de 1990? Pois esta é exatamente a experiência pretendida pela Sega ao criar a continuação de seu clássico Super Monaco GP, de 1990. Por ter convidado o próprio Senna a auxiliar nas mecânicas de jogo em Super Monaco GP II, este título traz um sentimento bem mais familiar aos jogadores brasileiros – sendo assim, o cartucho ganhou enorme fama em nosso país e era muito mais encontrado nas locadoras que seu antecessor. O jogo em si não apresentava qualquer trama ou história: a versão para Master System resumia-se a uma temporada completa, onde o aspirante a piloto da FIA deveria disputar contra adversários controlados pela CPU na tentativa de acumular pontos e assim vencer a prestigiada Drivers World Championship. Infelizmente, devido a limitação de memória e processamento, os circuitos extras apresentados na versão para o Mega – o particular de Senna em Tatuí, Autódromo José Carlos Pace e outros dois inéditos, projetados pelo próprio piloto brasileiro – ficaram de fora do Master. Mesmo limitado, o jogo ainda é bem divertido para passar-se algumas horas de competição tranqüila e descompromissada, além de ter sido um dos favoritos dos pais na época (para exemplificar, quando o meu velho alugava Super Monaco GP II, eu podia dizer “adeus” ao meu Master…). 5. Mortal Kombat (1993) Após o imenso sucesso de Mortal Kombat nos Arcades e 16 bits, o título acabou por ganhar sua versão para o Master System – e olha que a Acclaim parece de verdade ter “espremido leite de pedra” para trazer o jogo aos 8 bits com gráficos a simularem ao máximo o realismo visto em outras plataformas. Mortal Kombat no Master tornou-se uma grande febre pelas locadoras, havendo algumas em que só era possível encontrar o cartucho disponível durante a semana ou reservando com dias de antecedência. No tocante a qualidade do cartucho, não dava para reclamar: tínhamos Fatalities, sangue (com a inserção de um código) e o básico para nos divertirmos com a essência do violento título de luta. No entanto, infelizmente também temos partes negativas de montão: Kano está ausente, do Reptile não vemos nem a sombra, somente dois estágios (Goro’s Lair e The Pit – e este último sem o Fatality da ponte) e três músicas estão disponíveis, jogabilidade truncada e lentidão na movimentação. Mas embora tais falhas atrapalhem, não dá pra negar que a capacidade do Master foi elevada ao sétimo sentido com este cart – jogo mais que obrigatório em sua coleção! 4. Air Rescue (1992) Tudo bem, é até questionável se Air Rescue fora mesmo um dos mais encontrados nas locadoras noventistas – em algumas, o jogo de helicóptero estilo run and gun mais quente era Choplifter – mas não dá pra negar que esta verdadeira pérola dos 8 bits seguistas estava em ao menos 5 entre 10 grandes locadoras de bairro. E motivos para isto não faltavam: em Air Rescue, temos um divertido jogo com cara de plataforma, mas com a premissa ultra-simples de resgatar pessoas de situações de risco e levá-las em segurança de volta à base com seu helicóptero de salvamento. O objetivo é salvar certo número estipulado de pessoas em cada estágio dentro de um limite de tempo, que geralmente não é dos mais apertados. À medida que avançamos, os inimigos – soldados hostis e dos mais chatos possíveis – tornam-se cada vez mais um problema: eles atiram com rifles e canhões, além de arremessam objetos contra seu helicóptero. Mas a estrela de Air Rescue não está no desafio, e sim no som e gráficos: trilhas musicais vívidas e variadas aliam-se à cenários coloridos e impressionantes animações de seu helicóptero, que apresentavam invejável número de quadros para um cartucho de Master System. Com isto, Air Rescue constituía entretenimento com dificuldade na medida e atributos técnicos atraentes, o que garantia um fim de semana agitado ao menos para um jogador, já que aqui não há opção para mais que isto. Um grande título que, para muitos, hoje jaz injustamente esquecido. 