Jump to content

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 10/22/2017 in Posts

  1. 7 points
    Aproveitei que já estava quente para fazer uma nova postagem só de comparações entre o Sonic Mania e os outros jogos da série. Por exemplo o quão diferente é, em pixels e detalhes, o chefe final do Sonic 2 e o primeiro chefe do Sonic Mania. Acessem lé e dêem uma conferida, tem muita coisa mesmo! http://genesisreset.blogspot.com.br/2017/10/sonic-mania-comparacoes-e-referencias.html
  2. 5 points
    agora todos podem saber como é o cotidiano dele
  3. 5 points
  4. 4 points
    Vi esse vídeo e achei que vocês iam gostar!
  5. 4 points
    Andamos por esse Brazilsão afora, rs!! Mas sempre rola uma pssadinha por aqui!! Abraços!
  6. 4 points
    Estava vendo como limpar ou reparar alguns consoles e vi esses vídeos e vou compartilhar com vocês. Eu acho legal juntar alguns vídeos importantes para reparos de consoles antigos. Resolvi organizar os vídeos por console ficando mais fácil e organizado, porque muitas vezes ficava procurando vídeos e depois esquecia onde encontrar novamente. Caso tenham gostado, se alguém achar um vídeo interessaste e quiser postar posso colocar no índice :-) * Console SNES 1 - Consertando o seu Super Nintendo (Principais Problemas) 2 - Reparo da fonte Original do Super Nintendo - Fio Danificado 3 - Troca de pilha dos cartuchos 4 - Conhecendo a fonte do Super Nintendo e os principais reparos 5 - Reparando um Super Nintendo que não liga 6 - Consertando o controle original do Super Nintendo 7 - Reparando um Super Nintendo com aquecimento 8 - Reparando um Super Nintendo que não da imagem 9 - Limpeza geral no Super Nintendo 10 - Troca de fusível com suporte 11 - Como desmontar, limpar e deixar branco o seu Super Nintendo 12 - Como consertar cartuchos de Super Nintendo refazendo trilhas defeituosas * Console Mega Drive 1 - Reparo de cartuchos de Mega Drive 2 - Retranscodificação Mega Drive + S-Video 3 - Abrindo para limpeza 4 - Consertando seu Mega Drive com problemas de solda fria 5 - Trocando a entrada AV do Mega Drive Japones 6 - Como consertar controle de Mega Drive original e alternativo 7 - Como consertar seu Mega Drive (Possíveis Problemas) 8 - Conserto da fonte interna do Mega Drive 3 9 - Restaurando controle de 6 botões do Mega Drive 10 - Como colocar entrada RCA no Mega Drive passo a passo * Console Neo Geo 1 - Reparo do Neo Geo AES - Principais Problemas 2 - Reparo da placa Neo Geo Carnival GRUA 3 - Reparo da placa Neo Geo Jamma Arcade 4 - Conserto e reparação do Neo Geo AES * Console Atari 1 - Manutenção em Joystick de Atari 2 - Manutenção e reparo no Atari Polyvox 3 - Reparo básico no Atari 4 - Dicas básicas de reparos no Atari 2600 5 - Conserto de Atari * Console Nintendo 64 1 - Solução definitiva do analógico do controle do Nintendo 64 2 - Kit de reparo do analógico do Nintendo 64 3 - Nintendo 64 liga mas não aparece imagem 4 - Consertando uma fonte do Nintendo 64 em curto 5 - Nintendo 64 com problema de tela azul * Console Game Boy / Game Boy Color / Game Boy Advance 1 - Reparo da LCD do Game Boy Color 2 - Dicas de reparo do Game Boy Color e Pocket 3 - Reforma do Game Boy e Reparo do Alto Falante 4 - Covers para cartuchos de GBA * Console Sega Dreamcast 1 - Conserto da LCD do VMU 2 - Como limpar e restaurar o seu Dreamcast 3 - Como limpar e restaurar o controle do Dreamcast 4 - Como alinhar o canhão do Dreamcast 5 - Troca da bateria do "Data e Hora" no Dreamcast * Console Sega Master System 1 - Conserto do controle do Master System 2 - Conserto do Master System que não liga 3 - Adaptando o cabo do controle do Mega Drive no controle do Master System 4 - Reparando o Master System e a fonte 5 - Instalando saída de S-Video no Master System 6 - Criação de uma fonte para o Master System * Console Sega Saturn 1 - Como chavear o seu Sega Saturn no reset 2 - Reparando o Sega Saturn que não apresenta video 3 - Reparando o botão ativador do Sega Saturn 4 - Reparando o seu Sega Saturn principais problemas 5 - Reparando o seu Sega Saturn quando não lê discos 6 - Reparando Cabo RGB para Sega Saturn * Microcomputador MSX 1 - Manutenção no MSX que liga com tela branca 2 - Conserto do MSX CP500M80C * Console Sega CD 1 - Reparando o seu Sega CD modelo 2 2 - Reparando o fusível e alinhamento do leitor 3 - Revisão da placa principal e BIOS * Console Playstation One 1 - Como consertar o controle do PSONE 2 - Reparando um PSONE apresentando tela Preto e Branco * Console Nintendo Gamecube 1 - Como regular e calibrar o leitor do Gamecube 2 - Calibrando o leitor do Gamecube * Console Tele-Jogo 1 - Conserto do videogame Tele Jogo da Philco * Console 3DO 1 - Troca da unidade ótica do 3DO FZ-1 e FZ-10 e Drive Creative * Console Sega Game Gear 1 - Trocando os capacitores 2 - Identificando os capacitores defeituosos 3 - Consertando o Game Gear com problema na tela de LCD 4 - Consertando Game Gear com problemas no som * Console Playstation 2 1 - Playstation 2 liga e desliga no mesmo instante. 