Jump to content

j_laverc

Membro Ativo
  • Content count

    3,583
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    24

Everything posted by j_laverc

  1. Material de extremo interesse para retrogamers em geral. Valeu por compartilhar!
  2. Cyberpunk 2077 - novo jogo da CDPR

    Visualmente tá matador. Espero que esse jogo seja um imenso sucesso, até para ajudar o povo a começar a assimilar e consumir mais coisas de estética cyberpunk.
  3. | | Ao ponto de criar no Mega a proeza inédita de um jogo com características e limitações próprias do Master, e enganar com isso alguém do ramo? Se fosse um jogo de 16 bits mal feito ainda vá lá, mas é menos do que isso. | | Eu li tudo. Como sabemos, produtor de jogos não é, a principio, quem cuida do marketing. Se foi mesmo alguém do marketing que testou o jogo, então a Tec Toy por alguma razão usou o termo errado. E repetindo um detalhe crucial que o outro colega sugeriu na pagina anterior: Street Fighter de Master saiu em 1997. Não faria qualquer sentido a Tec Toy apresentar ele como jogo de Mega por que ela não foi incumbida disso, o jogo pro Mega já existia. Mesmo que não fosse um produtor de fato quem testou (se testou), como alguém da Capcom não se ligaria nisso? Mas por mais estranho que pareça, vai que é verdade... Só continuo achando difícil de acreditar.
  4. ^ Pois é, e eu já tinha visto essa historia circulando no facebook, também. Muita gente é chegada numa "fábula"... Gostaria de ver a versão do tal produtor da Capcom dessa história, dai sim.
  5. | | Mas foi isso que eles fizeram. Complicado de engolir é que um produtor da Capcom teria acreditado ser um jogo de Mega, mesmo que tecnicamente ele não apresente praticamente nada de equivalente a um jogo de Mega (gráficos e áudio, só pra começar). Sem falar que ninguém conhece Street Fighter melhor do que alguém que ajudou a cria-lo. Seria como botar um produtor da Sunsoft pra jogar Batman - Return of the Joker do Nes, e conseguir enganar ele dizendo que é um jogo de Super Nes.
  6. | | Um produtor da Capcom não saber distinguir um jogo de 8 pra um de 16 bits na sua frente? Essa história é meio absurda... ______________________________________ Sobre esse controle de 6 botões do Master, há fotos por aí? Não encontrei, nem sabia que isso existia. Quanto ao controle original do Master, acho que o maior problema é que os botões são muito altos, isso compromete na agilidade. Poderia ser melhor, mas é um controlezinho interessante.
  7. Acho que poderiam ter lançado, dava pra fazer muito melhor que esse protótipo da foto. Entre 88-89 a Capcom já tinha em sua equipe os programadores e designers que criariam seus primeiros clássicos, então era mais uma questão de interesse. Prova disso é o Mighty FInal Fight, um dos maiores beatemups já feitos pra console de 8 bits. Era só reinventar Street Fighter pro Nes da mesma forma que fizeram com o Final Fight, que possivelmente teríamos outro belo jogo. Sobre os Street Fighters piratas de Nes Cheguei a jogar todos, e acho esse da Yoko o pior, e o "SF III" o melhor disparado, quase no nível de um jogo oficial. Aquele outro que tem uns lutadores chamados Rober, Pasta, etc... É ruim, mais um pouco mais jogável que o da Yoko. No fim, acho que o melhor jogo de luta 1x1 pra Nes é o Joy Mech Fight, da Nintendo. Além de ser um jogo diferenciado, tem uma jogabilidade ótima.
  8. Simplesmente inacreditável... O que foi isso? Por onde começar?? Olha, se fosse retrospectiva de um jogo menor e / ou feito por um canal menor, já seria ruim. Mas canal de cultura pop que não consegue nem falar sobre Street Fighter não tem por que existir. E olhando pra trás, nem é preciso voltar muito no tempo pra entender a origem dessa incompetência toda, precedida por anos e anos de revistas "engraçadonas" com críticos que não aprenderam que jornalismo não é papo-de-boteco -E que pelo visto continuam por aí, juntamente de suas crias, entupindo os meios de comunicação com matérias vergonhosas, como essa. Ign Brasil é uma vergonha para o meio jornalístico, e um desrespeito a história dos video games.
  9. Eu só fui saber que esse port existia bem depois do lançamento, já na época da internet. Claro que não dá pra comparar ele com as demais versões, mas é um jogo que reforça que consoles de 16 bits podiam ter jogos de luta muito bons, bastava competência e vontade por parte das desenvolvedoras. É por isso que os ports dos jogos da Capcom pra Snes e Mega eram bem melhores que os da Snk, por exemplo. Quanto ao Alpha 2 em particular, pra mim o corte mais sentido foi na parte sonora, é um dos jogos com pior som que já vi na biblioteca do Snes, mas entendo que isso provavelmente se deve ao fato de que o jogo era pesado, e seus demais aspectos já exigiam bastante do hardware. De resto, levando em conta a plataforma em questão, acho que ele roda bem, e vale no mínimo como curiosidade.
  10. Infelizmente, capas de Master System são muito lembradas por sua falta de qualidade. O fundo branco com listras pretas era legal, mas as ilustrações em si eram frequentemente bobas e sem graça.
  11. Eu não li o livro, mas já havia lido sobre ele. As artes de capas do Atari sempre foram das minhas favoritas, elas acrescentavam todo um colorido, ampliavam a dimensão do nosso imaginário sobre os jogos. Como os jogos eram tão básicos, restava as capas apresentarem a "essência", retratar os momentos do jogo como cenas de cinema. Era maravilhoso, foi talvez a época onde as capas foram mais importantes, e despertavam mais curiosidade. Uma das que acho mais bonitas e emblemáticas é a do Defender (feita por Steve Hendricks):
  12. Rap do Sonic

