Jump to content
Sign in to follow this  
Maedhros

2020 O ano que não perdoa - A Maldição

Recommended Posts

Noh, começou pesado demais 2020.

Neil Peart foi um musico fantástico. Serviu de inspiração pra muitos

Share this post


Link to post
Share on other sites

caramba...ele era monstro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Valdir_Joaquim_de_Moraes_(2010).png

 

Palmeiras anunciou neste sábado a morte de Valdir Joaquim de Morais, ex-goleiro e um dos maiores ídolos da história do clube, aos 88 anos de idade.

Valdir Joaquim de Morais estava debilitado desde 2016, quando sofreu um AVC. Ele estava inernado em Porto Alegre, cidade onde nasceu e residia, e seu quadro apresentou piora nos últimos meses. Ele passou mal durante a madrugada de sábado e veio a falecer após falência múltipla de orgãos.

Com a camisa do Verdão, ele conquistou os títulos do Campeonato Paulista em 1959, 1963 e 1966; Campeonato Brasileiro em 1960, 1967 (Torneio Roberto Gomes Pedrosa) e 1967 (Taça Brasil); Torneio Rio-São Paulo em 1965.

Valdir também foi o primeiro preparador de goleiros a atuar no futebol brasileiro, sendo pioneiro na função em solo nacional.

Edited by Maedhros
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sou fã do Rush (nada prog na verdade) mas não tem como não admirar o Neil Peart. Foi pena. Um verdadeiro monstro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Foi pena.

Ainda tinha a esperança de ver ele num futuro Space Jam 2 (apesar dele já ter dito que não participaria).

Share this post


Link to post
Share on other sites

O ano começou pesado hein

Share this post


Link to post
Share on other sites

Reed Mullin, baterista do Corrosion Of Conformity, morre aos 53 anos

 

Reed-Mullin-baterista-do-Corrosion-Of-Co

RIP. Para sempre será lembrado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bah, se eu chegar na metade da idade dele já tá bão...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Morre o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão

Ator tinha 83 anos e morreu em decorrência de uma broncopneumonia

Morreu nesta quarta (19) em São Paulo o cineasta José Mojica Marins, ao 83 anos, em São Paulo.

Conhecido como o Zé do Caixão, ele estava internado no hospital Sancta Maggiore devido a uma broncopneumonia. Sua morte foi confirmada pela sua filha Liz Marins à Folha

336119-970x600-1.jpeg

Nascido em uma sexta-feira 13, Mojica é considerado um dos mestres do terror mundial. Originalmente sua obra foi desprezada pela crítica brasileira.

O apelido de Zé do Caixão veio do seu personagem mais famoso. Surgido em um pesadelo do cineasta, ele era um agente funerário sádico que aterrorizava uma pequena cidade, desejoso de ser pai de uma criança perfeita. Para isso, precisava encontrar uma mulher tão perfeita quanto —e estava disposto a matar quem cruzasse o seu caminho.

O personagem apareceu pela primeira vez em 1964, em “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. O longa foi um sucesso de bilheteria, e permitiu não só que o diretor pagasse dívidas pessoais como o tornasse um dos mais nomes mais conhecidos da Boca do Lixo. Dois anos depois, “À Meia-Noite” ganhou uma continuação: “Esta Noite Encarnarei seu Cadáver”.

Pouco depois, em 1968, é a vez de Mojica dirigir “O Estranho Mundo de Zé do Caixão”. O filme combina três contos, sobre um fabricante de boneca cujas criações são assustadoramente humanas, um homem necrófilo, e um pesquisador que prova que o amor está morto —curiosamente, o personagem icônico não está em nenhum deles.

No mesmo ano, ele estreia uma série na TV Tupi com o mesmo nome. É uma versão de um programa da TV Bandeirantes que ele tinha estreado em 1967, em que, na pele de Zé do Caixão, punha os alunos de sua escola de interpretação para atuar em tramas assustadoras. Na Tupi, porém, o programa perde a verve realista e ganha um tom mais surrealista, onírico.
 
A mudança não agradou os telespectadores, conta André Barcinski na biografia de Mojica, “Maldito”. Para tentar recuperar a audiência, Abujamra chegou a sugerir a inclusão de um poema de Pablo Neruda. Zé do Caixão não se segurou: “Poesia? Isso é coisa de viado?”. Foi demitido três meses depois.
:(:(:(:(:rip:
Edited by Peidãø Neck

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Peidãø Neck disse:

Morre o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão

Ator tinha 83 anos e morreu em decorrência de uma broncopneumonia

Morreu nesta quarta (19) em São Paulo o cineasta José Mojica Marins, ao 83 anos, em São Paulo.