2 - Playstation 2 sem imagem 3 - Como reparar e consertar cooler do modelo 9xxxx 4 - Procedimento de troca do leitor do Playstation 2 5 - Ressolda em barramento de resistores * Console Nintendo Wii 1 - Como reparar uma fonte do Nintendo Wii * Console Nintendo 8 bits (NES) 1 - Conserto é Reparo no Nintendo 8 Bits 2 - Trocando o Slot do Nintendo 8 Bits * Console Phantom System 1 - Reparando um Phanton System que não liga 2 - Phantom System como consertar 3 - Reparo da placa mãe do Phanton System * Diversos 1 - Expositor / Suporte para coleção 2 - Reparo e Manutenção de cartuchos para todos os consoles 3 - Dicas de ferramentas para manutenção de consoles 4 - Reparo de Caixas de Videogames 5 - caixas protetoras para seus cartuchos
  7. 4 points
    Conheça o japonês que salvou a vida de milhares de judeus Durante a Segunda Guerra Mundial, um cônsul japonês arriscou sua vida e sua brilhante carreira para salvar a vida de mais de 6 mil judeus. Por este motivo, ele ficou conhecido como o “Schindler japonês”, em referência ao industrial alemão Oskar Schindler. Segundo consta, Oskar Schindler teria salvo 1200 judeus durante o Holocausto. Sua história foi amplamente divulgada, dando origem a um romance e até um filme. Já Chiune Sugihara, jamais alardeou seu heroísmo e sua história foi pouco divulgada na época, porém hoje é reconhecido como um dos maiores humanistas do mundo. Estima-se que mais de 80 mil descendentes de judeus devem sua existência a Chiune Sugihara. Em sua lápide, está gravado seu nome: Chiune. Coincidência ou não, essa palavra, em japonês, quer dizer mil novas vidas. A história de Chiune Sugihara Chiune Sugihara nasceu em 1 de janeiro de 1900 em Yaotsu, uma área rural e bem pobre na província de Gifu. Ele foi o segundo filho de uma família com 6 irmãos. Seu pai queria que ele seguisse a carreira de medicina, mas o sonho de Chiune era estudar literatura e morar no exterior. Sugihara seguiu seu sonho e foi estudar inglês na conceituada Universidade Waseda em 1918, se formando em Literatura Inglesa. Em 1919, passou no exame para o Ministério das Relações Exteriores, indo trabalhar em Harbin, na China, onde também estudou os idiomas Russo e Alemão. Em março de 1939, quando a Segunda Guerra Mundial estava prestes a eclodir na Alemanha, ele foi designado pelo Governo japonês a abrir um consulado em Kaunas, Lituânia. Seis meses depois, a Alemanha invadiu a Polônia e uma onda de refugiados judeus correram para a Lituânia. As notícias e relatos sobre as atrocidades alemãs contra judeus poloneses se espalharam rapidamente. A Lituânia estava dominada pelos russos, mas era questão de tempo até que as tropas alemãs chegassem ao local. O cônsul holandês em Kaunas, Nathan Goodwill, concordou em emitir vistos para Curaçao, possessão holandesa no Caribe. A Rússia permitiu a emigração dos judeus desde que apresentassem visto de entrada e de trânsito em outro país, após cruzarem a União Soviética. Mas, para chegar ao Caribe, os refugiados deveriam passar pelo Japão. Assim, na manhã de 27 junho de 1940, havia uma multidão de pessoas em volta do prédio (do consulado). No início eram apenas 200, mas logo chegariam milhares. Sem saber o que fazer, Chiune pediu instruções a Tóquio sobre os vistos de trânsito requeridos pelos judeus. Foram três os pedidos e os três foram negados. Mas os olhares suplicantes dos refugiados, fizeram com que Chiune tomasse uma decisão que mudaria para sempre os rumos da sua vida. Ele desobedeceu as ordens superiores com um único objetivo: salvar vidas. No início, Chiune pretendia emitir 300 vistos por dia e registrá-los nos livros consulares. Quando já havia preenchido à mão cerca de 2.000 vistos, o cônsul parou de registrar os vistos e de cobrar a taxa oficial. Durante quase um mês, trabalhou de manhã até a noite sem almoçar, sem pausa para um descanso. De 31 de julho a 28 de agosto, foram emitidos cerca de 6.000 vistos. No final de agosto, o consulado foi fechado por ordem das autoridades soviéticas, que haviam anexado a Lituânia. Mas Chiune continuou emitindo cartas de autorização no hotel em que ficou hospedado antes de seguir para seu novo posto e mesmo dentro do trem parado na estação. Os portadores dos vistos emitidos por Chiune saíram de Kaunas de trem rumo a Moscou e depois, pela estrada de ferro Transiberiana, até o Pacífico e o Japão. A maioria dos refugiados conseguiu salvar-se. O preço da sua generosidade O ato de Chiune Sugihara salvou milhares de vida, mas custou sua brilhante carreira diplomática. Ao voltar para o Japão depois da guerra, em 1947, foi sumariamente demitido. Por ser fluente em russo, Chiune mudou-se com sua família para Moscou em 1950, onde trabalhou como tradutor em uma empresa de comércio exterior. Aposentou-se em 1975, quando resolveu regressar ao Japão. Apesar do seu país ser aliado da Alemanha nazista, Sugihara