Jump to content

Coronavírus (bagulho ta tenso)


MR Zumbi
 Share

Recommended Posts

Olá,

O ministro da saúde disse hoje em coletiva que este diretor do ministerio abaixo, será exonerado no DOU de amanhã.

O famigerado Ricardo Barros ASSUMIU que encontrou com esses caras mas "NAO CONVERSOU SOBRE VACINA".

 

E o governo boi sonaro EMITIU UMA TERCEIRA VERSÃO SOBRE O CASO COVAXIN, QUE ESTÁ ROLANDO EM PARALELO.

 

Diretor do ministério pediu US$ 1 de propina por dose da AstraZeneca, diz jornal

Representante da Davati Medical Supply revelou à Folha que Roberto Dias, diretor do Ministério da Saúde, tentou negociar a propina na compra de um lote de 400 milhões de doses de vacinas

 

https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2021/06/4934458-governo-pediu-uss-1-de-propina-por-dose-da-astrazeneca-diz-site.html

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

8 horas atrás, Zappato disse:

Cacete, caiu de 5000 mortos num dia para 300...

E se fosse com ozônio?

Ou o feijão do Valdomiro?

 

Aliás, o brother dele morre esta semana de covid.

Link to comment
Share on other sites

40 minutos atrás, sonda 2 disse:

Sério?

Brother de sangue ou de quadrilha ops quer dizer de igreja?

De sangue, pelo visto não comprou o feijão milagroso.

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, Peidãø Neck disse:

 

Olá,

O depoimento dele se resumiu a 7 horas repetindo a frase "Me reservo ao direito de ficar em silêncio".

Ele respondeu literalmente TODAS as perguntas com a frase acima (não importa se o senador era governista ou de oposição).

 

 

 

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

Em 23/06/2021 at 20:54, parana disse:

Quem sabe vc toma a Jensenn.....

Chegam 3 milhões de doses doadas dos EUA amanhã

voce acertou tomei ontem.

havia um balcao com dois cartazes um escrito coronavac e outro que nao consegui ler mas tinha poucas pessoas entao acho que era a 2 dose.

bem agora e continua mantendo os cuidados mascara alcool gel distanciamento e aglomeracao (quando possivel infleizmente digo pela questao de transporte publico etc).

Link to comment
Share on other sites

Covid-19: Governo defendeu comprar vacinas da Covax apenas para "grupos de risco", mostra documento

E2wdYIIXoAY501o?format=jpg&name=large

Segundo O Globo, parecer da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde defendeu que imunizantes do Consórcio Internacional fossem comprados para equivalente a 10% da população. Governo queria vacinar apenas "grupos de risco" com Covax, mostra documento.

Link to comment
Share on other sites

Posted (edited)

Milhares no Brasil tomaram vacina vencida contra Covid; veja se você é um deles

Bolsonaro_genocida_5.jpg

Pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em diversos postos de saúde do país, o que compromete sua proteção contra a Covid-19. Os dados constam de registros oficiais do Ministério da Saúde.

Até o dia 19 de junho, os imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros.

A campeã no uso de vacinas vencidas é Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A cidade paranaense vacinou 3.536 pessoas com o produto da AstraZeneca fora da validade (primeira dose em todos os casos).

Depois aparecem Belém (PA), com 2.673, São Paulo (SP), com 996, Nilópolis (RJ), com 852, e Salvador (BA), com 824. As demais cidades aplicaram menos de 700 vacinas vencidas, sendo que a maioria não passou de dez doses.

Além disso, outras 114 mil doses da vacina AstraZeneca que foram distribuídas a estados e municípios dentro do prazo de validade já expiraram. Não está claro se foram descartadas ou se continuam sendo aplicadas.

AstraZeneca é a vacina mais usada no Brasil. Ela responde por 57% das doses aplicadas neste ano. A imensa maioria foi utilizada de acordo com as orientações do fabricante.

Todos os imunizantes expirados integram oito lotes da AstraZeneca importados ou adquiridos por consórcio. Um deles passou da validade no dia 29 de março. O que venceu há menos tempo estava válido até 4 de junho.

O lote pode ser conferido na carteira individual de vacinação. Quem tiver recebido uma dose de um desses oito lotes de AstraZeneca após a data de validade (veja gráfico) deve procurar uma unidade de saúde para orientações e acompanhamento.

Além disso, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19, quem tomou imunizante vencido precisa se revacinar pelo menos 28 dias depois de ter recebido a dose administrada equivocadamente. Na prática, é como se a pessoa não tivesse se vacinado.

