Peidãø Neck

Membro Ativo
  • Content count

    1,427
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Everything posted by Peidãø Neck

  1. Velloso, cotado para Justiça, defende Aécio no STF sem cobrar honorários Carlos Velloso, que pode assumir o ministério da Justiça, é amigo de Aécio Neves e defende o senador em dois inquéritos no STF ‘de graça’ Cotado para assumir o Ministério da Justiça, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso é amigo e atua como advogado do presidente do PSDB, senador Aécio Neves, de quem não cobra honorários, nos dois inquéritos que o tucano responde perante o Supremo Tribunal Federal como desdobramento da Operação Lava Jato. Velloso afirma que os casos em que atua para Aécio não têm relação com a Lava Jato. “Fui amigo de Tancredo Neves, avô de Aécio, e de Aécio Cunha, pai de Aécio. E sou amigo de Aécio desde os seus 22 anos, quando o conheci, em Belo Horizonte. Sou seu advogado nesses dois casos, em razão dessa amizade. Mais até como conselheiro”, afirmou Velloso, por e-mail, à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Ele admitiu ainda atuar para o tucano sem cobrar nada. As duas investigações contra Aécio tem origem na delação premiada do ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT e ex-PSDB, atualmente sem partido) que foi preso em novembro de 2015 acusado de tramar contra a Lava Jato. Para se livrar da cadeia, Delcídio fez delação premiada. O ex-senador acusou Aécio de atuar para maquiar dados do Banco Rural na CPMI dos Correios (presidida por Delcídio) que poderiam atingir membros do PSDB e também de receber propinas em um esquema de corrupção em Furnas. Os dois inquéritos estão sob relatoria do ministro Gilmar Mendes. Em dezembro do ano passado o tucano prestou depoimento à Polícia Federal no inquérito sobre a CPI dos Correios – na época, Aécio era governador de Minas. Também são investigados neste inquérito Clésio Andrade, que era vice-governador do tucano, e o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), que era filiado ao PSDB. No caso de Furnas, o tucano é investigado por suposto recebimento de propina de empresas terceirizadas que mantinham contrato com a estatal. As vantagens indevidas seriam pagas pelas empresas ao ex-diretor da companhia, Dimas Toledo, que as repassava para o tucano. O senador e os demais investigados nos inquéritos rechaçam as acusações de Delcídio. Velloso não tem clientes investigados na Lava Jato Além de Aécio, Velloso tem um cliente deputado que é investigado no âmbito da Operação Zelotes. Em relação à Lava Jato, contudo, o ex-presidente do STF diz que nunca atuou para os investigados da operação. Ele conta que chegou a ser procurado por outro advogado que atua no caso para emitir um parecer. “Cheguei a ser procurado, logo no início, por mais de um advogado, a fim de estudar a possibilidade de emitir parecer. Em razão do sigilo profissional, só posso dizer-lhe que não emiti nenhum parecer em caso da Lava Jato”, disse. Caso assuma o Ministério da Justiça, Velloso terá que deixar de atuar como advogado, seguindo o Estatuto da Advocacia. “Sou advogado, na companhia de outros advogados, de um advogado, que é deputado, num caso da denominada Operação Zelotes, em curso no Supremo Tribunal Federal, ora distribuído ao ministro Ricardo Lewandowski. Aceitando assumir o Ministério da Justiça, me afastarei do caso, na forma do Estatuto da OAB.”
  2. Pesquisa CNT: 10,3% aprovam governo Temer; 44,1% reprovam Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) com o instituto MDA divulgada hoje (15) mostra que 10,3% dos brasileiros entrevistados consideram positivo o governo do presidente Michel Temer, 44,1% avaliaram de forma negativa. Para 38,9%, o governo é regular e 6,7% não responderam ou não souberam opinar. Na pesquisa divulgada em outubro passado, 14,6% avaliaram positivamente o governo e 36,7%, negativamente. Os que consideravam o governo regular somaram 36,1% e 12,6% não souberam opinar. Desempenho pessoal Sobre o desempenho pessoal do presidente, 24,4% aprovam, 62,4% desaprovam e 13,2% não souberam opinar. O levantamento anterior indicava 31,7% de aprovação do desempenho pessoal de Temer e 51,4% de desaprovação. A pesquisa divulgada hoje ouviu, de 7 a 11 deste mês, 2.002 pessoas em 138 municípios de 25 unidades federativas das cinco regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.