não temeu seguir o que mandava o seu coração. Além disso, jamais mencionou os seus feitos a ninguém. Por este motivo, por quase 30 anos, pouco se sabia dele até que em 1968, ele foi localizado por Joshua Nishri, um dos refugiados a quem ele concedeu o visto na Lituânia. Esse encontro foi muito especial para Chuine, pois até então ele não tinha certeza se os vistos concedidos por ele haviam realmente ajudado os refugiados. Sua ação a favor dos judeus foi reconhecida pelo governo de Israel, que o condecorou em 1985. Em 31 de julho de 1986, Chiune Sugihara morreu aos 86 anos, cinco anos antes do vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Muneo Suzuki, reconhecer seu ato humanitário e pedir desculpas à família. Sua história pode ser encontrada no livro “Passaporte para a Vida”, escrito por sua esposa Yukiko Sugihara e também no documentário “Conspiracy of Kindness” (assista-o aqui). Em 11 de Outubro de 2005, a Yomiuri TV (Osaka) exibiu o filme “Vistos para a Vida”, baseado no livro de sua esposa. Vistos para a Vida (completo sem legenda) Em 2015, outro filme sobre sua vida foi parar nas telinhas dos cinemas: Chiune Sugihara (杉原千畝), mas em inglês recebeu o nome de “Persona Non Grata”. O filme foi dirigido por Cellin Gluck e tem o ator Toshiaki Karasawa como protagonista. Assista ao filme abaixo: Chiune Sugihara é um grande exemplo de como a generosidade e a compaixão podem fazer a diferença neste mundo. http://www.japaoemfoco.com/conheca-o-japones-que-salvou-a-vida-de-mais-de-seis-mil-judeus/
  8. 4 points
    Estou passando pra avisar que atualizei meu blog com uma postagem sobre o conteúdo não utilizado em Sonic Mania, até porque no podcast não teve como mostrar as imagens do conteúdo e nem tivemos tempo de falar de tudo. Depois quero trazer mais sobre as referências que foram utilizadas no jogo e lógico, tudo isso é encontrado na internet, mas como eu digo no começo da postagem, meu objetivo é trazer para o português e agregar informação que muitas vezes está solta por aí. https://genesisreset.blogspot.com.br/2017/10/sonic-mania-extras-parte-1.html
  9. 3 points
    Redes sociais realmente prejudicaram todos os fóruns. Mas para mim não existe comparação. Uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa.
  10. 3 points
    Como você já conferiu aqui no Blog Tectoy, Jon Burton, fundador da Travellers’ Tales e um dos responsáveis pelo desenvolvimento de “Sonic 3D Blast“, está trabalhando em uma “versão do diretor“, trazendo uma série de melhorias para o jogo do ouriço azul, mais de 20 anos depois do seu lançamento original. Neste último fim de semana o programador lançou um trailer apresentando o seu progresso, prometendo que uma versão beta será lançada “em breve“. Entre as inovações e aprimoramentos anunciados estão: Correção de bugs e erros. Um modo time challenge. A capacidade de salvar o jogo através de uma senha. Um editor para criar níveis de jogo. Uma interface revisada. Dificuldade mais equilibrada. Jogabilidade aperfeiçoada. Câmeras melhoradas. Novas opções de jogos. A capacidade de reproduzir o título original. Novas cores para os níveis. Confira abaixo o vídeo: http://blogtectoy.com.br/sonic-3d-blast-directors-cut-ganha-trailer-apresentando-atualizacoes/
  11. 3 points
    nao substitui mesmo pra mim isso é coisa de gente que tira o celular do bolso pra qualquer coisa porem infelizmente essa compulsao é comum no povo de hj
  12. 3 points
    A melhor coisa é baixar um set inteiro do MAME e ir testando jogo por jogo, excluindo os clones (tem como filtrar e mostrar o parent/clone aninhado) e jogos mecânicos, poquer, mahjong e etc. Tu descobre muita coisa boa.
  13. 3 points
    Eu só gosto de jogar single player...desde os tempo do Flipper e Consoles sempre preferi o single...CO-OP, depende de quem fosse do seu lado pra animar a jogar...(Nunca gostei de jogar Final Fight ou golden Axe com Alguém, pois sempre vinham noobies pra afundar ambas as fichas) Multiplayer 3D depois dos anos 2000, jogava pela moda, pois nunca gostei...deve ser raiva dos Cheaters/Rocket jumpers de Quake 3 arena...por isso nesse games até hoje, sempre gostei de uma boa campanha Existe uma forte demanda para single player e suas campanhas inovadoras, (Nintendo e Sony provam isso), se as third's quebrarem por causa disso, ainda temos como opção multiplataforma, as devs indies e em que muitas existentes, ja são até as melhores em desafio, jogabilidade e diversão!!! Falow!!!
  14. 3 points
    Pura hipocrisia. Todo mundo já falou isso na vida, se não é coisa de preto é coisa de baiano, coisa de mulher, coisa de gordo, coisa de bicha, coisa de pobre e por ai vai. O problema é que ele é um dos poucos que dá tapa na cara de esquerdista e ptista na tv aberta e isso deixa a vagabundagem louca. Tanto que precisaram achar um vídeo dele da eleição do Trump do ano passado. Podem anotar que o próximo que vão tentar derrubar é o Alexandre Garcia.