3. Shinobi (1989) Se há impasse na escolha de Air Rescue para este Top 10, de certo isto não ocorre com nosso clássico Shinobi: que atire a primeira pedra quem jamais foi à locadora e encontrou este inconfundível cartucho dando sopa na prateleira! A versão de Master deste clássico dos ninjas foi uma das que mais sucesso fez no Brasil. Mas logo ao começar a jogar, não são com as melhores credenciais que Shinobi apresenta-se: o som é correto, mas a jogabilidade parece arrastada – tudo parece rolar em câmera lenta. Os gráficos podiam até apresentarem aquele “Q” de Master System no comecinho da vida, porém nem por isso eram feios – e de quebra ainda apresentavam suas peculiaridades: como esquecer dos pôsteres da Marilyn Monroe ou dos ninjas cosplayados de Homem-Aranha? Clássicos! A missão neste cartucho é das mais nobres: na pele do lendário Joe Musashi, o jogador deve detonar a gangue dos “Zeeds” para salvar as crianças de seu clã ninja, raptadas pelos bandidos. E como a tarefa não era das mais fáceis, não foram poucos os que tiveram de alugarem este cartucho bem mais que apenas uma única vez para detonarem o jogo. Aí estava um motivo de orgulho: ir para a escola e dizer pros colegas que havia zerado o casca-grossa Shinobi! 2. Road Rash (1993) Por volta de 1993/1994, o Road Rash do Mega Drive já estava sacramentado como um grande título da Electronic Arts – e foi nesta época que o cartucho finalmente aportou no Master. Não demorou muito e já era um dos mais procurados pelas locadoras do nosso Brasil varonil, e não raro ele só poderia estar em sua casa na sexta à noite caso a reserva fosse feita dias antes. É necessário reconhecer que esta conversão foi realmente esforçada: os gráficos não perdem quase nada para o Mega além dos óbvios modelos em sprites menores e taxa de quadros inferior. A ação da pancadaria e velocidade lá estavam, e davam um grande alento à galera que não tinha acesso a versão 16 bits deste inesquecível petardo. As trilhas sonoras também eram muito boas e acompanhavam bem o gameplay – porém a falta de efeitos como freadas e socos dificilmente era perdoada por quem jogava Road Rash em busca daquela agressividade característica da franquia. De todo modo, mesmo sob algumas críticas, Road Rash para o Master System arrebatou muitos corações seguistas, que adoravam baterem no peito para dizer que “um jogo desses você nunca vai ver no Nintendinho!” Mas também não é como se só por isso valesse a pena jogá-lo – ainda hoje esta versão é muito divertida e merece com certeza um gameplay de repeteco! 1. Psycho Fox (1989) Se você teve em seus tenros anos um Master System e jamais controlou esta simpática raposinha em seu mundo colorido de aventuras, simplesmente não sabe os momentos inesquecíveis que deixou de acrescentar à sua juventude. Psycho Fox estava bem longe de arrebatar seus fãs por seus gráficos detalhados ou seu desafio “faca nos dentes” (o que não poderia estar mais longe da verdade) – ele simplesmente era divertido. Se isso bastava? Ô se sim! O jogo tornou-se um dos mais tradicionais do Master, e uma pedida fácil nas prateleiras de muitos estabelecimentos dos mais luxuosos àquela garagem do tiozinho da rua de baixo. Enquanto muitos garotos da época ainda faziam piadas maldosas de que Psycho Fox era “joguinho de criancinha”, os mais espertos já tinham alugado ao menos uma vez e sabiam que queriam um pouco mais! Com seu jeitão de Alex Kidd, a trama não poderia ser mais evidente: em uma terra encantada, o vilão Madfox Daimyojin estava corrompendo tudo que era bom. Restava aos habitantes depositarem