  3. "Veja essas manifestações, ‘ah, o gigante acordou’! O gigante acordou, foi na Disney e voltou a dormir. Acordou porra nenhuma.” - João Gordo
  4. Celso de Mello mantém nomeação e foro privilegiado de Moreira Franco Decisão foi tomada nesta terça-feira em resposta a ação do PSOL e da Rede http://oglobo.globo.com/brasil/celso-de-mello-mantem-nomeacao-foro-privilegiado-de-moreira-franco-20925543? “Temos um Supremo completamente acovardado.” (Lula)
  5. Greca e Gulin no Country: parceria nada impossível Rafael Greca é o prefeito de Curitiba que, no dia 6 passado, aumentou a tarifa de ônibus de R$ 3,70 para R$ 4,25. O empresário Donato Gulin (e família) é dono de 70% das linhas do transporte coletivo da capital. Três dias depois do reajuste,na quinta-feira (9), a partir das 18h30, eles se reuniram no refinado ambiente do Bar do Golf, bem defronte ao campo de golfe do Graciosa Country Club. Àquela altura nenhum dos dois imaginava que o Tribunal de Contas iria cancelar o reajuste da passagem. O abelhudo fotógrafo que teve a gentileza de enviar o flagrante para a coluna bem que tentou ouvir o que conversavam os dois amigos, que tinham como companhia dois outros convivas. A distância não permitiu ouvi-los. Como um deles falava com a boca cheia, até mesmo um especialista em leitura labial teria dificuldades para fazer tradução razoável. http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/colunistas/celso-nascimento/greca-e-gulin-no-country-parceria-nada-impossivel-eitur3jnsi2d9dikakhufbn6d
  6. Ricardo Barros foi sócio de terreno que vale 30 vezes mais que seu patrimônio Reportagem do jornal “Folha de S. Paulo” apurou que em 2014, o ministro adquiriu área de 1,3 milhão de metros quadrados na região de Maringá Apesar de ter declarado um patrimônio de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), comprou, em 2014, metade de um terreno que vale R$ 56 milhões. A propriedade é localizada em Marialva, cidade a poucos quilômetros de Maringá, base eleitoral de Barros. Os documentos e as informações foram obtidos e publicados nesta sexta-feira (10) pelo repórter Rubens Valente, do jornal Folha de S. Paulo. No ano da compra do terreno, Barros foi candidato à Câmara Federal. Já eleito deputado, ele apoiou, por meio de um requerimento, uma emenda ao Orçamento Federal que destinava R$ 450 milhões da União para o Contorno Sul Metropolitano, uma rodovia de 32 quilômetros que passa a três quilômetros do terreno de 1,3 milhão de metros quadrados, onde está prevista a construção de um condomínio de alto padrão. A emenda orçamentária foi originalmente apresentada pela bancada do Paraná – que na época incluía a hoje vice-governadora Cida Borghetti (PP), mulher de Barros, que em 2014 declarou patrimônio de R$ 805 mil. A Gazeta do Povo entrou em contato com o ministro, que não atendeu à reportagem. À Folha de S.Paulo ele disse que conseguiu comprar a cota da propriedade usando um empréstimo de R$ 13 milhões concedido pela empresa Paysage, sócia dele na aquisição. Para efetuar a compra, Barros usou duas empresas que dividia (e posteriormente foram vendidas, assim como a parte dele no terreno) com Cida Borghetti; a MRC e a RC7, ambas com capital social que era equivalente a R$ 10 mil cada. Sediada no escritório político do ministro, em Maringá, a MRC foi constituída 20 dias antes da divulgação do estudo de impacto ambiental da rodovia por parte da prefeitura. “A obra do contorno Sul de Maringá é fruto de um convênio entre a prefeitura municipal de Maringá e o Dnit [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte] firmado em 2011, três anos antes da compra do terreno. Ou seja, no período da compra, a eventual valorização do terreno já teria ocorrido”, afirmou Barros à Folha. Segundo a reportagem, desde 2016, Barros e Cida já não figuram mais como proprietários do terreno, mas, sim, como fiadores. Segundo explicação do ministro ao jornal, ele vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões. “Em 3 de dezembro de 2015, a totalidade das quotas das empresas MCR e RC2 –RB01 foram transferidas à Paysage, em troca da quitação do empréstimo. A Paysage assumiu também os compromissos financeiros correspondentes à MRC e RC2 –RB 01”, disse a assessoria do ministro à Folha.
  7. A Sony publicou no PlayStation Blog os principais detalhes da atualização 4.50 do PlayStation 4, o próximo grande udpate do seu console. As novidades incluem papéis de parede e notificações customizáveis, e o mais importante: suporte a HDD externo. "Com essa atualização, você tem a opção de armazenar conteúdo em um HDD externo. Apenas plugue um HDD USB 3.0 no seu PS4 e pronto, você agora tem mais espaço no console," explica a Sony. O PS4 será compatível com drives de até 8TB. Os jogadores podem instalar as aplicações diretamente no disco e gerenciar tudo por um menu de configurações. Tudo que for salvo no HD vai aparecer na seção "Lançador de Conteúdos" da home do console. Além disso, a nova atualização - cujo codinome é Sasuke - vai permitir que os donos de PS4 utilizem qualquer screenshot de jogos como papel de parede, configurem quais notificações aparecem pra eles e adicionará mais recursos ao menu rápido, a tela que aparece ao apertar o botão PlayStation do DualShock 4. Você pode ler mais detalhes da nova atualização do PlayStation 4 no PS Blog.
