Jump to content

Qual seu último jogo retro zerado?


Recommended Posts

  • Replies 2.1k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Mal da geração mesmo. Muita opção a mão dá nisso. Se fosse na nossa época, com dois joguinhos em casa, sendo um deles ruim e o outro mais ou menos, sonhando com a chegada do Natal ou niver pra ver se

Teenage Mutant Ninja Turtles IV : Turtles in Time (ainda é um jogão).  

Shinobi 3! Depois de quase vinte anos sem terminá-lo na época, zerar este jogo é uma satisfação! Sem shurikens infinitos, sem invencibilidade e sem save state (afinal, foi no MD play!) Jogaço!

Posted Images

Eu terminei ontem o BEYOND OASIS de MEGA DRIVE.

Tudo começou alguns dias atrás com muita empolgação com um jogo lindo e muito bem feito.

Na metade do processo começaram os xingamentos e os acessos de raiva.

Na última etapa, eu já estava NÃO DESEJANDO Beyond Oasis nem pro meu pior inimigo.

  1. O jogo é bom, mas os controles são duríssimos e muito, mas muito desconfortáveis
  2. Usar o mesmo botão para pular e agachar foi um péssima ideia dos desenvolvedores
  3. Aliás, agachar nesse jogo é um SACO.
  4. A baboseira das armas "gastarem" é um SACO TRIPLO. Sei que tem as armas "infinitas" escondidas, mas mas mas, pra que isso, José. Que bela porcaria.
  5. Aquela MERDINHA de ADAGUINHA padrão, FAQUINHA PALITO de DENTE não precisava ter sido inventada.

A estafa MENTAL e FÍSICA que eu ficava depois de cada sessão de jogatina era terrível. Mais ou menos como SEKIRO. Outro que terminei mas não desejo nem pros meus inimigos.

Edited by Pastor Cospefogo
Link to post
Share on other sites
Em 28/05/2020 at 07:19, Megaman disse:

Buzz Lightyear of Star Command (Dreamcast)

Jogo baseado no desenho seriado spinoff do Buzz que passou no SBT a décadas atrás. Tiro e correria contra o tempo somente.

Esse aproveita umas cenas do desenho, mas às vezes o contexto não bate. Lembro que acabei uma fase (ou era o meu sobrinho que estava jogando), e do nada aparece o Buzz de bermudão e chinela. E eu, wtf?! :blink:

Aqui, a 7:40:

 

Link to post
Share on other sites

Terminei Aladdin (de Mega e SNES) e Lion King, naquele pack que relançaram: Disney Classics: Aladdin and The Lion King.

 

Aladdin de Mega não precisa de comentários. Um dos melhores jogos do console. O de SNES é bom também mas fica bem atrás.

Já Rei Leão eu relembrei porque não gostei desse jogo naquela época, apesar que adorava o filme. O jogo é realmente horrível de chato e irritante. O que salva é a trilha sonora.

 

disney-classic-games-aladdin-and-the-lion-king-2019-08-28-19-005.jpg

disney-classic-games-aladdin-and-the-lion-king-2019-08-28-19-011.jpg

Link to post
Share on other sites

Tem coisas que os caras colocavam nos jogos nessa época pra alongar a vida dele que só servem pra irritar totalmente a gente hoje, Rei Leão é um exemplo perfeito disso.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
22 minutos atrás, setzer disse:

Terminei Aladdin (de Mega e SNES) e Lion King, naquele pack que relançaram: Disney Classics: Aladdin and The Lion King.

 

Aladdin de Mega não precisa de comentários. Um dos melhores jogos do console. O de SNES é bom também mas fica bem atrás.

Já Rei Leão eu relembrei porque não gostei desse jogo naquela época, apesar que adorava o filme. O jogo é realmente horrível de chato e irritante. O que salva é a trilha sonora.