suas esperanças no herói Psycho Fox, uma raposa que tinha a habilidade especial de transforma-se em outros animais – especificamente um hipopótamo, um macaco ou um tigre, cada um com poderes característicos. O fiel passarinho aliado Birdfly também está sempre do lado de Fox, e o auxilia na missão de banir o mal para sempre. Master mesmo são suas lembranças Em um primeiro momento, muitos leitores podem apresentar o seguinte (e completamente cabível) argumento: “Mas na minha locadora nunca vi este ou aquele jogo! E haviam vários que não estão aí nesta lista!” – mas vamos apenas enfatizar: não é muito gostoso simplesmente aproveitarmos esta oportunidade para nos lembrarmos de forma mais vívida daqueles tempos tão bons de locadora? Como nosso amigo Ítalo Chianca tão bem descreveu em seu livro Papo de Locadora, estes tempos mágicos hoje apenas residem em nossas memórias. Com este pequeno Top 10, a intenção é te levar de volta àqueles dias em que você estava lá diante das prateleiras, escolhendo os cartuchos que iria jogar em casa. Escolhíamos os que já tínhamos jogado e havíamos gostado, bem como os que eram novidades e que haviam saído na Videogame, ProGames ou na Ação Games daquele mês… O que mais importa de fato são suas lembranças – e os cartuchos (ou “fitas”) que fizeram parte dela. Por isso mesmo buscamos fortalecer ainda mais este sentimento ao garimparmos até mesmo as capas originais da TecToy aqui no Brasil – pra você bater os olhos nas imagens e imediatamente sentir aqueles dias novamente. Neste aspecto, vale agradecer ao site TecToy Wiki, que mantém um incrível acervo de imagens enviadas por gamers como eu e você: que simplesmente querem manter a essência viva. Fonte: https://jogoveio.com.br/master-system-top-10-locadoras/
  14. 2 points
    Por mim, podia ser horário de verão o ano todo, sair do trampo com luz do sol, excelente. hehe Mas que seja feito o melhor, igual a educação, plano do governo está excelente até o momento.
  15. 2 points
    Deixa de ignorância, rcaro, todo mundo sabe que a terra é cúbica!
  16. 2 points
  17. 2 points
    Acho muito mais legal a coleção do Zezinho, que se fode todo mês, mas tá lá, comprando nem que seja uma fitinha loose no sebo, mas que com certeza joga mais que esse aí.
  18. 2 points
  19. 2 points
    Eu tmb A julgar pelo akuminha, pessoal não tem solução mesmo
  20. 2 points
    Parabéns Bolsonaro, fez aumentar a taxa de desemprego. Miles perdeu o ganha pão! Monstro!
  21. 2 points
  22. 2 points
    Eu até pensei que este do Nigel Mansel fosse para bater de frente com Ayrton Senna SMGP2, por isso no snes esta visão de dentro do carro.
  23. 2 points
    realmente a lista ta feia . Minha lista de locadora, sem ordem de grandeza: 1-Sonic 2-Alex Kidd in Miracle World ( eu tinha o Master 1 ) 2-R-Type 3-Golden Axe 4-Asterix 5-Black Belt 6-Jogos de Verão 7-Double Dragon 8-Airton Senna 9-Castle of Illusion 10-Monica no Castelo do Dragão tirei Phantasy Star que esse era mais pra jogar e ter a fita do que alugar ( eu emprestava de um camarada).
  24. 2 points
    Tomara que ele apenas saiu do avião. Mas não duvido nada que tenha sido diferente. O que ele fez com a Monica Iozzy foi bizarro! Bem nas nossas caras! A justiça é corrupta: É! São mesmo! Vi alguns amigos chamando o João Amoedo de PTista porque ele não queria se aliar ao Bolsonaro. Mas o mesmo criticou o PT o tempo inteiro - deixou sub entendido que iria votar no Bolsonaro. Nas eleições fui chamado algumas vezes de PTista ou PSOLista por bolsominios, mas, a galera do PT me chamou de Bolsominion. As pessoas ficam cegas! São tomadas por emoções! Eu tento parar de comentar esses assuntos. Estou parando seletivamente de comentar com algumas pessoas, amigos e familiares. Desisti!