O plano define, também, que cada indivíduo vacinado seja identificado com o lote da imunização recebida, o produtor da vacina e a dose aplicada. Isso é feito justamente para acompanhamento do Ministério da Saúde e eventual identificação de erros vacinais.

O DataSUS (sistema de informações do Ministério da Saúde) também identifica todas as pessoas imunizadas com um código individual, acompanhado de informações sobre idade, grupo prioritário de vacinação, data da imunização e lote da vacina recebida.

Já a data de validade de cada lote vacinal consta de outro sistema do governo federal, o Sage (Sala de Apoio à Gestão Estratégica), que registra os comprovantes de entrega dos imunizantes contra Covid-19 por estado. Em cada um desses recibos há informações públicas sobre o número do lote vacinal, a data de validade, o fabricante e a data de entrega.

A Folha cruzou as duas bases —DataSUS e Sage— a partir do número do lote das vacinas. Foram consideradas todas as imunizações do país contra Covid-19 até 19 de junho.

O levantamento inédito mostra que, até essa data, um total de 25.935 doses de oito lotes de AstraZeneca foram aplicadas fora da validade. Metade desses lotes veio do Instituto Serum da Índia; a outra metade, da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

As vacinas desses lotes foram distribuídas de janeiro a março pelo governo federal para todos os estados do país antes do vencimento. Elas somam quase 3,9 milhões de doses, das quais cerca de 140 mil não foram utilizadas dentro do prazo de validade. Dessas, até o dia 19 de junho, 26 mil tinham sido aplicadas já vencidas.

A maioria (70%) das doses aplicadas depois da validade é de um mesmo lote do Instituto Serum, identificado como "4120Z005". O bloco venceu em 14 de abril, mas continuou sendo aplicado depois dessa data pelo país.

Paraná e Pará —que receberam os imunizantes desse lote em 24 de janeiro, logo depois de o primeiro lote de AstraZeneca da Índia ter chegado ao Brasil— têm a maior quantidade de registros de doses após o vencimento. Em Maringá e Belém, quase todas as doses vencidas foram ministradas especificamente nos dias 22 de abril e 11 de maio.

A capital do Pará também registrou 27 doses aplicadas após vencimento de outro lote, identificado como "CTMAV501", que veio da Opas e expirou em 30 de abril.

São Paulo também está entre os estados com maior quantidade de registros de doses aplicadas depois do vencimento: foram 3.648 unidades dos oito lotes vencidos de AstraZeneca ministrados (1.820 delas do mesmo lote indiano "4120Z005").

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo confirmou cerca de 4.000 doses ministradas após validade.

A pasta disse que "orienta os municípios sobre a aplicação da vacinação contra a Covid-19 e a importância da verificação da data de validade antes do uso do frasco de uma vacina, inclusive com documentos técnicos com todas as condutas necessárias. Todas as grades são distribuídas dentro do prazo de validade."

Os casos constatados de aplicação de vacina fora da validade, de acordo com a pasta, são avaliados individualmente para definição da conduta apropriada definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Já a Secretaria Municipal de Saúde de Belém informou que nenhuma dose de imunizante vencido foi aplicada na cidade.

"Entretanto, é possível que tenha havido erros nos registros, especialmente nas primeiras etapas da campanha de vacinação em massa, quando as anotações eram feitas manualmente em fichas de papel e posteriormente digitadas", afirma por email.

De acordo com os dados oficiais do Ministério da Saúde, no entanto, 99,7% dos registros de AstraZeneca após validade em Belém são de segunda dose. Foram ministradas, portanto, a partir de abril (a vacinação começou no país em janeiro e o intervalo entre doses desse imunizante é de 90 dias).

A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná informou que há um problema de integração dos dados entre municípios e o sistema federal, "um erro de leitura da data de exportação do dado".

A pasta não explicou, no entanto, como esse problema interfere na data de validade das doses de vacina ministradas no estado —que, vale lembrar, estão vinculadas aos lotes no Sage.

Também por nota, o Ministério da Saúde informou "que acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas Covid-19 recebidas e distribuídas" e que "as doses entregues para as centrais estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais. Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério."

A validade das vacinas contra Covid-19 depende da tecnologia e dos insumos utilizados no desenvolvimento do imunizante. Essas informações integram os dados analisados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para regulação dos imunizantes utilizados no país.