 

disney-classic-games-aladdin-and-the-lion-king-2019-08-28-19-005.jpg

disney-classic-games-aladdin-and-the-lion-king-2019-08-28-19-011.jpg

Sou outro que adorava o jogo aladdin e o filme do rei leão.. Mas o jogo... Passei só da 1a fase.. 

Ruim demais  o jogo do Rei Leão 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Terminei o Crystal Warriors do Game Gear

Deve ser o meu 5 ou 6 RPG que zerei na vida. Sim o estilo não me pega e de luta por turno acredito que o primeiro.

Esse foi com gosto, passei pelas 16 fases com vontade. O que me fez gostar deste game? Sei lá, talvez o lance dos elementos de cada guerreiro, ou o simples de anda, luta, com pouca análise de cada personagem. acabou nada de exploração vai só salvar e/ou fazer upgrade no personagem.

Sua continuação Royal Stone já não vai me pegar pq já tem a exploração e muita fala fala.

Edited by Hill top zone
  • Upvote 1
Link to post
Share on other sites


Pandemia atuando e a jogatina rendendo! :D
Iniciei a apreciação dessa franquia que tava na vontade de começar faz eras.


[PSP] Ys I (Ys I&II Chronicles)
ni4x8Rm.jpg

Comecei do remake para depois conhecer mais a fundo os primórdios.


Joguei pelo PSTV numa tela LED de 42'. Ficou lindo, ainda mais com um gerador de scanlines que infelizmente não sai nos prints. Deixei elas bem suaves pois o jogo não precisa tanto, já tem uma boa resolução e o PSPEMU do PSTV faz um bom trabalho de upscaler.
Puta remake, respeitando a obra original em tudo que é importante e melhorando tudo o mais!


[Master System] Ancient Ys Vanished Omem
.8VEax6q.jpg

Segunda jogatina.
Fiquei surpreso em como é bom o port pro Master System!
Artwork foi mais ocidentalizada, o que combina com a ambientação do jogo.
E as músicas em FM elevaram mais ainda o nível do jogo. PSG não é ruim, mas as músicas ficam enjoativas depois de pouco tempo, pois o jogo requer grinding de tempos em tempos. Meio que padrão dos jogos da época, vamos combinar.

[MSX] Ancient Ys Vanished Omem
sJh5Xqs.jpg
Terceira jogatina.
O scroll capenga do MSX não chega a atrapalhar, pois o jogo é muito bonito e as músicas são obras-primas!
O time de som da Falcom é conhecido por mandar bem desde sempre e pode-se dizer que foi praticamente com eles que o mercado de game soundtracks floresceu.
Imagens diretas de um PVM 14'. Pra MSX, tá ótimo.



                                                                                                                                                                                               つづく

 

  • Like 2
  • Upvote 1
Link to post
Share on other sites

Arc the Lad 3 (PSX)

Gráficos e sons superiores aos antecessores MAS o jogo decaiu muito, resumindo a terminar missões (JOBs) muitas vezes envolvendo puzzles chatos e muito diálogo entre os personagens. As batalhas ficaram menos interessantes...

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Power Rangers the movie Game Gear

Jogasso do portátil! Tanto o modo Story quanto o Versus. E o legal é o modo giant me inpressionou o GG aguentar os personagens com a altura total da tela

Sonic Drift 2

Spinoff divertido. O engraçado é você ver Youtubers reclaamdnoq eu o jgoo é ruim que o personagem sai da pista. KKk creio que nunca jogaram games de corrida dos anos 90

 

Link to post
Share on other sites

Não tinha visto o power rangers do game gear, bem decente. Essa Sims fez uns jogos bons tipo o vampire master of darkness tmb pro gg

O Sonic drift no me gusta nenhum dos 2: tentei jogar na época no hard original com piratinha multijogos mas "não desceu". Mas congrats mesmo assim

Edited by burn
Link to post
Share on other sites
6 horas atrás, burn disse:

Não tinha visto o power rangers do game gear, bem decente. Essa Sims fez uns jogos bons tipo o vampire master of darkness tmb pro gg...