  25. 2 points
    Que o Sonic é um dos mascotes mais amados dos games até hoje e que suas primeiras aventuras foram no Mega Drive, todo mundo sabe. E quando algo tem grande repercussão, surgem diversos outros produtos do gênero para pegar “carona” em seu sucesso, alguns com resultados muito positivos e outros nem tanto. Pensando nisso, decidimos selecionar hoje alguns jogos parecidos com o Sonic lançados para o Mega Drive. Tiny Toon Buster Hidden Treasure Adventure Um personagem azul que corre em alta velocidade e deve pular nos inimigos para chegar ao final da fase e enfrentar as engenhocas de um cientista louco. Estamos falando do Sonic, certo? Errado! Este é Tiny Toon: Buster Hidden Treasure Adventure. O game foi desenvolvido pela Konami e a ideia é promover a série de TV do Perninha e seus amigos. Sendo muito divertido, ele peca justamente na originalidade porque ele é muito parecido com o Sonic, o que paradoxalmente pode ser uma virtude. Até mesmo a animação de espera do coelho é uma referência ao azulão da SEGA, com direito a “bater o pé”. Não deixe de conferir nossa análise. Bubsy in Claws Encounters of the Furred Kind Outro jogo que veio para pegar “carona” no sucesso dos jogos do azulão, o Bubsy é um mascote criado pela Accolade em que você controla um gato antropomórfico que corre em alta velocidade por cenários coloridos e deve coletar bolas de linhas. Durante sua produção, ele era chamado de “o próximo Sonic The Hedgehog”, porém nunca alcançou o sucesso do mesmo por seu nível de dificuldade alto e controles não muito bons devido a físicas falhas e um level design ruim. Por outro lado, seus visuais são inquestionavelmente bacanas e o protagonista é cheio de carisma. Chegou a ganhar algumas sequências, incluindo um Bubsy II no próprio Mega Drive que não contou com o criador Michael Berlyn, e este criticou severamente o jogo dizendo que ele praticamente “matou a franquia”. “Bubsy II falhou no gerenciamento do personagem. Foi feito por pessoas que, por mais talentosas e interessadas que fossem, não entenderam a visão original” – disse. Ristar Este não aposta no estilo “plataforma rápida” como os dois jogos anteriores, mas o estilo do azulão é bem visível em todo o estilo artístico do game. Isso porque ele foi desenvolvido pela Sonic Team e, curiosamente, suas origens também remetem ao mascote da SEGA. Enquanto desenvolviam o primeiro Sonic, a ideia original era ser um coelho que tivesse orelhas que se estendessem e pegasse objetos. No entanto, quando o foco passou a ser a velocidade, a ideia foi “engavetada”, mas anos mais tarde acabou rendendo o Ristar. Considerado um “clássico cult” do Mega, o Ristar tem gráficos bem impressionantes para o console, alcançando facilmente a nota dez neste quesito, além de uma jogabilidade excepcional e a própria estrela tem bastante carisma. Para mais informações, não deixe de ler nossa análise. Pulseman Feito por ninguém menos que a Game Freak, que anos mais tarde ficaria famosa pelos jogos de Pokémon, a ideia de Pulseman era que o personagem fosse “melhor que o Sonic em tudo”. Se o Sonic corria na velocidade do som, Pulseman correria na velocidade da luz; se o Sonic corria em cenários lineares por loopings, o Pulseman teria a habilidade de voar pelos cenários de modo diagonal. Apesar do jogo em si não apostar no estilo de plataforma rápido, o estilo de plataforma, e os visuais coloridos com um protagonista que é ao mesmo tempo “fofo” e “marrento” são características oriundas do Sonic. Também já temos uma análise dele por aqui. Zool Durante a época da “Guerra dos Mascotes”, a Gremlin Graphics “entrou na briga” e lançou para o Commodore Amiga o Zool, que também acabou chegando ao Mega Drive. Assim como o Sonic, o personagem corre rápido em um jogo de plataforma e a ideia é ir do ponto “A” ao “B” passando por cenários “malucos”, coloridos e muito bem animados, com diversas passagens secretas. Mesmo não alcançando status de “lendário” como alguns outros mascotes de sua época, o jogo é bastante divertido, tem cenários criativos e uma trilha sonora bem animada. O típico “bom jogo” para passar em uma tarde. Socket Exclusivo do Mega Drive, Socket é um game desenvolvido pela VIC Tokai e, provavelmente, é um dos menos conhecidos desta lista. Trazendo inúmeros elementos da série Sonic, ele é considerado um “clone” por suas diversas homenagens, incluindo áreas em alta velocidade, nomes de fases parecidos (Emerald Forest, por exemplo), molas, chefes, bônus