  8. Richa pagou R$ 870 mil por horas de voo em que helicóptero não saiu do chão Em vigor desde abril de 2013, o acordo com a Helisul prevê o aluguel de um helicóptero para o transporte do governador nas atividades oficiais como chefe do Executivo estadual O governo Beto Richa (PSDB) pagou R$ 870 mil à Helisul em 2014 por horas de voo que não foram realizadas. Graças a uma cláusula no contrato, o Executivo é obrigado a pagar à empresa o mínimo mensal de 40 horas de voo, ainda que esse limite não seja atingido. Para o Tribunal de Contas do Estado (TC-PR), porém, não há justificativas plausíveis para tal gasto, que não atende aos princípios da racionalização e da eficiência da administração pública. Por isso, os conselheiros da Corte, por unanimidade, determinaram à Casa Militar do governo estadual que realize “estudos técnico-científicos e multidisciplinares aprofundados” para revisão do contrato. Em vigor desde abril de 2013, o acordo com a Helisul prevê o aluguel de um helicóptero para o transporte de Richa nas atividades oficiais como chefe do Executivo estadual. Desde então, o contrato traz a cláusula que assegura o pagamento mínimo de 40 horas de voo por mês, mesmo que o período realmente voado for inferior a esse tempo. Por isso, já em relação às contas de 2013 da Casa Militar, o TC havia apontado “gastos excessivos” com a locação da aeronave, recomendando a racionalização dos gastos. Para 2014, no entanto, o contrato foi prorrogado na íntegra. Dessa forma, apesar de ter voado em 2014 tempo suficiente para pagar à Helisul R$ 2.518.535, Richa desembolsou R$ 3.387.885. Naquele ano, somente nos meses de junho e novembro o tucano voou além das 40 horas, o que resultou em um gasto somado de R$ 637.885. Já em fevereiro, por exemplo, apesar de ter voado o correspondente a R$ 86.281, o governador repassou à Helisul R$ 275 mil — diferença de R$ 188.719. No acórdão, o TC destaca que a quantia desembolsada pelo tempo ocioso do helicóptero da Helisul equivale a 25,66% − mais de um quarto − do gasto total com este contrato em 2014. É como se o aluguel da aeronave tivesse sido pago durante os 364 dias daquele ano, apesar de o serviço não ter sido utilizado em 93 dias – quase três meses. Além de apontar a necessidade de revisão do contrato, o tribunal afirma que o helicóptero poderia ser usado em outras atividades em prol do interesse público, enquanto permanece à disposição do Estado. Também argumenta que não há estudos que indiquem que a exclusividade da aeronave prevista em contrato seja a alternativa mais viável, se comparada “com a aquisição e manutenção de um helicóptero, indicando consequências aos cofres a curto, médio e/ou longo prazo”. Governo do PR não divulga lista de passageiros que voaram com verba pública Tribunal de Contas questiona a falta de transparência sobre a divulgação da motivação dos voos e a indicação dos passageiros O Tribunal de Contas do Paraná (TC-PR) aponta outra falha, além dos custos elevados, no aluguel de helicóptero feito pelo governo do estado. O TC questiona a falta de transparência sobre a divulgação da motivação dos voos bem como a indicação dos passageiros. Para o tribunal, sem essas informações não há como garantir a legalidade das despesas pagas à Helisul. Além disso, “impede-se que a população tenha acesso às informações no tocante à utilização dos recursos públicos”. http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/governo-do-pr-nao-divulga-lista-de-passageiros-que-voaram-com-verba-publica-ajg4cuab8hwhzbqn0m5jzzxd3
  9. Alexandre de Moraes acumulou patrimônio milionário no serviço público Entre 2006 e 2009, como membro do CNJ e secretário de Gilberto Kassab, ministro comprou oito imóveis por R$ 4,5 milhões. Propriedades incluem dois apartamentos de luxo em SP e terrenos em um condomínio dentro de uma reserva ambiental. https://www.buzzfeed.com/alexandrearagao/alexandre-de-moraes-apatrimonio-milionario?utm_term=.amq3KeEad#.xtgw4W6KR Alexandre de Moraes não tem condições éticas de ir ao STF Alexandre de Moraes não tem condições éticas de ir ao Supremo Tribunal Federal. Ele mesmo admite isso, ou admitiu muitos anos antes, ao dizer que um ministro de um governo não podia ser indicado por este mesmo governo ao STF. O Alexandre de Moraes de antes estava certo. O de agora, se aceitar, estará dizendo aquilo que Fernando Henrique nunca disse realmente: “esqueçam o que eu escrevi”. Paris, claro, bem vale uma missa. Dos três antecessores mais imediatos de Temer, só Dilma escapou à tentação de uma indicação de político. FHC colocou Nelson Jobim, na época chamado de “líder do governo no Supremo”. E Gilmar Mendes, seu advogado-geral da União. Lula fez o mesmo com Dias Toffoli. Alexandre de Moraes tem uma situação ainda pior. Nem ministro da AGU é. Não está no governo como advogado, e sim como político. E foi como político que fez carreira, sempre ligado ao PSDB. Não que não tenha conhecimento jurídico. É autor de um livro bem vendido sobre constitucionalismo. E é professor da USP, sempre um crédito. Mas como advogado, sua atuação que ficou mais famosa foi em defesa de uma empresa que, aparentemente, era fachada do PCC. Tomara que Temer esteja apenas fazendo um balão de ensaio. E que a repercussão o demova de fazer uma indicação não só política como à beira do inaceitável. http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/caixa-zero/alexandre-de-moraes-nao-tem-condicoes-eticas-de-ir-ao-stf/?utm_source=twitter&utm_medium=midia-social&utm_campaign=gazeta-do-povo Parabéns a todos os envolvidos