Cara a Sims mandava bem demais! Master of darkness merecia Port até para o mega. Os dois títulos do Power Rangers do GG são bem decentes para preencher a lacuna de jogo de luta para o portátil.

A luta tem boa fluidez  (mais que Master of Combate/Buster Fight)  podendo aplicar sequências e golpes especiais "via Haduken" com o 1, 2 e 1+2.

No PR TM (no PR 1 não sei se tem), além dos golpes especiais tem o "super" que é feito com um Shoryuken quando o raio amarelo fica cheio. 

Ah, o que me impressionou ontem depois de zerar e tinha esquecido da época era o cheat que deixa os personagens gigantes! Nunca vi nenhum jogo de GG com chars desse tamanho mantendo a fluidez.

NYKUUX7.jpg

 

Seria show se a Tectoy tivesse portado os dois títulos para o Master, aproveitando a popularidade que PR tinha na época. Achei até vacilo dela pensando no ponto de mercado .Ia vender que nem água. Tudo que tinha PR na época vendia.

Ah, a TT devia ter feito o Street usando essa engine Rsrs.

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...

Depois de tanto jogar Deus Ex, finalmente encarei a continuação, Deus Ex: Invisible War (com o mod Visible Upgrade pra dar um tapa no visual).

E agora entendo a má fama: como dizem, não é um jogo tão ruim, mas é uma continuação péssima, porque capou tudo que o anterior tinha de especial. Ele foi feito primariamente para Xbox, então tudo é projetado para caber na merreca de 64 mega de memória. Com isso, os ambientes são muito pequenos e fechados. Lembram como o primeiro já começava numa ilha enorme pra explorar? Pois esse começa num prédio com um corredor minúsculo e três quitinetes, você não anda 50 metros antes de pedir outro loading. Toda a interface foi feita para gamepad em vez de teclado e mouse. A trilha sonora não é nada memorável. O roteiro quebra o galho, mas é meio confuso, não tem personagens memoráveis, tem uns ganchos forçados (do nada uma personagem revela que é filha de dois personagens do anterior), e pouco das referências intelectuais do primeiro. Os personagens são mais detalhados, mas acabam parecendo bonecos sem expressão. A jogabilidade é muito simplificada: nada mais de pontos de experiência para abrir habilidades, poucos biomods, munição universal, multitool universal, hacking sem limite de tempo, e por aí vai. A física é bugada, é quase impossível empilhar duas caixas pra escalar uma parede alta, você encosta e as duas saem voando.

Até tem uns momentos divertidos, mas no geral é ordinário. Nota 6 e olhe lá.

Link to post
Share on other sites
44 minutos atrás, Stormwatch disse:

A física é bugada, é quase impossível empilhar duas caixas pra escalar uma parede alta, você encosta e as duas saem voando.

hahahaha isso me cheira a havok em primeira versao, nao sei se esse jogo usa

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

Continuando na minha missão de jogar toda a série Deus Ex, encarei o capítulo perdido: Project Snowblind.

Ele foi planejado como Deus Ex: Clan Wars, mas em algum momento decidiram mudar o nome e tirar todas as referências diretas. E assim evitaram um micão: se o Invisible War já era simplificado, esse aqui joga fora todos os elementos de RPG e stealth, é apenas um FPS de console típico e mediano dessa época. É quase totalmente linear. Os aprimoramentos são destravados em pontos fixos do roteiro e não são escolhidos. Hackear dispositivos e andar pelos túneis de ventilação ainda é possível, mas faz bem menos diferença. E é bem curto, umas 3-4 horas e tchau. Até diverte, mas nunca impressiona.

Link to post
Share on other sites

  Arc the Lad: Twilight of Spirits (PS2)

Ótima continuação desta vez. Apresentação ficou bem ambientada, apesar de longos diálogos para variar. As batalhas são boas mas ainda prefiro o esquema que foi feito em Arc the Lad 2.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...