Jump to content

xandaum

Membros
  • Content Count

    29
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

4 Neutro

About xandaum

  • Rank
    Membro
  • Birthday 05/14/1993

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Não entendi uma coisa. Esse adaptador do XBox substitui o HDD dele? É fácil o uso? Explica para mim aí, não entendi. kkk
  2. Quero nem saber o que roda ou deixou de rodar. Só quero ver quanto que vai ser arrematado. O cara deve ter pego esse protótipo por preço de banana. Já está em U$ 350.000,00. Ta aqui o link: https://comics.ha.com/itm/video-games/nintendo/nintendo-play-station-super-nes-cd-rom-prototype-sony-and-nintendo-c-1992/a/7224-93060.s
  3. Ele não tá otimizado ainda por isso que exige tanto do processador. Temos que esperar uma atualização melhorzinha.
  4. O tanto de polígono que é produzido em um jogo de Nintendo 64 não aguentaria um processador fraco. Pode ser superior a i9. Acontece que nenhum desses emuladores funcionam a base de placa de vídeo.
  5. Ultimamente um pessoal vem lançando os emuladores cycle accurate que promete usar toda a estrutura do hardware original e aplica-lá em um software de qualidade. O Nestopia é considerado um dos melhores cycle accurate de NES. Estamos falando de algum que é relativamente novo e que está engatinhando de maneira "lenta". Alguns mappers são acessíveis, porém não sei se para este jogo existe neste emulador: https://www.mesen.ca/ (tenta este também) Lembrando que esse emuladores não são iguais os comuns que sempre usamos, eles são completamente 100% fiel ao hardware original. Talvez um computador de configuração fraca não rode com perfeição. Por ex: o mínimo que é exigido para o cycle accurate de Nintendo 64 é um processor i9. Claro que existem as controvérsias e dúvidas que sempre ficam, mas se liguem: https://emulation-general.fandom.com/wiki/Emulation_Accuracy e https://www.neogaf.com/threads/cycle-accurate-emulators.634041/
  6. A chave que vem em cima dele é pra mudar a configuração da TV: Pal ou NTSC.
  7. @BarMac Eu já possuo o Expansion Pak, mas já bastante sobre a lista de compatibilidade com o acessório. Comprei justamente por causa de DK64 e alguns joguinhos como o Duck Donald - Goin' Quackers (deixa em Highres, muito parecido com o gráfico do Playstation 1... é praticamente o jogo com outra roupagem e bem melhor porque esta sem anti-aliasing). Para minha surpresa para que as músicas do San Francisco Rush 2049 rodasse era só por esse bem acessório. @Hill top zone Eu comprei em Novembro do ano passado ainda era a carcaça preta, depois que vi o pessoal comprando com essa carcaça ridícula aí kkk. É o mesmo everdrive só trocou a carcaça mesmo, assim como o Super Alpha que é o SD2SNES chinês. Outra coisa que é preciso falar: jogos sem anti-aliasing. Alguns anos atrás os usuários do ED64 2.5 e superiores (ou até chineses) conseguiram patchear os jogos para que rodassem sem o anti-aliasing do Nintendo 64. O ED64 Plus consegue aplicar o patch se for o firmware original do krikzz, já o pessoal que usa o firmware do Saturnu tem que aplicar o ips pelo Lunar IPS. Segue o link do pessoal aí que mostra como o N64 fica sem anti-aliasing: https://youtu.be/QDiHgKil8AQ E o site daquele fanático por N64: https://www.n64brasil.com.br/2016/05/utilidade-publica-como-melhorar-imagem.html?m=1
  8. Eu tenho o ED64 Plus e posso falar com toda certeza de que não me arrependo um minuto de ter comprado ele. A questão é que o firmware que os chinas colocam nele é a primeira versão do Krikzz, exite outro firmware de um usuário chamado Saturnu e ele deu um up legal tanto no ED 2.5 do Krikzz quanto no China (só toma cuidado ao pesquisar por este firmware que o criador colocou uma atualização nova que barra EDs China). O único jogo que não roda neste versão é o Pokémon Stadium 2 porque o sistema de save dele tinha algo a ver com o tempo real da fita e mesmo que você salva o save se corrompe. Tanto que na própria versão do Krikzz não da pra jogar... é o único jogo. O restante pega normal. Os únicos que precisam ser patcheados são os jogos da Rare que tem anti-pirataria nele e jogos que necessitam do Expansion Pak. Só mais uma coisa que ninguém diz por aí mais vale ressaltar: Banjo-Tooie NÃO FUNCIONA SEM EXPANSION PAK. Todo mundo ta careca de saber que é um cartucho que não necessita da expansão, mas para que ele rode no ED 2.5 (ou ED64 Plus), o usuário deverá ter o Expansion Pak... não me pergunte o porquê. Outro jogo que eu tive problema sem Expansion Pak foi o San Francisco Rush 2049. As músicas do jogo não toca sem o acessório, mas é totalmente jogável. Para que você não salve sem apertar o reset é necessário que você compre o ED 64 V3.0 do Krikzz que custa o olho da cara. Segue aí uma análise brasileira de um amante de N64: https://www.n64brasil.com.br/2017/09/nova-analise-do-ed64-plus.html foi esta análise que me fez comprar.