A AstraZeneca e a Pfizer duram até seis meses. A Janssen, com validade original definida em três meses, agora pode ficar armazenada por até quatro meses e meio. A Coronavac tem duração de um ano —o primeiro lote dessa vacina utilizado no Brasil venceria somente em novembro.

Os dados de vacinação contra Covid-19 têm sido monitorados pela Folha, que mostrou, recentemente, que 3,6 milhões de brasileiros com mais de 70 anos não estavam completamente imunizados contra Covid-19 (cerca de 1 milhão deles ainda sem a primeira dose).

Em maio, levantamento anterior apontou que quase dois milhões de vacinados tomaram a segunda dose fora do prazo. A Folha também já tinha identificado, em abril, que mais de 16 mil pessoas que receberam doses de fabricantes diferentes na vacina contra a Covid-19, erro vacinal que pode prejudicar a proteção contra a doença.

Nesse último caso, a maior quantidade de casos ocorreu em Santo André (SP), cuja prefeitura também alegou problemas na migração de dados dos vacinados. Na época, no entanto, o governo de São Paulo disse, em nota, que não havia registrado problemas operacionais na migração das informações para o DataSUS.

Milhares no Brasil tomaram vacina vencida contra Covid; veja se você é um deles - 02/07/2021 - Equilíbrio e Saúde - Folha (uol.com.br)

Edited by Peidãø Neck
Link to comment
Share on other sites

11 minutos atrás, Peidãø Neck disse:

Milhares no Brasil tomaram vacina vencida contra Covid; veja se você é um deles

Bolsonaro_genocida_5.jpg

Pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em diversos postos de saúde do país, o que compromete sua proteção contra a Covid-19. Os dados constam de registros oficiais do Ministério da Saúde.

Até o dia 19 de junho, os imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros.

A campeã no uso de vacinas vencidas é Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A cidade paranaense vacinou 3.536 pessoas com o produto da AstraZeneca fora da validade (primeira dose em todos os casos).

Depois aparecem Belém (PA), com 2.673, São Paulo (SP), com 996, Nilópolis (RJ), com 852, e Salvador (BA), com 824. As demais cidades aplicaram menos de 700 vacinas vencidas, sendo que a maioria não passou de dez doses.

Além disso, outras 114 mil doses da vacina AstraZeneca que foram distribuídas a estados e municípios dentro do prazo de validade já expiraram. Não está claro se foram descartadas ou se continuam sendo aplicadas.

AstraZeneca é a vacina mais usada no Brasil. Ela responde por 57% das doses aplicadas neste ano. A imensa maioria foi utilizada de acordo com as orientações do fabricante.

Todos os imunizantes expirados integram oito lotes da AstraZeneca importados ou adquiridos por consórcio. Um deles passou da validade no dia 29 de março. O que venceu há menos tempo estava válido até 4 de junho.

O lote pode ser conferido na carteira individual de vacinação. Quem tiver recebido uma dose de um desses oito lotes de AstraZeneca após a data de validade (veja gráfico) deve procurar uma unidade de saúde para orientações e acompanhamento.

Além disso, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19, quem tomou imunizante vencido precisa se revacinar pelo menos 28 dias depois de ter recebido a dose administrada equivocadamente. Na prática, é como se a pessoa não tivesse se vacinado.

O plano define, também, que cada indivíduo vacinado seja identificado com o lote da imunização recebida, o produtor da vacina e a dose aplicada. Isso é feito justamente para acompanhamento do Ministério da Saúde e eventual identificação de erros vacinais.

O DataSUS (sistema de informações do Ministério da Saúde) também identifica todas as pessoas imunizadas com um código individual, acompanhado de informações sobre idade, grupo prioritário de vacinação, data da imunização e lote da vacina recebida.

Já a data de validade de cada lote vacinal consta de outro sistema do governo federal, o Sage (Sala de Apoio à Gestão Estratégica), que registra os comprovantes de entrega dos imunizantes contra Covid-19 por estado. Em cada um desses recibos há informações públicas sobre o número do lote vacinal, a data de validade, o fabricante e a data de entrega.

A Folha cruzou as duas bases —DataSUS e Sage— a partir do número do lote das vacinas. Foram consideradas todas as imunizações do país contra Covid-19 até 19 de junho.

O levantamento inédito mostra que, até essa data, um total de 25.935 doses de oito lotes de AstraZeneca foram aplicadas fora da validade. Metade desses lotes veio do Instituto Serum da Índia; a outra metade, da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

As vacinas desses lotes foram distribuídas de janeiro a março pelo governo federal para todos os estados do país antes do vencimento. Elas somam quase 3,9 milhões de doses, das quais cerca de 140 mil não foram utilizadas dentro do prazo de validade. Dessas, até o dia 19 de junho, 26 mil tinham sido aplicadas já vencidas.