    hahahaha... Achei do caralho, isso ai. A performance é meio tosca, mas a ideia é engraçada. Só faltou mesmo uns versos tirando onda com o Mario.
  13. ^ Certo. Quanto a esse Ivy the Kiwi, me parece obviamente um jogo para crianças, mais apropriado a ser jogado num celular do que num console. Não por acaso, o gameplay me lembrou os estágios bonus do primeiro Sonic.
  14. Essa foi a melhor releitura que eu já ouvi para a música do Guile: Uma interessante versão jazz para o tema da primeira fase do Contra: E uma versão completamente acústica de Mute City, do F-Zero:
  15. | | Aí também não, né camarada? rs...Acho que ele poderia criar coisas originais pra Nintendo, da mesma forma que fazia na Sega. Mas será que a Nintendo cogitou trabalhar com ele, na época? Talvez nunca saberemos.
  16. | | Poxa, meio triste, mesmo. Esse cara poderia agregar muito a Nintendo, com suas ideias. Mas acho que ele devia ter tentado mais, ter batido na porta da empresa. O bom é que ele continua na ativa, e numa companhia clássica, de qualquer forma.
  17. Garota Gamer!

    Aprecio a presença das mulheres no meio, e acho suas reclamações legítimas (muitos homens tem preconceito, o que é compreensível, costumam achar que mulher não pode jogar bem, etc...). Ninguém me fala isso, é o que eu vejo desde sempre. Como não sou mulher, não sei exatamente como resolver isso, por que não sofro as mesmas coisas, só procuro ser respeitoso com os demais gamers, independente de gênero, cor, etc... E clube do bolinha, to fora. Por outro lado, mesmo entendendo o preconceito dos homens com as mulheres nesse caso, acho que o vídeo poderia ter um enfoque mais amplo sobre a presença delas no cenário, sem ignorar os problemas, claro. Se elas já são mais da metade, isso significa muito, e levanta questionamentos sobre o presente e futuro da industria, que provavelmente sofrerá cada vez mais dessa influência. O preconceito, a caretice e o machismo vão continuar? Claro, e acredito que por muito tempo. Mas as mulheres que forem inteligentes saberão rebater isso, e quem sabe até usar a seu favor, já que machinho estereotipado é uma piada por si só.
  18. | | Nada do que falei é referente a gameplay, e sim as vezes em que eles alteraram a estética do jogo (isso tá claro no meu post, estou apenas reforçando).
  19. Qual seu último jogo retro zerado?

    | | O Ninja Warriors eu considero um jogo quase perfeito, a jogabilidade dele tá no padrão dos jogos da Capcom, pra mim. Eu sempre achei que faltou co-op, mas num jogo onde só se desloca pra esquerda / direita e há personagens grandes, não sei se isso iria funcionar...
  20. Que alívio... Por um tempo achei que esse fosse AQUELE Bloodstained que foi originalmente anunciado, e que já faz uns anos que estamos aguardando...
  21. Qual seu último jogo retro zerado?