  9. Fim de semana rendeu bem. Esta é a última estrela do SM64 DS. Falar que esse jogo é um puta de um remake, mas jogar isso no direcional digital é pra foder o cu do peão. A intuito era pra usar o touch como jogável, porém sem condição de ser viável... uma pena. Baita de um remake bom com um controle ruim. E um jogo um tanto quanto peculiar da Game Freak... que vocês já devem conhecer: Pulseman. Não tenho nada a reclamar deste jogo. Toda a proposta dele é muito boa e a quebra da quarta parede é muito show de bola. O jogo é bem generoso em muitos aspectos e fácil ao mesmo tempo. A falta de inimigo na tela é constante. O som é impecável, assim como o gráfico. A dificuldade fica por conta do chefão final que também não é muita coisa assim.
  10. Já que vocês estão conversando sobre emulação, estou atrás de um portátil que rode 100% qualquer chip do SNES. Será que é pedir muito?
  11. Eu pegaria um exemplar no mês de Setembro pra ver se compensa.
  12. Okay. Fui infeliz falando de shovelware e level design. Vou ajustar o que quero exprimir e serei mais claro daqui em diante, acho que me enrolei demais até então. Em nenhum momento havia dito sobre os gráficos do jogo, que de longe são superiores ao do SNES sim. Em nenhum momento havia dito sobre a OST do jogo, que também são ótimas e diria que usou o chiptune do meguinha de maneira agradável. Em nenhum momento havia dito que a jogabilidade seja ruim, a questão é que alguns hitboxes são maiores do que o comum. Enfim, o jogo no todo é ótimo... e o "level design" como eu tinha dito está no padrão da época sim, foi péssimo como expressei, mas ok. Minha maior reclamação em relação ao Aladdin de Mega é a questão do campo de visão do jogador. Isso tem a ver com a programação e infelizmente não é só o Aladdin que sofre disto. Não sei se eles criaram uma engine do zero ou se reaproveitaram para fazer todos os jogos restantes da Disney, mas Rei Leão, Mogli e Pinóquio possuem o mesmo problema. Esta limitação se dá a partir do momento que a tela fica fixa demais ao personagem ou quando o personagem vai até o fim da tela e só depois é processado o restante do estágio. Acontece que alguns inimigos estão te esperando logo no início da próxima tela a ser processada e quando você sai do campo de visão alguns inimigos, eles poderão voltar mesmo após você matar algum deles, ex: o bando de morcego que voa quando você está na caverna do mistério. Ou então quando você mal aparece no campo de visão de alguns inimigos e eles te atacam mesmo quando você está longe deles, isso fica bem explicito no começo do jogo (vide o inimigo que te joga facas) e até mesmo na luta contra o Jaffar isso acontence. Já em relação do level design que eu havia dito, alguns inimigos estão posicionados em locais quase que estratégicos para que o Aladdin sofra um dano consistente e para que ele morra logo em seguida. Assim como um usuário já havia comentado, existe um porém a mais nesta versão em que cada dano que você sofra ele apenas urre e o dano é contínuo. De resto, tudo que é preciso saber para que o jogador jogue sem problema algum é apresentado logo na primeira fase do jogo o que é ótimo. No geral, o jogo é muito generoso em relação aos recursos disponíveis em cada fase. Da pra zerar o jogo fácil sem problema algum desde que você vá dando pequenos passos por conta de alguns inimigos ou até mesmo decorar onde eles estão. Eu mesmo fiquei em perigo de sofrer um game over, mas graças a SRAM o jogo reseta algumas jóias e então antes do último checkpoint do Jaffar tem um mercador oferecendo 10 jóias por um desejo. Acho que não fui muito claro antes, perdão galera. E, volto a dizer, desde muito pequeno sempre tive um pé atrás com alguns jogos da Virgin. Ah... e eu não sou "ista" não viu. Não tenho preferência pelo Aladdin do Super Nintendo e muito menos pela Capcom (que também não curto muito). Pensando bem mesmo, o Aladdin do Mega é bem mais aceitável que o do Super Nintendo... sendo que ele sofreu do mesmo problema que o próprio SMW... aquele pano que faz ele planar deixa o jogo muito fácil.
  13. Shovelware. Prazos e afim faz com que isso aconteça. Independente se é de SEGA ou Nintendo.
  14. Caramba, isso porque eu nem dei nome aos bois viu. Os jogos da Virgin são ruins no geral mesmo. Não consigo me adaptar muito bem aos jogos dela por conta de fatores que vão além da jogatina. Os hitboxes absurdo de cada personagem (incluindo o seu), a questão de levar dano e só ouvir um "ouch" não é legal, dificuldade sem noção para algo que deveria ser o público infantil, e dentre outras, porém não é nada demais. Questão pessoal mesmo. Apenas os que são realmente exclusivos da Disney. Talvez em questão de dificuldade não tem o porquê de dizer que era algo absurdo. Não se discutia level design naquele século e muito menos haviam programadores que se empenhavam realmente com algum produto. Poderíamos dizer que muitos jogos de Mega Drive e Super Nintendo são frutos do que hoje chamamos de shovelware. As coisas só começaram a tomar forma mesmo quando viram que vídeo-game já não era mais um "brinquedo".
×
×
  • Create New...