A maioria (70%) das doses aplicadas depois da validade é de um mesmo lote do Instituto Serum, identificado como "4120Z005". O bloco venceu em 14 de abril, mas continuou sendo aplicado depois dessa data pelo país.

Paraná e Pará —que receberam os imunizantes desse lote em 24 de janeiro, logo depois de o primeiro lote de AstraZeneca da Índia ter chegado ao Brasil— têm a maior quantidade de registros de doses após o vencimento. Em Maringá e Belém, quase todas as doses vencidas foram ministradas especificamente nos dias 22 de abril e 11 de maio.

A capital do Pará também registrou 27 doses aplicadas após vencimento de outro lote, identificado como "CTMAV501", que veio da Opas e expirou em 30 de abril.

São Paulo também está entre os estados com maior quantidade de registros de doses aplicadas depois do vencimento: foram 3.648 unidades dos oito lotes vencidos de AstraZeneca ministrados (1.820 delas do mesmo lote indiano "4120Z005").

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo confirmou cerca de 4.000 doses ministradas após validade.

A pasta disse que "orienta os municípios sobre a aplicação da vacinação contra a Covid-19 e a importância da verificação da data de validade antes do uso do frasco de uma vacina, inclusive com documentos técnicos com todas as condutas necessárias. Todas as grades são distribuídas dentro do prazo de validade."

Os casos constatados de aplicação de vacina fora da validade, de acordo com a pasta, são avaliados individualmente para definição da conduta apropriada definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Já a Secretaria Municipal de Saúde de Belém informou que nenhuma dose de imunizante vencido foi aplicada na cidade.

"Entretanto, é possível que tenha havido erros nos registros, especialmente nas primeiras etapas da campanha de vacinação em massa, quando as anotações eram feitas manualmente em fichas de papel e posteriormente digitadas", afirma por email.

De acordo com os dados oficiais do Ministério da Saúde, no entanto, 99,7% dos registros de AstraZeneca após validade em Belém são de segunda dose. Foram ministradas, portanto, a partir de abril (a vacinação começou no país em janeiro e o intervalo entre doses desse imunizante é de 90 dias).

A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná informou que há um problema de integração dos dados entre municípios e o sistema federal, "um erro de leitura da data de exportação do dado".

A pasta não explicou, no entanto, como esse problema interfere na data de validade das doses de vacina ministradas no estado —que, vale lembrar, estão vinculadas aos lotes no Sage.

Também por nota, o Ministério da Saúde informou "que acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas Covid-19 recebidas e distribuídas" e que "as doses entregues para as centrais estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais. Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério."

A validade das vacinas contra Covid-19 depende da tecnologia e dos insumos utilizados no desenvolvimento do imunizante. Essas informações integram os dados analisados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para regulação dos imunizantes utilizados no país.

A AstraZeneca e a Pfizer duram até seis meses. A Janssen, com validade original definida em três meses, agora pode ficar armazenada por até quatro meses e meio. A Coronavac tem duração de um ano —o primeiro lote dessa vacina utilizado no Brasil venceria somente em novembro.

Os dados de vacinação contra Covid-19 têm sido monitorados pela Folha, que mostrou, recentemente, que 3,6 milhões de brasileiros com mais de 70 anos não estavam completamente imunizados contra Covid-19 (cerca de 1 milhão deles ainda sem a primeira dose).

Em maio, levantamento anterior apontou que quase dois milhões de vacinados tomaram a segunda dose fora do prazo. A Folha também já tinha identificado, em abril, que mais de 16 mil pessoas que receberam doses de fabricantes diferentes na vacina contra a Covid-19, erro vacinal que pode prejudicar a proteção contra a doença.

Nesse último caso, a maior quantidade de casos ocorreu em Santo André (SP), cuja prefeitura também alegou problemas na migração de dados dos vacinados. Na época, no entanto, o governo de São Paulo disse, em nota, que não havia registrado problemas operacionais na migração das informações para o DataSUS.

Milhares no Brasil tomaram vacina vencida contra Covid; veja se você é um deles - 02/07/2021 - Equilíbrio e Saúde - Folha (uol.com.br)

Olá,

Conferi a primeira dose que tomei aqui, e felizmente nao está na lista dos lotes que estão com "recall".