    Samurai Shodown (arcade) Terminado no nível 1, com Charlotte. Com jogo da Snk eu costumo ter problemas pelo desafio hardcore, e com esse não foi diferente. Jogando no nível mais fácil, pode levar um tempinho (normal em jogos dessa produtora), mas se chega sem maiores dramas ao chefe final... E daí o bixo pega. Derrotar só o Amakusa é bem mais difícil que vencer todo o resto do jogo. Quanto ao jogo em si, sempre achei Samurai Shodown soberbo. Até hoje, acho que os jogos dessa série são os que tem a melhor estilização de um cenário japonês "tradicional", em se tratando de jogos de luta. Sem falar do design de personagem, provavelmente um dos melhores já criados pela Snk, além do conjunto igualmente excepcional de cenários e trilha sonora que acompanha cada lutador. Tirando o 3 e o 5, que são os jogos da série que gosto menos, acho que todos os demais são praticamente obras primas -e só digo "praticamente", por que acho que o único defeito desses jogos é não oferecerem opções mais flexíveis de dificuldade. Mas enfim, nada que chegue a arranhar o brilho da obra. Double Dragon III - The Sacred Stones (Nes) (Queria ter tirado uma foto do momento em que a Cleópatra morreu, mas não deu tempo, o jogo pulou rápido pro final) Esse foi pedrada, já faz tempo que tentava terminar esse jogo, mas andava chegando na última fase com relativa facilidade, então foi só questão de saber qual lutador usar em qual parte, e descobrir as fraquezas das múmias e da Cleópatra. Em termos de jogabilidade, é o jogo mais difícil de dominar da trilogia para Nes, mas ainda acho mais difícil terminar o primeiro Double Dragon do console, devido aos desafios da última fases, e os últimos lutadores a serem vencidos. Voltando ao DD III, depois de dominar seus segredos de gameplay, passei a gostar pra valer de sua jogabilidade, mesmo tendo terminado, voltarei a joga-lo, mesmo que seja pra matar saudade.
  22. Tv Sony Wega: opinem!

    Bom, agora que estou de volta a minhas raizes, me dedicando mais a Mega Drive e Snes, estou procurando por uma tv tubo/plana que seja uma boa opção para tal fim. Vi comentários positivos sobre a Sony Wega de 29`, e encontrei gente em minha cidade querendo vender essa TV. Alguém aqui teve experiencia com a mesma e considera a melhor opção? Ou tem algum outro modelo por aí que valha mais a pena? Vi também uma Sony Trinitron 29`, mas não faço ideia de qual das duas é melhor.
  23. Arcade: THE KUNG FU VS KARATE CHAMP

    Do que vi até agora achei muito bom, poucas vezes vi um jogo que capturasse tão bem o ritmo e estilo das artes marciais (principalmente no que se refere a Kung Fu). PENA que meu pc não vai ter placa pra rodar esse gigante...
  24. Qual seu último jogo retro zerado?

    Já no Sor 2 tem aquele chefe da fase do "túnel alien", que acho bem chato de matar. É pouco golpe que funciona nele, ele é rápido, não para de pular e seus ataques são longos. Pra mim é o chefe mais chatinho de todo o jogo. O Sor 3 eu joguei menos, mas já senti que é um jogo mais difícil, no geral. Mas não saberia dizer quem é o pior chefe dele.
  25. Qual seu último jogo retro zerado?

    | | A última vez que tentei terminar o primeiro jogo, coloquei no nível mais difícil, cheguei até a última fase sem grandes dificuldades, mas comecei a esnobar o jogo e tomei no cu. Morri faltando meia barra de energia pra matar o último chefe, pura bobeira. Pra mim, o único "buraco" nesse jogo são aquelas clones da Blaze. Acho que o jogo fica meio arbitrário quando chega a hora de enfrentar elas, parece que as regras mudam, até hoje acho meio difícil entender a hora de atacar ou desviar delas.
×