  10. Eu indico da marca APC, tenho um que tem mais de 10 anos e só precisei trocar a bateria.
  11. Citado na Lava Jato, Moreira Franco ganha foro privilegiado como novo ministro Presidente Michel Temer nomeia atual secretário-executivo como ministro da Secretaria-Geral da Presidência e assina medida provisória que recria ainda dois ministérios BRASÍLIA - O presidente Michel Temer assinou no início desta noite, 2, medida provisória que recria dois ministérios e dá novas atribuições à pasta da Justiça, que passa a se chamar Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Temer recriou a Secretaria-Geral da Presidência da República e nomeou Moreira Franco, atual secretário executivo do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), para o cargo. Com isso, Moreira que tem seu nome envolvido em investigações na Operação Lava Jato, ganha foro privilegiado. Nas medidas para “aprimorar as condições de governança, buscar maior eficiência e melhorar a gestão pública”, Temer designou também a desembargadora Luislinda Valois para o Ministério dos Direitos Humanos e deu mais força política ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que é do PSDB. Para agradar os tucanos, depois de meses de espera, Temer designou ainda Antônio Imbassahy para a Secretaria de Governo. Agora serão 28 ao invés de 26 ministérios. No caso do Ministério da Justiça, a mudança de nome atendeu inclusive a um pedido da chamada “bancada da bala” no Congresso, que queria que fosse criado o Ministério da Segurança Pública.
  12. Delator da Odebrecht acusa Aécio de fraude em licitação O senador Aécio Neves, do PSDB, teria se reunido com o ex-presidente de infraestrutura da empreiteira Odebrecht Benedicto Júnior para tratar de um esquema que fraudava licitações nas obras da Cidade Administrativa, a sede do governo mineiro, para favorecer grandes construtoras. A informação teria sido divulgada por Júnior, também conhecido como BJ, durante sua delação premiada da Lava Jato, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo . Segundo a publicação, com o acordo, Aécio, que na época ainda era o governador do Estado de Minas Gerais, orientou que as empreiteiras se reunissem com Oswaldo Borges da Costa Filho, o Oswaldinho, que foi um dos colaboradores da campanha do senador durante corrida eleitoral à Presidência e presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codeming). Seria ele que definiria a porcentagem de propina que as empresas receberiam que, também de acordo com Júnior, variava entre 2,5% e 3% dos valores dos contratos, e que negociaria com as construtoras como os pagamentos seriam feitos. O jornal também descobriu que era o próprio Aécio que escolhia quais empreiteiras participariam do esquema de fraude e que as informações batem com as ditas na delação premiada do ex-diretor da Odebrecht de Minas Sergio Neves, que está nas investigações por estar por trás dos repasses a Oswaldinho e por detalhar os pagamentos ao senador tucano. A Odebrecht era responsável por 60% da obra que construiu o Edifício Gerais, um dos prédios da Cidade Administrativa, que foi projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e que ficou pronta em 2010.