  15. 3 points
    Ainda bem que existe uma coisa chamada emulador. Tenho jogo pra jogar até o fim dos meus dias, fodam-se esses frutinhas.
  16. 3 points
    Reprogrammed Game SEGA. Alguns de vocês já devem ter percebido esta singela frase em alguns títulos que foram lançados para o Mega Drive ao longo dos anos e talvez se perguntaram o que significava isso e, sim, a tradução é completamente literal. Aquele jogo foi reprogramado pela SEGA para que o mesmo pudesse ser jogado no seu console de 16-Bit, mas porque isto aconteceu? Um Pouco de História Desde a criação do NES e da sua competição com o Master System, a Nintendo criou os “Contratos de Exclusividade”, que tinha como regra principal às empresas que queriam criar títulos para o Nintendinho, fazê-los de forma exclusiva para o sistema. Assim, se uma softhouse quisesse criar jogos para o Master System, a mesma não poderia criar jogos para o NES – ou lançar jogos criados para ele em outros consoles. Desta forma a Nintendo pode controlar o mercado de criação de jogos por muitos anos, já que o seu 8 Bits era o queridinho dos lares em todo o planeta e nenhuma desenvolvedora queria perder sua fatia do bolo. Por conta disto, a Sega precisou entrar em contato com várias empresas e comprar os direitos de publicação destes títulos. Só que ter o direito de publicação não adiantava de nada sem ter o jogo de fato, assim a companhia japonesa se especializou na reprogramação destes jogos para o Master System e posteriormente para o Mega Drive, pois a Nintendo ainda exercia enorme poder de controle no desenvolvimento dos jogos. Era uma boa maneira de se burlar essa barreira e que permita aos fãs da Sega oportunidades de jogarem games que não podiam ser entregues pelas desenvolvedoras originais. Mas tudo mudou no início dos anos de 1990. O Mega Drive se mostrava ser uma enorme força competitiva em território americano, e por conta de acusações de monopólio de mercado que vinham se acumulando ao longo do tempo contra a Nintendo, o FTC (Federal Trade Comission, algo próximo ao CVM, Comissão de Valores Mobiliários no Brasil) acabou com as barreiras que a Big N impunha para várias empresas, e assim as mesmas tiveram oportunidades para criar seus jogos em outros sistemas. A Sega Reprogramando No entanto, reprogramar um jogo nem sempre era um trabalho fácil como pode parecer. Um dos grandes problemas era que a empresa que programou o título original, muitas vezes para arcades, o fizera em um hardware que utilizava um assembly (linguagem de programação) um pouco diferente daquele que era encontrado tanto no Master System quanto no Mega Drive. Era necessário ter o código-fonte original do título, verificar o mesmo linha por linha e só então começar o trabalho de reprogramação (atualmente chamado de port) para os dois consoles da Sega. Havia um estúdio especializado dentro da empresa que possibilitava os ports necessários – e que tiveram resultados diversos. Alguns saíram tal qual como haviam sido feito nos arcades, enquanto alguns – segundo dizem alguns jogadores – tiveram um jogo superior à sua versão original e outros bem abaixo do esperado – ainda assim um feito único para a empresa mãe do Sonic. As ferramentas disponíveis à época tornavam a reprogramação ainda mais difícil, pois trabalhar com código de outros é algo bem complicado – aqueles que são programadores sabem muito bem disso, mas a Sega conseguiu vencer estes pequenos problemas e nos trouxe, por exemplo, grandes clássicos da Capcom para o Mega Drive, como Mercs, Forgotten Worlds, Strider e o clássico Final Fight CD para o Sega CD, considerado o port mais fiel dos arcades. O clássico “Street Fighter II Special Champion Edition”, lançado em 1993, foi o primeiro título produzido pela Capcom para um sistema Sega, um relacionamento que continuou no Saturn e Dreamcast – e até mesmo nos arcades, com a Capcom usando placas da Sega para crianção de jogo. O controle de seis botões foi criado justamente para se jogar este título da melhor maneira possível. E aí, qual é o jogo Reprogrammed Game SEGA que você mais gosta? http://blogtectoy.com.br/reprogrammed-game-sega-o-que-e-isso/
  17. 3 points
    Não, os menos exigentes compram o Merda Drive com som fritado da TecTosca.
