Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'retrô'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Seganet - Videogames
    • SegaNet - Game News
    • Seganet - Retro Games
  • Seganet - Assuntos Gerais
    • SegaNet - Off-Topic
    • Seganet - Promoções
    • SegaNet - Classificados

Calendars

There are no results to display.


Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Registro Inicial

Found 16 results

  1. Faz tempo que parei de acompanhar o Velberan, pois os seus vídeo não são mas bem produzidos como eram antigamente, ...mas de vez em quando dou uma sapeada no canal dele, pra ver se tem algo que presta...e ultimamente, ele tem soltado uns videos até que interessantes, bem no estilo dos primeiros vídeos do canal...como essa compilação aqui, de alguns mods e remakes que vire e mexe vemos por ai na web...Confesso que tinha alguns no vídeo, que ainda não havia visto!! Falow!!!
  2. Este hacker fez um robô que joga videogame melhor do que você Centenas de pessoas se reuniram no salão de festas do hotel DoubleTree by Hilton, em Minneapolis, no estado norte-americano de Minnesota, no início da madrugada do último dia 30 de junho para assistir a alguém jogando o clássico "Super Metroid", para Super Nintendo. Mas este "alguém" não era humano. Era TASbot, um robô criado pelo engenheiro de redes norte-americano Allan Cecil. O dispositivo foi criado para jogar videogames melhor do que qualquer ser humano em maratonas de jogos conhecidas como "speedruns". Sua mais recente apresentação, em Minnesota, foi no chamado Summer Games Done Quick (SGDQ) de 2018. Games Done Quick é um evento realizado duas vezes ao ano. A cada edição, fãs de videogames se reúnem para finalizar títulos como "Super Metroid" e "Super Mario 64" no menor tempo possível, realizando movimentos de coordenação impecável e precisão cirúrgica, enquanto arrecadam doações para a caridade. Allan Cecil é um dos participantes mais antigos do Games Done Quick, mas ele nunca coloca as mãos num controle. Sua especialidade é coordenar os movimentos de TASbot - este, sim, capaz de finalizar "Super Metroid" em apenas 7 minutos e 41 segundos, como no último SGDQ, para o delírio da plateia. Quem é TASbot? A aparência do simpático robô montado por Allan pode ser familiar para alguns fãs de longa data da Nintendo. Trata-se, basicamente, de um R.O.B. (Robotic Operating Buddy) modificado, um robô que servia como acessório para o NES, lançado em 1985, e que atuava como um segundo jogador em games compatíveis (no caso, apenas dois). Allan pegou um modelo antigo de um R.O.B. e o adaptou com peças de Lego e uma placa de circuito. Esta placa é capaz de rodar um programa que imita o funcionamento de um controle de NES ou SNES e emite comandos para o console com uma precisão e velocidade muito além dos limites dos dedos humanos. O nome "TASbot" vem de "tool-assisted speedrun", ou "maratona assistida por ferramenta". Trata-se de uma subcategoria de speedruns em que jogadores usam softwares ou hardwares para finalizar um jogo de forma incrivelmente rápida, geralmente explorando glitches e atalhos no código do game que exigem extrema velocidade e coordenação. As performances de TAS começaram a pipocar na internet em 2003, quando um vídeo viralizou na web (muito antes da criação do YouTube ou das redes sociais modernas) com o título "Time Attack". Ele mostrava alguém chegando ao final de "Super Mario Bros. 3" de forma extremamente rápida, com muito mais destreza do que os speedruns conhecidos na época. E acabou levantando suspeitas. Muita gente acreditava que aquela demonstração não poderia ser humanamente possível. E, de fato, não era. O jogo havia sido reproduzido num emulador de PC e em câmera lenta. A façanha inspirou outros fãs de speedruns a fazer suas próprias maratonas usando emuladores. Nascia aí o que chamamos hoje de TAS. Durante anos, porém, a realização destas maratonas auxiliadas por ferramentas dependia unicamente de emuladores e programas de edição de vídeo. As performances eram compartilhadas em arquivos WMV em fóruns na internet e por e-mail, de pessoa para pessoa. Até que, um dia, alguém se perguntou: e se fosse possível realizar um TAS fisicamente, num console original, em vez de num emulador? Para isso, era necessário criar um hardware capaz de hackear o videogame e explorar novas formas de execução de comandos. Foi aí que nasceu o ancestral do TASbot, um equipamento chamado de NESbot. Era um simples conjunto de fios e circuitos que se conectava ao NES para reproduzir uma sequência de botões, criado em 2010 por um usuário que se identificava na comunidade de fãs de TAS como "micro500". O NESbot (foto) é, basicamente, o que Allan chama de "dispositivo de replay". Grosso modo, funciona assim: num emulador no PC, em câmera lenta, o jogador grava um roteiro com a sequência de botões necessária para finalizar o game no menor tempo possível. O dispositivo de replay pega esse roteiro feito no PC e executa os comandos diretamente no console da Nintendo. O processo é chamado de "verificação de console". O TASbot, por sua vez, é uma evolução do NESbot, usando um Raspberry Pi em vez de uma placa Arduino. Além disso, ele é capaz de se comunicar também com o Super Nintendo, além do NES, e pode ser adaptado para jogar games no PC. E ainda vem com o simpático visual do R.O.B. só de capricho. Ao contrário do que parece, porém, o TASbot não faz tudo sozinho. Afinal, parte da graça de maratonas de jogos é ver um ser humano de verdade suando para terminar o game no menor tempo possível. Por isso, em cada performance do TASbot em edições do GDQ, a programação do robô é feita e executada ali mesmo, ao vivo, na frente de uma plateia e em tempo real. "Não há qualquer inteligência artificial acontecendo aqui", diz Allan, diretamente de Petaluma, na Califórnia, em entrevista ao Olhar Digital. "É só um ser humano, tediosa e manualmente, tentando descobrir a sequência exata [de botões] que precisam ser pressionados antecipadamente. É tudo ao vivo, num console real, sem trapaças", garante ele. O TASbot é convidado sempre presente no Games Done Quick desde 2014, quando as maratonas apoiadas por software ou hardware viraram uma categoria fixa no evento. Allan faz questão de dizer que o robô é fruto de um trabalho colaborativo, e por isso as instruções e os códigos usados na criação dele estão disponíveis livremente no GitHub para quem quiser fazer um em casa. Quem é Allan? Allan Cecil tem 38 anos, é pai de crianças de 12 e 9 anos, é engenheiro de redes numa empresa chamada Ciena e defensor ferrenho do uso de software livre enquanto orgulhoso presidente do Grupo de Usuários do Linux da Baía do Norte, na cidade de Petaluma, Califórnia. Além disso, ele tem um canal no Twitch (dwangoAC) em que faz transmissões ao vivo quatro vezes por semana exibindo performances do TASbot. O canal é monetizado, mas o que ele recebe de receita com os vídeos é doado para a organização Médicos Sem Fronteiras em edições do Games Done Quick. Ele não tem planos de fazer disso seu ganha-pão. Allan conta que, na adolescência, teve que interromper os estudos por problemas financeiros na família. Conseguiu seu diploma do ensino médio por meio de um programa equivalente ao nosso "supletivo" anos mais tarde. Ele nunca se formou em engenharia ou eletrônica, disciplinas essenciais para a criação do TASbot, embora tenha feito alguns cursos em universidades dos EUA. A paixão pela tecnologia ele resume dizendo: "eu sou um defensor do aprendizado na prática. Encontre algo que te deixa apaixonado e aprenda fazendo". O TASbot, para Allan, é como um monumento que ele quer deixar para a posteridade. Ele fala com orgulho sobre ser uma testemunha do nascimento da era dos videogames - momento que, para ele, mudará para sempre a história da humanidade. Por isso, Allan se dedica a explorar esta tecnologia e, mais importante, preservar produtos e equipamentos que, segundo ele, são artefatos culturais. Allan guarda com carinho o Super Nintendo que jogava na infância. Ele conta que, recentemente, teve que substituir o processador de som da máquina para poder continuar usando o console em testes do TASbot e outros experimentos. O componente original deixou de funcionar com a ação natural do tempo. "Se nós já temos problemas com uma tecnologia de 25 anos atrás", reflete Allan, "o que restará disso tudo em 1.000 anos? [...] Este retrato do tempo é algo que jamais poderá ser substituído. Quando fizeram os aquedutos da Roma antiga, ninguém pensava que estariam usando aquilo 1.000 anos depois. Mas estão! Então, pense em como será olhar para trás, para este momento, 1.000 anos no futuro. Que artefatos você gostaria de ter preservados?". É pensando nisso que Allan, pai de dois filhos, engenheiro, hacker e defensor do software livre, se declara também um "retropreservacionista". O que, segundo ele, também explica sua dedicação ao TASbot. "Eu sinto que, se eu não tirar um tempo para mostrar o que esta tecnologia é capaz de fazer, colocar isto num vídeo que pode ser digitalizado, arquivado e encontrado por historiadores no futuro, nós vamos perder tudo isto. E eu quero preservar este momento para as futuras gerações." Você pode conferir mais performances do TASbot no canal do Games Done Quick no YouTube. Fonte: https://olhardigital.com.br/games-e-consoles/noticia/este-hacker-fez-um-robo-que-joga-videogame-melhor-do-que-voce/77541 Falow!!!