  13. John Hurt, ator de 'O homem elefante' e de 'Alien', morre aos 77 anos Ator britânico com mais de 60 anos de carreira lutava contra câncer no pâncreas desde 2015. O ator John Hurt morreu nesta sexta-feira (27) aos 77 anos de idade, segundo da revista "The Hollywood Reporter". O britânico foi indicado ao Oscar de melhor atuação em "O homem elefante" (1980) e ficou conhecido recentemente por interpretar o senhor Garrick Olivaras em três filmes da série "Harry Potter". Hurt também recebeu outra indicação ao Oscar, como coadjuvante, por sua atuação em "O expresso da meia-noite" (1978). Ao longo de sua carreira de 60 anos, ele viveu papeis marcantes em grandes produções, como "Alien, o oitavo passageiro" (1979), "V de vingança" (2005) e "O espião que sabia demais" (2011). Um de seus trabalhos mais recentes foi em "Jackie" (2016), que conta a vida da ex-primeira dama americana, Jacqueline Kennedy. Em 2015, Hurt divulgou que havia sido diagnosticado com câncer no pâncreas. Após ficar conhecido em "O homem que não vendeu sua alma" (1966), o britânico de Chesterfield recebeu sua primeira indicação ao prêmio da Academia ao viver Max, um prisioneiro inglês com vívio em heroína no filme "O expresso da meia-noite", de Alan Parker. Apenas dois anos depois, ele foi lembrado novamente pela maior premiação do cinema. Dessa vez, no papel principal. Em "O homem elefante", de David Lynch, Hurt entregou o trabalho de sua carreira como John Merrick, um homem com diversas deformidades que é usado como atração de um show de horrores na Londres do século 19. Ele é resgatado pelo doutor Frederick Treves, interpretado por Anthony Hopkins, que descobre um homem inteligente e sensível por trás da estranheza do protagonista. O ator também protagonizou uma das cenas mais marcantes do cinema de terror em "Alien, o oitavo passageiro". O diretor Ridley Scott conta que preferiu não informar ao elenco o que aconteceria com o personagem de Hurt quando o pequeno monstro alienígena saísse de seu peito, e obteve uma reação de horror genuíno dos atores. Outro clássico com futuro distópico protagonizado pelo inglês é "1984", adaptação cinematográfica da obra de George Orwell. Nele, Hurt viveu Winston Smith, o protagonista que se rebela contra um regime autoritário após se apaixonar. Ironicamente, décadas depois ele assumiria o papel de um déspota fascista em uma nova adaptação. Em "V de vingança", seu Alto Chanceler Adam Sutler é o antagonista do herói criado nos quadrinhos de Alan Moore. Nos últimos anos, ele passou por diversos papeis em franquias populares, como "Harry Potter", nos dois "Hellboy", e até em "Indiana Jones e o reino da caveira de cristal" (2008). Em 2013, ele ainda assumiu o papel de uma das encarnações do Doutor em uma sequência de episódios especiais de "Doctor Who". Além das indicações ao Oscar, Hurt foi lembrado duas vezes pelo Globo de Ouro pelos mesmos papeis (ganhou como coadjuvante pelo filme de 1978), e ganhou quatro troféus Bafta, a maior premiação do cinema britânico (além de ser indicado outras quatro vezes).
  14. "Democracia brasileira foi corroída", diz instituto francês O Observatório Político da América Latina e do Caribe (OPALC), ligado ao renomado Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences Po), fez um balanço sombrio sobre a crise brasileira em seu novo relatório anual sobre a região. Segundo o texto, "a alternância não eleitoral de 2016 desafia um quarto de século de consolidação democrática". "Como na maioria dos períodos de crise que o Brasil conheceu em sua história, a solução de conflitos políticos acontece fora da arena eleitoral, em um círculo fechado das elites. Mas, desta vez, a solução não foi negociada. Ela foi imposta pelo desvio de um instrumento da democracia (o impeachment). Agindo assim, os representantes corromperam a democracia brasileira", aponta o relatório. "Essa corrupção moral do regime constitucional foi somada a uma corrupção moral e financeira do sistema político, reforçando o descrédito da democracia." O documento também afirma que o procedimento foi realizado de "maneira brutal, abusiva e indecente" e "teve o efeito de reforçar a polarização política e fragilizar as instituições democráticas". O OPALC aponta que "as revelações que se sucedem no contexto da Lava Jato [...] alimentam o descrédito da classe política e fazem tremer o sistema político em seu todo". E que "ao fim de 2016, a democracia brasileira parece esfarrapada, corroída pelos excessos de seus representantes." O documento também apontou um caráter ilegítimo na ascensão do presidente Michel Temer e de um novo projeto de reformas. "Apesar de o procedimento de destituição (impeachment) ter como objetivo punir as ações pessoais de um indivíduo, a queda de Dilma provocou um expurgo governamental e a ascensão de um projeto político que havia sido minoritário nas eleições de 2014. Nesse sentido, a alternância política que resultou da destituição pode ser qualificada como ilegítima." De guerra fria a união sagrada O relatório também levanta dúvidas sobre a capacidade do governo Temer. "O ano de 2016 foi concluído em um clima de profunda incerteza. A democracia brasileira está literalmente atolada. Já em uma crise econômica e política, o Brasil mergulha em uma crise de regime." "Apresentada como uma solução para melhorar a governabilidade do país, o impeachment de Dilma acabou abrindo um período de instabilidade (...). A sociedade brasileira está mais dividida do que nunca, e a sequência do impeachment desempenhou um papel importante no reforço dessa polarização. Os antipetistas e os pró-petistas, no entanto, compartilham uma rejeição comum às suas elites políticas", diz o texto. "Ilegítimo e impopular, o governo Temer encarna uma geração política que já chega acossada por ter usado o poder em excesso e abusado dele. Só falta um gatilho para que a 'guerra fria' se transforme em uma 'união sagrada' [referência à trégua e à aliança entre a direita e a esquerda francesas durante a Primeira Guerra] contra Temer, às custas do regime democrático". Por fim, o relatório aponta a crise de apoio à democracia no Brasil. "O apoio à democracia passou de 54% a 32% entre 2015 e 2016. Nenhum outro país da América Latina experimentou um recuo parecido." O capítulo brasileiro no relatório foi elaborado por Frédéric Louault, vice-presidente do OPALC e professor da Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Em entrevista à DW , Louault afirma que 2017 deve ser mais um ano imprevisível na política brasileira. Ele diz que a morte do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, pode desacelerar a Lava Jato, mas não vai ser suficiente para parar a operação. "Ainda vamos continuar vendo essa dinâmica de tensão entre o Judiciário e o mundo político. A operação pode perder velocidade, mas a máquina vai continuar em andamento mesmo que Temer coloque uma figura amigável no STF. Há muitos juízes e investigadores que vão continuar a trabalhar. É provável que em marco apareçam novos elementos que venham a criar dificuldades para Temer", opina. Louault também afirma que, sem apoio popular e legitimidade, o governo Temer só pode esperar aguentar até 2018 se a economia melhorar. "Se ela não se mexer, essa frágil estabilidade do seu governo vai enfrentar ainda mais dificuldades". No ano passado, em seu relatório sobre 2015, o OPALC já havia previsto um período difícil em 2016 por causa dos efeitos colaterais do modelo de presidencialismo de coalizão, apontando que a democracia brasileira precisava de "reformas políticas profundas para se consolidar".