e por aí vai. High Seas Havoc High Seas Havoc foi desenvolvido pela Codemaster e é mais um game que utiliza a fórmula dos games de plataforma de sua época. Mesmo não focando tanto na velocidade, o personagem é um animal antropomórfico meio marrento e a primeira fase é um cenário tropical bem semelhante a Green Hill Zone. Um jogo com identidade própria, com bons gráficos e uma trilha sonora bem ambientada, este vale a conferida. Rocket Knight Adventure Um protagonista azul, rápido em um jogo de plataforma sempre lembrará os jogos do Sonic, só que além disso, o jogo Rocket Knight Adventures 2 tem uma fase final extra onde o protagonista atinge uma super forma em que ele fica dourado e tem todas as suas habilidades potencializadas. Uma clara homenagem ao Super Sonic! Já fizemos uma análise dele pro aqui, mas se você procura um jogo excelente em todos os pontos, muito divertido, cheio de inspirações em games contemporâneos e ao mesmo tempo com identidade própria, você deve testá-lo. Fonte: [url=http://blogtectoy.com.br/quase-sonic-jogos-semelhantes-aos-do-azulao-no-mega-drive/]Blog Tectoy[/url]
  26. 2 points
    Na época em que era criança eu nunca tinha ouvido falar em usar álcool isopropílico para limpar os contatos. Era no soprão mesmo e todo mundo fazia isso. Também ninguém comentava que isso oxidava a placa.
  27. 2 points
    Se tem millenials envolvidos fudeu. Logo tudo vai ficar mais caro, pior, inacessível, e com um ar hipster-vegano-sjw que só eles dão conta... Tipo os colecionadores modinha mas fora de casa.
  28. 2 points
    sempre achei o socket parecido com traficantes magrelos de quebrada, que pegam as novinhas vagabas gold diggers aqueles que usam camisa polo da lacoste/tommy abotoadas até em cima e bermuda mcd ou algo do nivel acho que sei de onde ele tira tanta "energia"
  29. 2 points
    Um novo jogo indie chamado provisoriamente de “Project Genesis” está em desenvolvimento para o Mega Drive pelo estúdio argentino Bits Rule Games. O jogo é descrito no gênero de ação/plataforma inspirado em clássicos como Sonic, Ghouls n’ Ghosts e Mega Man. Poucas informações sobre o projeto – como narrativa, personagens, número de fases ou até se ganhará uma versão física – foram divulgadas até o momento, mas o estúdio promete que vai lançar uma demo em breve. Fonte: [url=http://blogtectoy.com.br/novo-jogo-de-plataforma-project-genesis-esta-em-desenvolvimento-para-mega-drive/]Blog Tectoy[/url]
  30. 2 points
    E existe essa continuação feita por fãs: http://www.gianas-return.de/
  31. 2 points
    Ele chora em algum canto do mundo agora
  32. 2 points
    Zerei o arcade dos Simpsons e do Sunset Riders no raspberry. Modo 4 jogadores, divertido pra caramba, jogos tecnicamente simples hoje em dia mas legais demais. Como tenho 3 filhos entre 13 e 4 anos, todos nós jogamos juntos. Foi bem legal esse momento, só risadas enquanto a patroa fazia o almoço desse domingo. Tirando a patroa tava puta porque as meninas não estavam ajudando ela. Kkkkk
  33. 2 points
    Essa transição da era 16 para a 32 bits, com a chegada dos CDs, acho que foi a época mais doida de todas. Doida porque ninguém sabia onde estava pisando. Várias empresas querendo fazer vingar seus consoles, mas nenhuma sabendo exatamente para que direção ir. A Sega perdida com seu Sega CD e 32X (um CD e o outro cartucho - e nenhum dos dois vingando), achando que tinha que correr para entrar na nova geração bem rápido, fazendo o Saturn as pressas. A Nintendo deixando de aceitar a parceria com a Sony, no topo de sua arrogância, achando que não precisava de ninguém, e que sabia tudo a respeito de video games. Aí sai o N64, utilizando os velhos conhecidos cartuchos. Mas independe disso, qualquer pessoa da época esperava que fosse o top, com várias sequências dos RPGs de SNES, dos jogos de luta (Street Fighter, jogos da SNK, etc), dos de corrida... sendo que, no fim das contas, não saiu nada disso e viveu quase que apenas dos jogos da própria Nintendo (já que a Rare, de onde saíram os melhores jogos, era dela mesmo). A Panasonic achando que era fácil entrar nesse mercado, apostando no 3DO, mas com seu preço estuprador e pouquíssimas licenças de jogos (e sem saber fazer jogos próprios)... A Sony que surgiu do nada, apostou firme no CD, fez um hardware fácil de mexer, agitou altas parcerias, e tomou conta da porra toda. Muito bizarro e diferente de hoje em dia, onde parece que tudo é previsível, até mesmo para as gerações seguintes.