  3. Galera é o seguinte: Faz dois anos que vendi meu SNES pois estava precisando de uma grana. O problema que todos os cartuchos ficaram em casa e o Mario World foi. Diz aí se esse console no ALI EXPRESS é bom: Assisti uns vídeos dele e os jogos com chips especiais como FX, C4 e o Street Fighter alpha 2 que tenho funcionou de boa. Será que ele tem uma boa compatibilidade mesmo?
  4. Unity 3D é para os fracos...desenvolvedor de verdade mesmo desenvolve ao melhor estilo Macgyver Quem quizer as outras doideras desse cara, só ver no canal dele https://www.youtube.com/channel/UC9v-Qjh8z-ey6exeadZhcHg Falow!!!
  5. Comecei um projeto de podcast retrogamer com o pessoal do grupo seganet retrô do telegram. Gravamos um episódio piloto em caráter experimental ontem. A ideia é manter este formato de 3 blocos, com mínimo de 3 e máximo de 5 participantes, con pauta pré definida. Ouçam e digam o que acharam. Estamos amadurecendo a ideia pra gravar novos eps quinzenalmente. Aceitamos sugestões. Participantes do ep piloto: Eu, Pyron e Luo.
  6. Fala galera!! Pesquisei aqui no fórum, e não encontrei nenhum tópico a respeito desse frontend espetacular para arcades e consoles retros...na minha opinião é o melhor frontend que ja vi pra PC lançado em 2016 Está disponível no Steam, e da pra baixar um demo http://store.steampowered.com/app/465780/New_Retro_Arcade_Neon/ Falow!!!
  7. Nintendo interrompe a fabricação do NES Classic Edition Relançamento do console tem desempenho maior do que o planejado A Nintendo vai interromper a fabricação do Nintendo Entertainment System: NES Classic Edition, relançamento do console de 1985. As últimas entregas do hardware para serão realizadas ao longo de abril. Um representante da Nintendo fez a seguinte declaração para o IGN: “Durante todo o mês de abril, territórios da América do Norte vão receber as últimas entregas no Nintendo Entertainment System: NES Classic Edition de 2017. Encorajamos qualquer pessoa interessada em obter o sistema para verificar com lojas de varejo sobre disponibilidade. Entendemos que tem sido difícil para muitos consumidores encontrar uma unidade e pedimos desculpas. Temos prestado muita atenção nos comentários dos consumidores e apreciamos muito o nível incrível de interesse e apoio para este produto." Em adição, um representante disse aoIGN EUA que o "NES Classic Edition não era para ser um produto de fabricação contínua ou de longo prazo. No entanto, devido à alta demanda, adicionamos lotes extras aos planos originais". A Nintendo não tem planos de retomar a produção da edição, enquanto a fabricação de acessórios extras de outras empresas serão decididas pelas próprias fabricantes. O NES Classic Edition chegou em novembro de 2016 e sofreu com vários problemas de distribuição. Em janeiro, a Nintendo anunciou que o relançamento havia vendido 1,5 milhões de unidades.