  15. "Apóstolo" Valdemiro Santiago é esfaqueado durante culto em São Paulo O "apóstolo" Valdemiro Santiago, pastor da Igreja Mundial do Poder de Deus, foi esfaqueado no pescoço durante um culto na manhã deste domingo (8), em um templo no bairro do Brás, região central de São Paulo. O rapaz que cometeu o atentado foi levado para o 8º Distrito Policial, no mesmo bairro, e Santiago encaminhado para um hospital na região, onde levou 25 pontos e não corre risco de morte. Segundo informações da igreja, o ataque foi cometido logo no início do culto das 8 horas. Mesmo ferido, o "apóstolo" queria continuar a pregação, mas foi encaminhado para o hospital. Não ficou claro se o agressor, que foi preso com um facão, era um fiel que frequentava o templo habitualmente. A única informação dada é que ele estava desempregado e, há algumas semanas, teria tido uma discussão com o pastor. Após receber os primeiros cuidados, Santiago postou um vídeo na página da igreja no Facebook em que, com a voz ainda rouca, explicou o que aconteceu, pediu orações para si e perdoou o rapaz que cometeu o atentado. “Eu estava impondo as mãos, acabando de ouvir um milagre, um testemunho, e entrou alguém por trás. Não sei, não vi quem era, e deu uma facada no pescoço, ou com uma navalha, não sei. Mas eu não fui. A gente só vai quando Deus quer. Voltei pra vocês, em nome de Jesus”, disse ele no vídeo, em que estava acompanhado de sua mulher, a bispa Franciele Santiago. Santiago disse ainda que perdoa quem quer que o tenha atacado. “Eu perdoo a pessoa que fez isso. Em nome de Jesus. E a pessoa que mandou também”, completou. Santiago é egresso da Igreja Universal do Reino de Deus, onde era bispo. Em 1997, ele rompeu com o pastor Edir Macedo e abriu a Igreja Mundial do Poder de Deus, que hoje conta com uma rede de cerca de 4 mil templos no Brasil e no exterior. No 8º DP, um plantonista confirmou que o rapaz está passando por triagem e será interrogado.
  16. Doria se veste de gari para lançar programa de limpeza, mas não varre a rua Tucano posou para fotos, mas não limpou local escolhido porque já tinha sido limpo SÃO PAULO - O novo prefeito de São Paulo, João Doria, vestiu um uniforme de gari na manhã desta segunda-feira e escolheu o centro da cidade para lançar um programa de limpeza e zeladoria urbana, o Cidade Linda. Antes das 6 horas, secretários, dirigente de empresas de lixo e varredores esperavam Doria na praça 14 Bis, próxima à avenida Paulista. Contrariando o que havia sido anunciado pela equipe do prefeito de que ele se juntaria ao grupo de garis e varreria calçadas na região, o tucano pegou na vassoura apenas para posar para os fotógrafos e cinegrafistas. A maior parte da primeira agenda pública do novo prefeito foi concedendo entrevistas. A praça e arredores da ação midiática recebeu uma limpeza antes da chegada de Doria. Moradores e funcionários do comércio local relataram que ainda na madrugada caminhões lavaram ruas e calçadas. O lixo foi coletado e lixeiras novas instaladas. Caminhões de coleta de lixo ficaram enfileirados na rua. - Eu estranhei que passaram jogando água na rua três vezes durante a noite. Então foi porque ele vinha aqui - disse o balconista de uma farmácia 24 horas que não quis se identificar.