  34. 2 points
    Um jogo totalmente novo em andamento para a Sega Dreamcast: Wings Of Bluestar. Será um "shmup" em desenvolvimento há mais de dois anos para Dreamcast e / ou Neo Geo. Este é um side-scrolling shooter fortemente inspirado por Blazing Star, R-Type, Pulstarl. Ele deve incluir muitas coisas para desbloquear (galerias, loja ...). O jogo será jogável em 2 players simultaneamente como mostra este vídeo: O jogo será lançado no final do ano de 2019, esta atualmente em 80% do seu desenvolvimento. Abaixo está uma captura de segundo nível: A demo do jogo (versão para PC) está disponível em: Wings Of Bluestar Demonstração Fonte: arcadeattack.co.uk
  35. 2 points
    https://internalregister.github.io/2019/03/14/Homebrew-Console.html Muito bacana o projeto.
  36. 2 points
    https://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil/temer-abre-mão-de-banho-de-sol-nos-primeiros-dias-na-prisão/ar-BBVa6d9?li=AAggXC1 Kkkkk porque será !?
  37. 2 points
  38. 2 points
    Eu tenho assistido há algum tempo conteúdo de eletrônica bem legal de uns caras: Carlson Lab: O cara consegue uns equipamentos elétricos e eletrônicos BEM antigos e os repara e restaura, com bastante detalhes. A maioria dos vídeos é bem longo (mais de uma hora). https://www.youtube.com/user/MrCarlsonsLab/featured EEVBlog: Reviews de equipamentos eletrônicos, ferramentas e todo tipo de coisa voltada a esse mundo. Muitos vídeos ensinando a operar equipamentos de medição, técnicas, etc. De um tempo pra cá ele tem ficado muito sarcástico e com um excesso de humor meio tosco, os vídeos mais antigos dele são melhores. https://www.youtube.com/user/EEVblog/featured Big Clive: Segue uma linha similar, mas com outra didática. Focado em fazer engenharia reversa de circuitos das coisas que mostra e explicar como e o porquê das coisas ali: https://www.youtube.com/user/bigclivedotcom/featured AvE: Similar ao acima, mas com 100% mais marretadas: https://www.youtube.com/user/arduinoversusevil Androkavo: Técnicas de soldagem com vídeos em altíssima qualidade e detalhe. https://www.youtube.com/channel/UCKDfmGeSKmwP6SdGDHhu6hg/featured Louis Rossman: Reparo em placas de Mac. Muitos bizus e how-tos nos vídeos do cara, excelente pra quem trabalha com esse tipo de coisa. https://www.youtube.com/user/rossmanngroup
  39. 2 points
  40. 2 points
    After Burner Climax is coming to SEGA Forever Essa imagem e da versao arcade a versao mobile tem os medidores na tela diferentes sera que a Sega renovou com a Boeing? One of the most underrated mid-00s SEGA-AM 2 arcade game After Burner Climax will get one more chance to soar very soon thanks to the recent announcement at SXSW 2019 made by SEGA confirming that its the next title in SEGA Forever. Like always SEGA Forever titles are free to play with ads or ad-free for a few dollars. This is actually a re-release of After Burner Climax on mobile since it originally came out in 2013, but its nice that its getting another re-release with (hopefully) some fixes. Can we get another re-release on PSN and finally bring it to PC? http://segabits.com/blog/2019/03/16/after-burner-climax-is-coming-to-sega-forever/