  8. http://www.xbox.com/pt-br/xbox-one/backward-compatibility Como funciona: -Jogos em formato digital: O jogo aparecerá automaticamente na lista ready to install na aba de jogos. É só baixar e jogar. -Jogos em disco: Ao inserir o disco no drive aparecerá a mensagem de download. É necessário baixar o jogo inteiro no HD e a cada vez que jogar precisa ter o disco no drive para dar o boot. Lista de jogos suportados:
  9. "O Hyperkin X91 combina o visual clássico dos controles dos anos 90 com os recursos de um controle moderno", diz a fabricante na descrição do produto. Ela também destaca que apesar do visual nostálgico, o controlador tem uma pegada confortável e de acordo com os padrões atuais. Apesar do visual nostálgico, ele conta com todos os botões e recursos do controle padrão do console da Microsoft. Está sendo vendido na Amazon norte-americana por apenas US$ 30 nas cores preta, branca e vermelha. A previsão é que as primeiras unidades comecem a chegar às mãos dos compradores em 21 de fevereiro. Não há informações se ele será lançado no Brasil.
  10. Fala pessoal, nao sei se aqui e o lugar certo pra postar isso, mas eu virei colunista do site Sega Nerds, aqui esta meu primeiro artigo falando sobre um futuro alternativo pro Dreamcast, espero que gostem! http://www.seganerds.com/2016/07/04/what-unreleased-accessories-can-tell-us-about-an-alternative-future-for-the-dreamcast/
  11. Alguns já devem ter ouvido falar de sites que adaptam e vendem jogos clássicos de PC, mas esse projeto nacional chamado COG Free tem uma pegada um pouco diferente, pois a distribuição é gratuita e livre de pirataria. Os jogos que são distribuídos são de fato gratuitos e/ou open source. Todos são devidamente adaptados para sistemas mais novos, e alguns completamente refeitos, como no caso do Wolfenstein (que não pode ser distribuído completo em sua versão original por direitos autorais). Grande parte conta com um menu para facilitar o acesso e diversos extras alem do jogo e, novamente, não serão distribuídos absolutamente nenhum conteúdo pirata. A ideia do COG Free é trazer um pouco desse gostinho nostálgico que temos com o passado para as novas gerações, e claro, matar nossa saudade do passado. Bom, eu sei que o fórum tem a proibição contra spam, mas nesse caso eu realmente acredito que o COG Free seja interessante e que tem potêncial, então vou deixar o link do site onde já tem alguns jogos e a pagina no facebook, para quem quiser e puder seguir para demostrar apoio e ajudar com feedback do projeto saiba onde ir. http://www.classicoldgames.com.br/ https://www.facebook.com/ClassicOldGames/
  12. Começou hoje 26/07 a versão de verão deste evento que é um dos mais legais para comunidade retrogames. Ate dia 02/08 o pessoal vai estar zerando os mais conhecidos (ou nao) jogos que tanto adoramos (ou nao) Aqui o link para o schedule do evento. https://gamesdonequick.com/schedule Aqui link para o Stream: http://www.twitch.tv/gamesdonequick Pena que desta vez nao encontrei algum classico de arcade.