Conhecido como o Zé do Caixão, ele estava internado no hospital Sancta Maggiore devido a uma broncopneumonia. Sua morte foi confirmada pela sua filha Liz Marins à Folha

336119-970x600-1.jpeg

Nascido em uma sexta-feira 13, Mojica é considerado um dos mestres do terror mundial. Originalmente sua obra foi desprezada pela crítica brasileira.

O apelido de Zé do Caixão veio do seu personagem mais famoso. Surgido em um pesadelo do cineasta, ele era um agente funerário sádico que aterrorizava uma pequena cidade, desejoso de ser pai de uma criança perfeita. Para isso, precisava encontrar uma mulher tão perfeita quanto —e estava disposto a matar quem cruzasse o seu caminho.

O personagem apareceu pela primeira vez em 1964, em “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. O longa foi um sucesso de bilheteria, e permitiu não só que o diretor pagasse dívidas pessoais como o tornasse um dos mais nomes mais conhecidos da Boca do Lixo. Dois anos depois, “À Meia-Noite” ganhou uma continuação: “Esta Noite Encarnarei seu Cadáver”.

Pouco depois, em 1968, é a vez de Mojica dirigir “O Estranho Mundo de Zé do Caixão”. O filme combina três contos, sobre um fabricante de boneca cujas criações são assustadoramente humanas, um homem necrófilo, e um pesquisador que prova que o amor está morto —curiosamente, o personagem icônico não está em nenhum deles.

No mesmo ano, ele estreia uma série na TV Tupi com o mesmo nome. É uma versão de um programa da TV Bandeirantes que ele tinha estreado em 1967, em que, na pele de Zé do Caixão, punha os alunos de sua escola de interpretação para atuar em tramas assustadoras. Na Tupi, porém, o programa perde a verve realista e ganha um tom mais surrealista, onírico.
 
A mudança não agradou os telespectadores, conta André Barcinski na biografia de Mojica, “Maldito”. Para tentar recuperar a audiência, Abujamra chegou a sugerir a inclusão de um poema de Pablo Neruda. Zé do Caixão não se segurou: “Poesia? Isso é coisa de viado?”. Foi demitido três meses depois.
:(:(:(:(:rip:

Rip Coffin Joe.

Share this post


Link to post
Share on other sites
5 horas atrás, Peidãø Neck disse:

Morre o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão

Ator tinha 83 anos e morreu em decorrência de uma broncopneumonia

Morreu nesta quarta (19) em São Paulo o cineasta José Mojica Marins, ao 83 anos, em São Paulo.

Conhecido como o Zé do Caixão, ele estava internado no hospital Sancta Maggiore devido a uma broncopneumonia. Sua morte foi confirmada pela sua filha Liz Marins à Folha

336119-970x600-1.jpeg

Nascido em uma sexta-feira 13, Mojica é considerado um dos mestres do terror mundial. Originalmente sua obra foi desprezada pela crítica brasileira.

O apelido de Zé do Caixão veio do seu personagem mais famoso. Surgido em um pesadelo do cineasta, ele era um agente funerário sádico que aterrorizava uma pequena cidade, desejoso de ser pai de uma criança perfeita. Para isso, precisava encontrar uma mulher tão perfeita quanto —e estava disposto a matar quem cruzasse o seu caminho.

O personagem apareceu pela primeira vez em 1964, em “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. O longa foi um sucesso de bilheteria, e permitiu não só que o diretor pagasse dívidas pessoais como o tornasse um dos mais nomes mais conhecidos da Boca do Lixo. Dois anos depois, “À Meia-Noite” ganhou uma continuação: “Esta Noite Encarnarei seu Cadáver”.

Pouco depois, em 1968, é a vez de Mojica dirigir “O Estranho Mundo de Zé do Caixão”. O filme combina três contos, sobre um fabricante de boneca cujas criações são assustadoramente humanas, um homem necrófilo, e um pesquisador que prova que o amor está morto —curiosamente, o personagem icônico não está em nenhum deles.

No mesmo ano, ele estreia uma série na TV Tupi com o mesmo nome. É uma versão de um programa da TV Bandeirantes que ele tinha estreado em 1967, em que, na pele de Zé do Caixão, punha os alunos de sua escola de interpretação para atuar em tramas assustadoras. Na Tupi, porém, o programa perde a verve realista e ganha um tom mais surrealista, onírico.
 
A mudança não agradou os telespectadores, conta André Barcinski na biografia de Mojica, “Maldito”. Para tentar recuperar a audiência, Abujamra chegou a sugerir a inclusão de um poema de Pablo Neruda. Zé do Caixão não se segurou: “Poesia? Isso é coisa de viado?”. Foi demitido três meses depois.
:(:(:(:(:rip:

nascido em uma sexta feira 13 pqp 
kkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...