  18. 2 points
    Em novembro de 1982 a Atari Inc. lançou o Atari 5200, um console adaptado da sua linha de computadores. Uma jogada interessante, visto que o console era mais potente que seus concorrentes. O problema do 5200 foi que o console não possuía nenhuma compatibilidade com os softwares ou periféricos dos computadores 8-bit. Nem mesmo havia compatibilidade com os cartuchos do videogame anterior da empresa, o Atari 2600. Em 1987 a Atari Corp. recriou a estratégia colocada em prática cinco anos antes, mas com algumas melhorias. O Atari XE Game System foi criado usando o Atari 65XE (um computador da linha 8-bit) como base. A principal diferença desse lançamento com o anterior, é que o Atari XEGS, como é conhecido, possui total compatibilidade com a família 8-bit. De fato, o console pode se comportar como um computador e, nesse caso, até mesmo impressoras e drivers de disquete podem ser ligados a ele. A ideia da Atari era criar um computador para iniciantes somado com um videogame sofisticado, isso convenceria as produtoras e desenvolvedoras a lançarem jogos para o console. De fato o XEGS realmente funcionava como um computador para iniciantes, já que era mais simples que os outros Home Computers da época, como o Atari 130XE. O problema estava no videogame sofisticado. O videogame era vendido em duas versões diferentes: uma somente com o console e seu controle (um joystick similar ao do Atari 2600) e a outra com o joystick, um teclado (que faria o XEGS se comportar como um videogame) e uma pistola. O controle em formato de pistola já havia sido apresentado ao público pela Nintendo e era a vez da Atari tentar trazer a novidade para seus consoles. Com compatibilidade com os Atari 2600 e 7800, aXE Light Gun era utilizada em jogos com função de tiro ao alvo, onde o jogador iria usá-la para atirar em alvos na tela. Uma ótima ideia, porém sem muitos títulos bons para serem aproveitados no XE Game System. Outro problema em relação aos jogos foram os lançamentos que chegaram as lojas junto com o console. A maioria dos jogos eram relançamentos de antigos jogos para os 8-bit, sem nenhuma alteração gráfica ou de jogabilidade. Aconteceu o óbvio, o Atari XE Game System era um console com uma biblioteca de jogos gigantesca, mas a grande maioria desses títulos eram antigos e ultrapassados. Simplesmente não foi possível competir com o Nintendinho e seus jogos inéditos. Outro grande empecilho para as vendas do console foi que ele co-existiu nas prateleiras com outros dois videogames da empresa, o Atari 2600jr e o Atari 7800. Com três videogames da mesma empresa para escolher, além do Nintendo Entertainment System, as vendas do Atari XEGS não foram boas. Em 1992 a Atari Corp anunciou oficialmente o cancelamento do Atari XE Game System, junto com toda a linha de computadores 8-bit. Fonte: Atari Family
  19. 2 points
    O site Polygon publicou uma extensa reportagem, assinada por Charlie Hall, sobre a palestra de Frank Cifaldi, da empresa de preservação tecnológica Digital Eclipse, na Game Developers Conference (GDC). O desenvolvedor defendeu abertamente a prática de emulação, diferente do posicionamento das grandes empresas no mercado. "De acordo com a Film Foundation, metade dos filmes feitos antes dos anos 1950 foram perdidos. Então eu comecei a pensar se alguém está fazendo isso [restaurando filmes] nos games. Queria saber se alguém dá certeza de que a mesma porcaria não será feita com os videogames, aquilo que condenou alguns longas a desaparecerem do mercado. E, yeah, existem pessoas fazendo isso. Mas não chamamos eles de arquivistas. Nós não nomeamos eles como arquivistas digitais ou algo do naipe. Chamamos eles de piratas de software", disse Frank em sua palestra de cerca de uma hora. O discurso dele vai contra a resolução que a Nintendo tomou contra emuladores há mais de 10 anos. "Emuladores desenvolvidos para jogar cópias ilegais de software promovem a pirataria. É simples assim e não é aberto ao debate", afirma o texto. Frank diz que o Virtual Console do Wii U não é nada mais e nada menos do que um emulador. Ao solicitar novos comentários da Big N sobre o assunto, a empresa diz que não utiliza ROMs ou arquivos baixados indevidamente da internet. O posicionamento conservador da Nintendo é conhecido. Ela demorou até 2006, pelo menos, para começar a investir em games baixados pela internet ou mesmo em simples transações online. No Brasil, a presença do mercado cinza de troca pirateada de games impede grandes faturamentos em relação a outros mercados menos sobretaxados e mais legalizados, o que fez a empresa japonesa pular fora do país em 2015. Mas será que a pirataria não acaba conservando os games que tanto gostamos? O questionamento de Frank Cifaldi não foi só provocador e relevante na GDC, mas as questões recorrentes muito além de uma criminalização superficial da pirataria. Ele levanta uma das discussões centrais hoje: Queremos beneficiar apenas as empresas desenvolvedoras ou a cultura gamer que existe entre nós? Fonte: Polygon
  20. 2 points
  21. 2 points