 

Bolsonaro introduz com seu governo competente o INÉDITO RECALL DE VACINA.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

11 minutos atrás, rcaropreso disse:

Bolsonaro introduz com seu governo competente o INÉDITO RECALL DE VACINA.

Mais um feito desse governo maravilhoso repleto de conquistas! MITO! MITO! MITO! A NOSSA BANDEIRA JAMAIS SERÁ VERMELHA!

59332309_2447788628574107_27954922762125

Link to comment
Share on other sites

Me vacinei na quarta com a vacina da Janssen, dose única. 

Ontem fiquei mal pacas, com febre, dor nas articulações e fraqueza, mas hoje já estou 100%. 

O bom é não precisar de segunda dose, mas teria tomado qualquer outra que tivesse lá. 

Link to comment
Share on other sites

2 horas atrás, Ignarius disse:

Me vacinei na quarta com a vacina da Janssen, dose única. 

Ontem fiquei mal pacas, com febre, dor nas articulações e fraqueza, mas hoje já estou 100%. 

O bom é não precisar de segunda dose, mas teria tomado qualquer outra que tivesse lá. 

Olá,

Fiquei assim com  a 1a dose da Astrazeneca.

Espero que a 2a dose nao repita o mesmo cenario.

 

Mas sim, tem que tomar a vacina que estiver ali ,qualquer uma das aprovadas serve.

Link to comment
Share on other sites

Semana passada, dia 01/07 , tomei a 1ª dose aqui na capital de São Paulo, e foi a CoronaVac...Na hora senti uma picada mais fraca do que uma picada de marimbondo, porém até o momento não senti mais nada, e não tive nenhuma reação...2ª dose só vou tomar em agosto...Sei lá, espero que essa Coronavac não seja "placebo" como muitos afirmam ser!

Falow!!!

Link to comment
Share on other sites

Defendida por Bolsonaro, Copa América trouxe ao Brasil nova cepa do coronavírus

Torneio registrou 179 casos positivos de covid-19. Segundo a Conmebol, pelo menos 166 pessoas relacionadas à disputa estavam com o vírus

564969226-1623628816158.jpg

São Paulo – A Copa América disputada no Brasil, encerrada neste sábado (10) e defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, trouxe ao país pelo menos uma nova cepa do coronavírus. De acordo com informações dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo, o Instituto Adolfo Lutz identificou dois casos da variante B.1.621 entre 12 exames realizados.

As variantes foram identificadas em Mato Grosso, com resultado divulgado no sábado. Entre os 12 sequenciamentos genéticos de amostras para identificação das cepas, 10 identificaram a variante gama, encontrada pela primeira vez no estado do Amazonas.

Os testes positivos foram de um colombiano e um equatoriano. Colômbia e Equador se enfrentaram na Arena Pantanal, em Cuiabá, na abertura do torneio, em 13 de junho. No último balanço divulgado pela Conmebol, em 24 de junho, 166 pessoas relacionadas à Copa América estavam com o vírus. Os estados enviara material para que o instituto fizesse a sequência de amostras coletadas de jogadores, comissão e delegações.

Ainda pouco estudada, a variante encontrada em Cuiabá é classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como em alerta para mais monitoramento. Ela é originária da Colômbia, mas já chegou no Caribe, nos Estados Unidos e em algumas localidades da Europa.

Casos no torneio

Com o encerramento da Copa América, após o título da Argentina, o torneio deixou um legado de 179 casos positivos de covid-19 entre os participantes. Destes, o sequenciamento genético foi realizado em 38. Para 22, o processo já foi concluído e o resultado foi de variante gama.

Confirmada no Brasil a 13 dias de sua estreia, a Copa América foi trazida ao Brasil por Jair Bolsonaro. Na época, o país registrava média móvel de mortes pela covid-19 de quase 1.900 pessoas/dia e contabilizara 209 mil óbitos só nos três meses anteriores. Com a rejeição, quatro patrocinadores optaram por não expor suas marcas.

Ao jornal O Globo, o epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), afirmou que num período tão curto, de 29 dias, a taxa de infecção é altíssima. “Se a gente fizesse um acompanhamento da população em geral neste mesmo período seria muito mais baixo”, declarou.

Na noite do último domingo (11), o Ministério da Saúde se manifestou, por meio do Twitter. Classificou a Copa América no Brasil como um “sucesso” e, de maneira mentirosa, associou a queda de casos de covid-19 no país à realização do torneio.

Edited by Peidãø Neck
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...