  41. 2 points
    Concordo! Também acho Curitiba nostalgico! Eu pagaria previamente até vaquinha para alugar um espaço e para comprar a bebida e comida! Bodas de prata Seganet! Chamem a galera sumida: - @Corsário - @Nagoya - @road warrior - @Erminio - @Gaps - @Pollux ... e muitos outros. E quem está aqui e nunca foi a um encontro, venha também! @Maedhros @rcaropreso @Sonymaster @E182 @sonda 2 @setzer @Stormwatch Chamem todo mundo! Vou começar aqui a listinha de forte interesse na presença do encontro - peguei os nomes que estão nesta página da paginação do tópico: - Ignarius - Zell - Cets - Luiz Claw - Allan-Santos - Lantis - Daileon Copie a lista a cima e adiciona o seu nome caso tenha forte interesse! Se a vida estiver muito corrida para vocês, muito trabalho, e, estar difícil ajudar a organizar, eu organizaria de boa sozinho. Mas, só conseguria fazer no meu estado - RJ. Tem uns sítios doidos em vargem grande que são alugados. Também é possível alugar grandes mansões. Acho que um lugar perfeito por aqui seria o clube ACM de Araras. Lá tem várias suites como se fossem hotelzinhos individuais. Há também dormitorios para solteiros com várias camas no mesmo quarto. É mais ou menos uma hora e meia do rio. Mas particulamente eu preferiria um encontro em Curitiba.
  42. 2 points
    Eu vou jogar com certeza esses jogos......no emulador
  43. 1 point
    É esse aí mesmo . A Gradiente mudou o nome de Smoke Grey para jabuticaba(que tem nada a ver por sinal kkkkk). O N64 roxo era o uva!!!
  44. 1 point
    Bom demais. Tomara que ele também esteja fazendo as músicas do Streets of Rage 4.
  45. 1 point
    acho que vc acertou, provavelmente o ritual teve inicio com ira mesmo
  46. 1 point
    Ressuscitando o tópico. Tenho Mega Drive 3 aqui com placa TecToy M.D. C/RF REV. 02 que a imagem PAL é uma bosta, o CI de video dele é MB 3514. Analisando o datasheet dele ele é praticamente igual ao CXA 1145. A placa é nativamente PAL, a trilha no pino 7 é gnd, portanto não há trilhas cortadas e o cristal é 53.634, será que substituindo o cristal por um 53.693, levantando o pino 7 e ligando a 5v o console ficaria NTSC?
  47. 1 point
    Eu prefiro uma outra teoria de fãs, que diz que não existe cronologia. Existe apenas um evento-chave ocorrido num passado distante: jovem herói de túnica verde enfrenta feiticeiro maligno que tenta dominar o reino. Então, cada jogo é simplesmente o mesmo evento, cada vez confabulado de uma maneira diferente. Da mesma forma que qualquer mito ou lenda vai ganhando variações à medida que se retransmite de pessoa a pessoa.
  48. 1 point
    Comédia mesmo, principalmente quando ele fala: "A versão X é melhor que a versão Y" Dai ele mostra duas imagens que não tem diferença nenhuma, daí ele vem e dá um zoom da porra, pra aí sim aparecer alguma diferença.
  49. 1 point
    Que isso? Você acha que a família tradicional vai concordar com tamanha putaria? Eu espero que as imagens tragam paz ao seu coração. Continuo treinando para me tornar perder o posto de churrasqueador dos encontros. Bonus: Gordurinha, ai meu coraçaum!