    Acho que a última notícia faltava sobre Sonic Mania era saber se o jogo foi realmente rentável para a SEGA e isso seria essencial para a empresa pensar em uma continuação ou olhar a possibilidade de fazer o mesmo com outras franquias do passado. O resultado simplesmente deu um grande upgrade nas vendas da empresa neste segundo semestre e teve uma menção honrosa no relatório de demonstrações financeiras consolidadas para este semestre. Acho que podemos esperar um segundo Sonic Mania em breve! Sonic Mania Helps Boost Sega Sales For The Season By ROBERT WORKMAN - November 5, 2017 Sega hasn’t had too many games to lean on this holiday season, but its latest Sonic the Hedgehog adventure, Sonic Forces, will be arriving in just a couple of days. But it’s another Sonic title that has helped the publisher push to profitability for the quarter. Sega Sammy Holdings recently posted its financial statement for the period ending September 30th, and, thanks to the retro-fied Sonic Mania that came out back in August, the company has seen a huge increase in net sales and operating profit. According to the report, the company has reported net sales nearing 194.7 billion yen, a 14.9 percent increase from the same period the year before. Operating income also increased to 26.8 billion yen, up 74.5 percent from the previous year. Approximately 10.1 billion yen of the operating income came from Sega’s Entertainment Contents Division, and sales were led by the strong reception of Sonic Mania, which released in August. It contributed to overall better physical sales, with 8,650 thousand copies sold this year, compared to 4,650 thousand sold the previous year. The company noted the following: “In the packaged game software field, sales amounted to 8,650 thousand copies (4,650 thousand copies for the same period in the previous fiscal year) thanks to the strength of the new title Sonic Mania, which earned the highest Metascore in the new titles of the Sonic series released in the past 15 years. In addition, the Group launched Total War: WARHAMMER 2, a new title of the Total War series, following its popular predecessor in PC games.” Needless to say, the company is having a great year, and Sonic Forces and other forthcoming releases for 2018 can only make it better. Sonic Mania is available now for Xbox One, PlayStation 4, Nintendo Switch and PC. Fonte: http://comicbook.com/gaming/2017/11/06/sonic-mania-sega-sales-sonic-forces/ Relatório da empresa (pdf): https://www.segasammy.co.jp/english/pdf/release/20171102_2q_tanshin_e.pdf
  22. 2 points
    Whip Rush Mega Drive emulado no Xbox 360 Gosto dos jogos que são publicados pela Renovation Esse shooter lateral não saiu desta regra. Com seus upgrades e fases que alguns elementos parece que vieram do r-type Joguei ele pensando como um antecessor dos acontecimentos do Arrow Flash kkk
  23. 2 points
    jogue, não vá pela modinha o sonic lost world para wiiu é muito bom, joguei até o final. não chega a ser melhor que o generations ou colors, mas é bom
  24. 2 points
    kkk, lantis sempre lantis no mais, no meu jeito de velho, zap ou afins não substitui o forum, mas muita gente migrou mesmo. Nos grupos de zap eu sempre tenho a impressão de estar falando sozinho, por isso larguei todos.
  25. 2 points
    Mega me desculpe, todos esses tópicos são meus de outros fóruns, apenas copio e colo para movimentar as discussões e curiosidades do mesmo, participo de eventos no twitter onde também coloco vários tópicos sempre de retrô games, como tava pensando em criar um tópico sobre ganho de consoles nos anos 80 e 90 e coisas desse tipo, participo de vários fóruns e sempre adiciono coisas apenas na sessão retrô por isso o meu foco maior de tópicos é sempre aqui, me desculpe se coloquei tudo de uma vez e ficou parecendo spam, mas não era a minha intenção e vou parar de imediato porque não quero problemas e sim apenas compartilhar coisas interessantes, mas vou dar uma parada e vou participar mais em mensagem em leitura de outros tópicos do que criar tópicos em excesso. Me desculpe mais uma vez e obrigado por avisar :-) Abraços!!
  26. 2 points
    acho que vc não "intende" o publico desse produto... pra quem sempre emulou... esses VGs são uma perda de tempo e dinheiro... agora para o publico geral a conversa é outra eu tenho um amigo que comprou o megadrive da tectoy, e o nes mini, e está feliz da vida, e certeza que vai comprar esse n64 mini
  27. 2 points
    Precisamos aprender uma lição sobre o consumismo desnecessário vinda de uma oficina mecânica em Gdansk, Polônia: ela ainda usa um Commodore 64 para manter suas operações. Sim, é o mesmo computador lançado há 34 anos com processador de 1 MHz e 64 KB de RAM. Ele chegou ao mercado em 1982, deixou de ser fabricado em 1994, mas ainda é usado para manter uma empresa em 2017. Claro, pequenas empresas em todo o mundo muitas vezes usam tecnologia que é um pouco mais ultrapassada do que nós usamos em nossas vidas diárias, mas manter um Commodore 64 para esse fim nos dias de hoje é bem incrível. Eis o que página do Facebook da Commodore EUA escreveu sobre o computador: "Este C64C usado por uma pequena oficina mecânica para balanceamento de eixo de transmissão vem trabalhando sem parar por mais de 25 anos! Apesar de sobreviver a uma inundação, ele ainda continua na ativa…" Eu já sei para onde vou se meu carro quebrar na Polônia. Fonte: Commodore
  28. 2 points
    o emblema historico do comeco da falha de uma empresa regida por radicais e gente de pensamento arcaico celebrado por leigos, porem com algumas migalhas de software que tiveram relevancia verdadeira
  29. 2 points
    Não vejo problema nenhum. O fórum infelizmente está morto e até agora todos os post que esse cara está postando a grande maioria são bem interessantes.
  30. 2 points
    outra coisa chata é o jogo já lançar com 3 versões diferentes, a bem capada, a menos capada, e a normal, que hoje chamam de mega fodona e querem mais de 300 reais por ela.
  31. 2 points
    Não sabia? Mulheres gostosas só existem com cirurgia plástica, toneladas de maquiagem, e dietas de Auschwitz. Mulheres normais são barangas, mega-obesas, e odeiam os homens.
  32. 2 points
    por conta dos viadinhos de hj, nem mais propaganda de cerveja pode exibir gostosas seminuas. quem deixa de faturar são as modelos.