  17. 'Streets of Rage', 'Altered Beast', 'Shinobi' são alguns dos jogos Apostando na nostalgia dos gamers que viveram a era mais lúdica dos videogames, a SEGA confirmou a produção de adaptações para os cinemas e TV dos jogos clássicos Streets of Rage , Altered Beast e Shinobi . Ainda não foi especificado para qual meio — cinema ou TV — cada uma das propriedades mencionadas será adaptada. A confirmação da empreitada da SEGA nos cinemas se deu dois anos depois da produtora de games anunciar a intenção de ganhar outras plataformas. Para adaptar os games para os cinemas, as empresas Stories International, produtora que é subsidiária da SEGA e da Hakuhodo DY Group, e o estúdio Circle of Confusion, responsável por episódios de Fear the Walking Dead, The Walking Dead, Powers e Outcast . De acordo com informações do site Variety , as companhias estão no processo de buscar parcerias com estúdios maiores para entrar em contato com produtores e cineastas que possam co-desenvolver os games em filmes e séries com diálogos em inglês voltadas para um público global. Outros games da SEGA que podem ganhar versões em breve são Golden Axe, Virtua Fighter, The House of the Dead e Crazy Taxi . O personagem Sonic, que está para a SEGA assim como o Mario está para a Nintendo, vai ganhar um filme híbrido de CGI e live-action com estreia prevista para 2018. Tim Miller, diretor de Deadpool, vai produzir o filme do Sonic.
  18. http://www.e-farsas.com/uma-garota-morreu-ao-ter-orgasmo-de-12-minutos-com-uma-amiga.html
  19. Por que morreu tanta gente famosa em 2016? Simples: porque existem mais famosos por aí #acaba2016: o ano que levou tanta gente está prestes a terminar, mas terá sido ele tão nefasto assim? Um ano em que morreram uma tricampeã olímpica, o criador de um dos mais conhecidos personagens dos quadrinhos, o maior cineasta da história do Japão, o cantor de uma das mais queridas duplas sertanejas do Brasil, o arquiteto da capital nacional, o maior cantor de soul music brasileiro, um escritor vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, um dos ditadores mais sanguinários do século XX e o maior cantor de todos os tempos só pode ter sido um dos mais mortais de sempre, não? Acontece que o ano em questão é 1998, em que nos deixaram Florence Griffith-Joyner, Bob Kane (criador do Batman), Akira Kurosawa, Leandro (da dupla Leandro e Leonardo), Lúcio Costa, Tim Maia, Octávio Paz, Pol Pot e Frank Sinatra. Em 1998 também morreram nomes como o ator Brandão Filho, o escritor Carlos Castañeda, a cantora Linda McCartney, os crooners Nelson Gonçalves e Silvio Caldas e até nomes importantes localmente como o artista visual Poty Lazzarotto e o ex-prefeito de Curitiba Maurício Fruet. Quando olhamos em perspectiva, todo ano apresenta uma lista grande de personalidades e celebridades falecidas. Em 2015, por exemplo, nos deixaram nomes como os cineastas Wes Craven e Manoel de Oliveira, o escritor Günter Grass, os músicos B.B. King e Lemmy Kilmister e atrizes e atores como Betty Lago, Marília Pêra, Yoná Magalhães, Leonard Nimoy e Omar Shariff. Por que, então, 2016 parece ser um ano em que mais gente conhecida morreu? Geração pós-guerra Uma das respostas é: morrem mais celebridades hoje porque hoje existem mais celebridades. Muita gente que se tornou famosa na década de 1960, membros da geração baby-boomer do pós-guerra, chegou agora na faixa dos 65/70 anos, em que as taxas de mortalidade aumentam significativamente, especialmente entre homens. A lista de óbitos de 2016 parece especialmente nefasta: Muhammad Ali, Alan Rickman (ator), David Bowie, Fidel Castro, Cauby Peixoto, Umberto Eco, Elke Maravilha, Ferreira Gullar, Dario Fo (escritor vencedor do Nobel de Literatura), Hector Babenco, Ivo Pitanguy (cirurgião plástico), Abbas Kiarostami (cineasta), Leonard Cohen, Prince, Ettore Scola (cineasta), Bud Spencer (ator), Gene Wilder e, mais recentemente, George Michael e Carrie Fisher. E esses são apenas os nomes mais conhecidos (veja na galeria uma lista de celebridades que nos deixaram em 2016). Em um artigo publicado no site iNews, o editor Oliver Duff também aponta para o seguinte fenômeno: além de existir um número maior de celebridades em atividade hoje do que jamais existiu antes na história, as redes sociais amplificam o falecimento de figuras públicas: “Muitos de nós estamos mais expostos à mídia do que estaríamos havia uma década, assim como a um apetite maior para o consumo de informações sobre grandes vidas e à lembrança das maneiras que essas pessoas marcaram nossas existências”, escreve. Mais mortes? A fim de tirar a prova do quanto 2016 foi um ano mais funesto que outros, a BBC realizou um levantamento sobre o número de mortes de celebridades comparando a relação