  13. Fala pessoal Galera o som dos games principalmente da era 8 e 16 bits, eram característicos justamente por conta daqueles chips de som limitados que tentavam reproduzir efeitos sonoros, e isso acabou sendo uma marca que todos lembram, quem nunca ficou com algumas musicas do Sonic na cabeça ? Bom, ainda nessa época começaram a surgir games em CD e as músicas foram melhorando, mas tem casos onde ainda preferimos a música original e em outros não, por isso queria saber de vocês quais games tem músicas melhores com som digital de CD, comparando com aquelas musicas tradicionais de chip e vice versa. Os meus exemplos são: No caso da música Bloodlines a melhor versão sem dúvida é a do CD, tem mais a ver com a atmosfera do game, na minha opinião Neste outro exemplo a musica da fase Rusty Ruin ficou bem melhor no Mega Drive, por ter aquela pegada de jogo do Sonic mesmo, nada contra a versão do Saturn, que é infinitas vezes melhor em muitos outros aspectos, mas no som o chip do Meguinha saiu na frente
  14. Idealizado por Mike Kennedy, o projeto, que já tem cara e proposta, vai buscar crowdfunding entre julho e agosto para produzir em larga escala o console que terá como grande trunfo, o retorno dos cartuchos como mídia. Kennedy, que também é editor da Retro Magazine, afirma que o seu projeto busca “reestabelecer a cultura dos videogames, algo que foi desmantelado aos poucos durantes as duas últimas gerações”. Também diz que quer “promover a propriedade, tangibilidade e o colecionismo”. E tudo isso sem atualizações de sistema, download digital nem bugs, os muitos bugs que causam dores de cabeça, especialmente nos compradores de pré-venda. Em seu conceito, o controle era como uma mistura de Xbox 360 e Super Nintendo. O Retro VGS faz sentido para Kennedy, uma vez que o interesse pelos jogos retrô está cada vez maior, seja por esta própria coluna, seja pelos jogos retrô que sempre tem espaço nos celulares e consoles atuais (remakes ou inspirações), seja pelos colecionadores ou pelas lojas que ainda vendem jogos de Super Nintendo, Mega Drive e companhia. O console, que lembra muito o Atari Jaguar, também representa um pouco do que seria os consoles caso as fabricantes insistissem no formato de cartuchos, sendo que o último sistema popular neste esquema foi o Nintendo 64 (e o Polystation). Ele contará com suporte para até quatro controles simultâneos, porém dois no “formato Atari” e outros dois USB. A semelhança com o Jaguar tem suas razões: Kennedy encontrou algumas ferramentas de desenvolvimento do “64-bit” da Atari, que adiantou muito o processo. A equipe responsável pelo console tem até revista própria. Os jogos serão cartuchos com memória Flash. Algo semelhante com o que existe hoje nos Everdrive, aqueles cartuchos chineses que rodam jogos de Super Nintendo e outros usando cartões SD. A equipe de desenvolvimento tem a missão de fazer cartuchos duráveis, se inspirando por exemplo, no Atari 2600, que tem jogos funcionando de maneira plena até hoje. Porém ainda não tivemos muitas informações referentes aos títulos. Veja algumas imagens divulgadas pela equipe e veja como está ficando o console, cartuchos e controle: A maior dificuldade é convencer estúdios a desenvolverem jogos para o sistema, porém os indies podem encontrar no sistema um espaço interessante para desenvolvimento, da mesma maneira que encontram no Ouya. Por isso, você que é entusiasta dos jogos antigos, pode começar a torcer pois se tudo der certo, terá um ambiente bacana para relembrar os tempos de ontem num console de hoje. http://www.arkade.com.br/retroarkade-conheca-futuro-retrogamer-retro-vgs-videogame/
  15. Hey galerê, ainda não tenho certeza se meu console é realmente pal-m... Porém se eu for baixar uns jogos ntsc pra rodar no console dreamcast europeu eu irei precisar do cd de boot certo ?! irá funcionar normal com qualquer outro jogo de região diferente passado pelo boot ?! Valeu !
  16. Sabem aquelas músicas de grandes jogos clássicos como Street fighter,megaman castlevania, zelda etc? Já imaginou como aquelas músicas ficariam CANTADAS? Eu sei que as músicas antigas não tinhas vocais, mas daria certo cantar uma música instrumental APENAS COM 1 PESSOA FAZENDO 9 VOZES? Encontrei isso na net, um cara barbudo do Youtube a uns meses atrás decidiu que ia CANTAR suas músicas clássicas favoritas, ele é apenas UM cara mas faz a voz de todos os instrumentos e , na minha opinião, conseguiu fazer um trabalho mto bem feito sim! Deem uma olhada e digam oque acham: Pra começar bem o tópico, NINGUÉM RESISTE a músiquinha do Guile do Street fighter 2 Não era a minha favorita mas ficou assustadoramente bem feita. Megaman x2 Spark Mandrill stage E essa música é uma ópera! Bloody Tears do Castlevania (Devem reconhecer logo de ouvido) Parabéns pro cara, quero nego falar mal e fazer melhor!
×
×
  • Create New...