  33. 2 points
    Fala pessoal, venho trabalhando em construir um WebSite compatível com o navegador do Dreamcast no meu tempo livre. Nesse pequeno WebSite que pode ser acessado com qualquer navegador do Dreamcast, voce vai poder baixar DLCs, míni games para o VMU, jogar games em Flash, futuramente assistir videos e ouvir musicas! Link do WebSite: titanide.kinghost.net/Se você encontrar algum link quebrado, tiver sugestoes, por favor sinta-se livre para me avisar!Se você não souber como conectar o Dreamcast na internet nos dias de hoje, eu preparei dois tutoriais:TUTORIAL: CONECTANDO O DREAMCAST ONLINE USANDO WIFI: https://titangamestudios.com/2017/09/24/tutorial-conectando-o-dreamcast-online-usando-wifi/ TUTORIAL: CONECTANDO O DREAMCAST ONLINE DA MANEIRA MAIS BARATA:https://titangamestudios.com/2017/06/16/tutorial-conectando-o-dreamcast-online/
  34. 2 points
    A BGS 2017 terminou, mesmo sem muito destaque de varios sites e canais, consegui encontrar uma lista de games indies promissores de 2017/2018 que foram exibidos no evento, e fiquei muito impressionado pelo que vi, algo de se orgulhar vendo desenvolvedores brasileiros fazendo ótimos games!! Vou listar alguns na minha opnião, que achei os melhores, e deixarei links para os demais que também são otimos...quem souber de algum que não esteja na lista, poste no tópico Esquadrão 51 Shoot 'em up que lembra muito Sine Mora por misturar eventos a jogabilidade, porém seu visual remete a filmes de alienígenas dos anos 50 e 60, criado pelo brasileiro Marcio Rosa Black Iris Tem uma pegada meio Darksouls, porém os desenvolvedores da HexaGameStudio prometeram na BGS 2017, que irão inovar na jogabilidade e desafio, oque pode torna-lo diferencial no gênero "Souls" Distortions Usa uma pegada, meio Zelda, meio Shadow of Colossus e Silent Hill 2, aonde deve se combinar musica a jogabilidade para resolver puzzles, no mundo real e na outra dimensão aonde a protagonista tenta sobreviver Pixel Ripped 1989 Criado pela brasileira Ana Ribeiro, um game 3D em realidade virtual que faz você viver a vida de uma menina entre os anos de sua vida, até a fase adulta, e o envolvimento que com os games, escola, etc. A idéia é fazer que o jogador viva um mundo de fantasia, aonde os games possam interagir entre sua realidade..como se pudesse viver e jogar um sonho na vida real Feito na UDK, tem muitas semelhanças com o game NewRetroArcade Keen & Necrosphere ( esse ultimo Ja conhecido aqui no forum) Zaaljinn: Wrath of the Elementals Mais links: https://adrenaline.uol.com.br/2017/10/29/52668/mostramos-alguns-dos-jogos-indies-mais-legais-da-bgs-2017-/ https://jogos.uol.com.br/listas/10-jogos-brasileiros-para-ficar-de-olho.htm https://jogos.uol.com.br/listas/8-jogos-brasileiros-que-voce-precisa-conhecer.htm Falow!!!
  35. 2 points
  36. 2 points
    Sabe ler? Você mesmo postou "Model 1 had stereo output from the front-facing headphone jack," Conhece cabo p2-rca?
  37. 2 points
    Tenho que zerar esse,zerei o do Game Gear que parece uma mistura dos clássicos.Esse Willy Wars poderia estar na coletâneas da Capcom. Lançado em 1994, “Mega Man: The Willy Wars” marcava a estreia do famoso robozinho azul da Capcom em um console da Sega, trazendo versões remasterizadas dos três primeiros jogos do Nintendinho 8 Bits (lançados originalmente em 1987, 1988 e 1990) para o nosso querido Megão! O jogo foi lançado em mídia física apenas no Japão (chegou nos EUA via Sega Channel) e em alguns países da Europa, o que o torna um item de colecionador bastante cobiçado para os fãs brasileiros. o jogo em sua versão japonesa completa “Rockman: Mega World” Revisitando o passado! Apesar de ser uma coletânea, o game conta com uma pequena narrativa inédita: cansado de ser derrotado, o malvado Dr. Wily volta no tempo em seus três primeiros encontros com Mega Man, na tentativa de agora derrotar o herói robótico. Assim, o jogador assume novamente o controle do nosso protagonista com a missão de impedir os planos de dominação do mundo do vilão. O que temos então é uma releitura fiel dos jogos originais em termos de mecânica/jogabilidade (com algumas leves alterações) e estrutura/design dos cenários, mas com gráficos e sons mais aprimorados, utilizando os recursos que o 16 Bits da Sega oferece. E o resultado disso, apesar de não aproveitar todo o potencial que o Mega Drive oferecia (na época já havia games para o console mais aprimorados), são cenários mais elaborados (principalmente as telas de fundo) e personagens um pouco maiores e mais detalhados na tela. Após completar de reviver suas aventuras passadas e derrotar o conjunto de robôs poderosos enviados por Wily, o jogador é presenteado com uma área extra com inimigos e cenários inéditos, chamada The Wily Tower – a grande cereja no topo desse bolo-coletânea. Aventura Bônus! Apesar de possuir uma aventura menor em relação aos títulos anteriores – possui apenas três chefões, guardiões da Torre, que foram inspirados em personagens do romance chinês “Jornada ao Oeste” – as fases são bem extensas e desafiadoras, aumentando o gameplay em uns bons 30 ou 40 minutos. os