de falecimentos de 2016 com anos anteriores. O resultado: morreu mais gente conhecida em 2016, sim, mas especificamente nos primeiros três meses do ano. Segundo os cálculos da BBC, que envolvem a publicação de obituários previamente preparados à morte da personalidade (uma versão mais refinada do que a internet brasileira faz com seu Bolão Pé na Cova), 24 obituários de celebridades foram usados de 1º de janeiro a 31 de março de 2016 pela rede britânica, enquanto foram 12 em 2015 e 11 em 2014. A BBC não detalha – até em respeito a quem porventura já tenha a notícia de sua morte pronta –, mas é de se imaginar que a categoria “obituários preparados” envolva gente que, de alguma maneira, possa estar mais ou menos próxima à morte. E sempre há um número de falecimentos que pegam a todos desprevenidos, de gente jovem, decorrente de acidentes etc. Além disso, há a questão do que significa ser exatamente uma celebridade digna de notícia e da redação de um obituário. De qualquer modo, pelos parâmetros da BBC, o segundo semestre de 2016 não nos tirou mais gente admirável do que tiraram os anos anteriores. Nos seis últimos meses deste ano, a rede britânica usou 18 obituários pré-preparados contra 20 em 2015 e 18 em 2014. Nick Serpell, editor de obituários da BBC, acredita que a “alta” de mortes de personalidades não seja algo particularmente surpreendente, porque estamos “a meio século do florescimento tanto da TV quanto da cultura pop nos anos 1960, que expandiram expressivamente o grupo de figuras públicas”.
  20. Lista de R$ 1,75 mi de comida para avião de Temer tem até sorvete Häagen-Dazs Licitação aberta pela Presidência da República prevê compra de sorvetes, potes de Nutella, chocolates, mussarela de búfala, filé mignon, Gatorade, entre outros alimentos O Palácio do Planalto abriu uma licitação em 19 de dezembro para comprar alimentos e serviços de catering para o avião presidencial de Michel Temer (PMDB). O valor previsto é de R$ 1,75 milhão para o período de um ano. Na lista de alimentos, com 170 itens, tem um pouco de tudo. Sucos, iogurtes, sanduíches, queijos, lanches, etc. Há também uma variedade grande de sorvetes, desde Cornetos, Tablitos, Eskibons, até potes da americana Häagen-Dazs. Sem contar picolés sem lactose. Os doces, aliás, têm espaço significativo na lista, com direito a 120 potes de Nutella, rapadura, geleias, quatro tipos de açúcar, melado, gelatina, chocolate Sonho de Valsa, etc. Sem contar as 1,5 mil tortas de chocolate, a um valor estimado total de R$ 96 mil. Previsão de gasto com sorvetes Häagen-Dazs é de R$ 96 mil. Entre os salgados, há pedidos de quibes, esfirras e escondidinho de carne seca e de frango. As bebidas englobam refrigerantes, água, leite e até Gatorade. Na lista constam pacotes fechados para café da manhã, almoço e jantar. No cardápio tem salada de mussarela de búfala, presunto de parma, bacalhau, salmão e medalhão de filé mignon. Para a sobremesa, pavê de chocolate, pudim de leite e carolinas com calda de chocolate. Além da exigências dos produtos, o documento da licitação atenta para que a empresa possa fornecer todo o material “especificamente no Aeroporto de Brasília, aos mais altos padrões de higiene e segurança alimentar”. Valor total: R$ 1.748.653,20
  21. 'The Last Guardian' é adiado mais uma vez e agora chega em dezembro Presidente global de PlayStation anunciou novo atraso do título para PS4. Game do criador de 'Shadow of Colossus' foi anunciado para PS3 em 2009. O game de aventura "The Last Guardian" teve seu lançamento adiado, por uma última vez quem sabe, e agora irá chegar ao PlayStation 4 no dia 6 de dezembro deste ano. Até esta segunda-feira (12), o jogo tinha lançamento confirmado para 25 de outubro. O novo atraso foi anunciado por Shuhei Yoshida, presidente global da divisão PlayStation. "Queremos entregar a experiência mais polida possível para os fãs que nos apoiaram por tanto tempo. Um atraso é uma decisão difícil, particularmente com este jogo, mas encontramos mais 'bugs' do que o antecipado durante as fases finais de desenvolvimento". "The Last Guardian" é o trabalho mais recente do game designer Fumito Ueda, criador de "Ico" e "Shadow of Colossus", dois dos mais elogiados títulos de PlayStation 2. Anunciado em 2009 ainda para o PS3, "The Last Guardian" caiu no limbo por muitos anos e só ressurgiu de vez na feira E3 2015, com uma data de lançamento prevista para 2016 e no PS4. No game, você controla um garoto que é ajudado por uma criatura alada gigante para resolver quebra-cabeças. A aventura explora a amizade e a relação de confiança entre os dois personagens. http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2016/09/last-guardian-e-adiado-mais-uma-vez-e-agora-chega-em-dezembro.html