  50. 1 point
    Bom Foram muitos anos de fórum, outros tempos com mais tempo e menos responsabilidades. Um tempo mais atrasado tecnologicamente, que, permitiu, reunir tanta gente, que tive a felicidade de conhecer, e outras que ainda convivo. Posso afirmar na certeza que, muito dos melhores amigos que tenho até hoje, foram graças a esse fórum. Citar os momentos, tanto aqui, como ao vivo, reunindo um bando de malucos pra jogar, beber e comer carne, foram experiências únicas, com os momentos mais engraçados que já presenciei em toda minha vida. Os anos se passaram, a tecnologia evoluiu, empregos foram e vieram, tempo cada vez menor, maior responsabilidade e dinheiro cada vez mais ralo, contribuíram para que, aos poucos, toda essa fase, pelo menos na minha vida, terminasse. Calma porra, não virei crente e parei de beber, comer carne, não, só, não consigo mais organizar nada, sem tempo totalmente, já a 8 anos, lidando com um problema familiar, em que meu pai, até hoje, está acamado devido a um AVC. São anos e anos de luta para manter a qualidade de vida, dedicação e empenho que que custam muito, inclusive o tempo. Tempo que não volta ou que não pode ser recuperado, como dinheiro ou bens. Citar momentos, digo, já não lembro quando entrei, só que conheci o fórum via o ignarius, pelo saudoso ICQ. Começei como um Troll , enchendo o saco de Metal Gear, e, a primeira treta foi com o Veneno, até um ponto que em comum acordo dissemos " VAMO PARA NÉ, NÃO SEI MAIS O QUE ESCREVER"... e fizemos amizade. Depois, foi só participar do segundo encontro, realizado na casa do Gaps, que conheci a maioria do pessoal que até hoje, mantenho contato, pelos grupos de whatsup e tomamos umas cervejas esporadicamente quando eu tenho um mínimo de tempo livre, que divido com cuidar do pai, casamento e trabalho. Fui até moderador uma época, 2008 acho, mas foram épocas bem engraçadas, pelo menos para mim, foi o meu melhor período criativo, em questão de textos, encheção de saco...tinha amigos e "desafetos" hauhauah, tipo, se for olhar hoje em dia, eu dou risada, pois, eram um bando de Nerds fechando o pau via texto, ao melhor estilo RPG Japonês, de tão bizarras que eram as brigas e desavenças. Dá pra citar várias estórias. Um dos maiores empenhos num encontro, foi o do encontro do CRISTAL LAKE, que organizei junto com a galera daqui, o qual foi locado um onibus, que levou um bando de loco num pesk pague de um primo meu, com um salão de festas gigante, que por 2 dias, virou uma festa regada a games, carne. O gaps arrumou o busão, não lembro se fui eu ou o corsario ver o local. Foi muito massa, mesmo eu delirando de febre devido a uma gripe, que eu lembro de ter apagado numa cadeira de tão ruim que eu estava. Altas coisas aconteceram: a gambiarra da Luz que o PEK fez para iluminar a churrasqueira, nagoya pescando a beira da lagoa sem nem ter vara de pescar... e. no domingo pela manhã, o troféu para um usuário que na época, era considerado um cara esforçado : o PEIXEMACACO. Sim, houve isso, e depois, toda polêmica envolvendo o dono do bordão mais zoado do fórum, o VALEUZ, Nelson. Digo que o fórum teve muitas fases, seu inicio tímido, auge, declínio e hoje, não sei mais, pq, não participo mais. Continuo jogando, não tanto quanto antes, tenho uma vida muito corrida de muitos deslocamentos e perrengues, mas, afirmo com certeza que, ainda tenho muitas lembranças boas e muitas estórias excelentes na memória, nos anos que eu considero " Dias de fúria" Tenho orgulho de ter feito parte de um tempo bom, que não volta nunca mais, apesar do bordão manjado de tiozão do pavê, me orgulho de ter feito o que fiz, as amizades que fiz, das pessoas que fiz rir das pessoas que irritei. Foi bom enquanto durou, hoje, é, tudo diferente, não tem mais a mesma "magia". Espero sei lá, um dia que tiver tempo e recurso, talves, reencontrar os loucos cachaceiros mais uma vez, para relembrar os velhos tempos, rir das mesmas bobagens de sempre, e, sei lá, voltar um pouco em um tempo que éramos felizes, sabíamos e hoje, levamos na memória. Parafraseando o BORAT " Happy Times..."
×