três chefões exclusivos da The Wily Tower Passando esses três guardiões, há ainda mais três chefões dentro da fortaleza de Wily, para só então Mega Man poder enfrentar o cientista maluco pela última vez. Para esta aventura bônus, o jogador pode escolher oito das 22 armas que adquiriu em Mega Man 1, 2 e 3, assim como três dos sete itens de transporte. Terminar todos os “três jogos e meio” levará umas boas horas de jogatina, principalmente se você for novato na série – prepare-se para uma alta dose de desafios! Para ajudá-lo nesta empreitada, outra novidade muito bem-vinda é a possibilidade de se salvar o progresso do jogo, sem precisar de passwords como nos originais. Coletânea que vale a pena! “Mega Man: The Wily Wars” é uma grande coletânea que infelizmente chegou em um momento tardio no Mega Drive, que aliado a uma péssima campanha de divulgação/lançamento, acabou caindo na obscuridade na época em que foi lançado. Ainda assim, é um jogo que merece estar na estante de fãs do icônico robozinho da Capcom, ou dos bons e desafiadores jogos de plataforma 2D, que certamente despertará a nostalgia e emoções fortes de gamers veteranos da geração 8/16 Bits! http://blogtectoy.com.br/mega-man-the-wily-wars-as-3-primeiras-aventuras-do-robozinho-azul-remasterizadas-no-mega-drive/
  38. 2 points
    Não sei se é só impressão minha ou de fato é algo real, mas tenho notado, principalmente a partir desse ano, uma queda no interesse das pessoas por itens retrô relacionados a games. Vamos pegar por exemplo aqui mesmo no fórum: quando alguém posta algo a venda nos classificados, dificilmente aparece algum interessado. Antigamente isso era bem diferente, se é que a galera se lembra. Ok, peguei a Seganet como exemplo, sendo que é um fórum mais restrito, mas mesmo em fóruns mais "popularzões", tenho notado que acontece a mesma coisa. Há alguns anos atrás, eu lembro que se eu anunciasse algum jogo "retrô", tanto em fóruns, quanto no Mercado Livre, chovia interessados rapidamente. Hoje em dia, tenho alguns itens anunciados no ML há meses, e sequer aparece alguém fazendo alguma pergunta. Quando muito, vem alguém oferecer 50 reais num item anunciado a 300. Será que isso se deu por conta dos everdrives que surgiram nos últimos anos ou tem algo a ver com a crise financeira do país mesmo? Ou seria simplesmente, para a maioria, uma fase "modinha" que foi superada? Talvez poderia ser também pela questão que o valor dos jogos antigos subiu tanto, que é difícil hoje ter alguém que esteja interessado em pagar 300, 500, 1.000 reais em um jogo antigo completo? Enfim, vamos dissertar sobre o assunto. Praticamente todos aqui do fórum são da época que a gente pagava 30 reais num jogo completo de Mega Drive, por exemplo. Da época que com 200 reais a gente importava um pacotão de jogos do Japão, e que foram vendo aos poucos os preços chegarem aos absurdos que temos atualmente. Então com certeza todos sabem do que eu estou falando.
  39. 2 points
    4k para poder jogar emulador de X1! Agora só falta sair jogos!
  40. 2 points
    ta na hora de Sonic ir para o mundo aberto. Chega dessa corre corre na coleira preso
  41. 2 points
    Isso é canseira mesmo, simplesmente matam a geração anterior sem se importar com a base instalada de consoles.
  42. 2 points
    nem sobrio da uahuahuahau
  43. 2 points
    Qualquer coisa, é só dar uma passada nos consoles Nintendo fikdik/
  44. 2 points
    O dia que isso acontecer deixarei de comprar jogos lançamentos.
  45. 2 points
    Setzer, dá uma olhada nos vídeos do Nando Games sobre o LaserActive. Ele fala sobre a arquitetura do aparelho, reparo e com o que ficar de olho na hora de comprar um. Esse é só um dos vídeos dele sobre o aparelho, recomendo ver os outros também.
  46. 2 points
  47. 2 points
    O negócio continua sendo ter paciência e garimpar. Essa semana eu comprei 8 jogos de Famicom, 1 de Saturn e 1 de Mega por míseros 5 dólares tudo. Uma pena o frete custar 24 dólares, mas mesmo assim nunca que eu iria conseguir isso tudo aqui no ML por esse preço.
  48. 2 points
    Pior que essa praga que está inflacionando o mercado. Compram pra mostrar a coleção crescendo no YouTube e falar merda de algo que não viveram, o que tem de gente falando coisas fora do contexto original no YouTube é incrível. Tipo Sonic Mania, os caras jogam e não sentem o peso de cada referência que tá ali, terminam mas só jogam metade do jogo pois a outra metade é referencial e isso é algo pra quem viveu a época mesmo. Essa discussão já rolou aqui, mas é como jogar futebol de botão, é legal mas não tem a magia que teve pro meu pai que viveu na época em que aquele brinquedo era o que tinha pra ele se divertir.
  49. 2 points
    Colecionar só os jogos que o cara mais curte. De resto, investe num EverDrive parrudo e corre pro abraço.
  50. 2 points
    Demolay liberou a edição #7 do nosso Podcast Resistência Retrogamer que fala justamente sobre o jogo Sonic Mania. Acompanhem e desculpem minha voz abafada no começo do áudio: https://resistenciaretrogamer.blogspot.com.br/2017/10/resistencia-retrogamer-7-sonic-mania.html
×